A EducAção do Movimento dos Sem Terra (MST) do Brasil e o Educador das massas

  • Maria Socorro Ramos Militão Professora do Instituto de Filosofia e do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).
Palavras-chave: Educação. MST. Escola Única de Gramsci.

Resumo

Este artigo apresenta parte dos resultados das pesquisas desenvolvidas em minha tese de doutoramento, concluída em 2008, no tocante ao projeto de educação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) brasileiro. Em especial, evidencia as semelhanças e aspectos políticos entre o modelo de educação deste Movimento de trabalhadores rurais e oconceito de “Educação Única” do filósofo italiano Antonio Gramsci, além de tecer importantes considerações acerca das concepções de partido político Educador e intelectual orgânico do filósofo italiano e a correlação destes com as concepções de formação política e quadros multiplicadores do MST. Gestado no início dos anos 1980 e consolidado ao longo de sua trajetóriaem seus acampamentos, assentamentos, e em todos os seus espaços de luta, o MST criou um projeto de educação pelos e para os sem terra, em suas fileiras, com vistas a promover uma formação integral, que contempla simultaneamente, a educação formal, técnica e política. Um projeto que se desenvolveu na luta à medida que o Movimento se deparava com problemas cotidianos e conforme a correlação de forças políticas que teve que estabelecer com os governantes e com as classes dominantes brasileiras, desde a sua gênese. A pesquisa foi orientada pelo método materialista histórico-dialético, pelos ideais marxianos e marxistas, pelo pensamento gramsciano e pelo referencial teórico produzido pelo MST, e contemplou o período que aborda desde a origem do MST até ano de 2007.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-06-30