Contribuições da Psicologia Social à formação de representações sociais que prescindam de preconceito: um relato de experiência

Palavras-chave: Psicologia Social, Homoafetividade, Educação em Direitos Humanos

Resumo

Relata-se neste artigo ações desenvolvidas durante uma experiência de extensão universitária, mediadas pela psicologia social e a categoria de análise das Representações Sociais. A prática aconteceu em um Centro de Referência de Assistência Social com seis adolescentes, cuja temática dos encontros circunscreveu a questão da sexualidade humana, com enfoque sobre a homoafetividade. Durante as discussões com os participantes, identificou-se preconceitos na sua forma de relacionar com pessoas homossexuais, expresso em sentimentos como nojo e atitudes de distanciamento. Nesta direção, elaborou-se quatro encontros de caráter psicoeducativo, para que fossem construídas novas representações sociais que prescindissem de preconceito. Concluiu-se este trabalho, afirmando que ações extensionistas favorecem a humanização de grupos historicamente marginalizados, os quais estão inseridos em contextos possibilitadores de violência, entretanto, somente isso não basta, são necessárias iniciativas que visam à transformação no modo de produção social, de forma a gerir condições equânimes e igualitárias de acesso a bens e serviços socialmente estabelecidos.

Recebido em: 05/11/2019.
Aprovado em: 16/03/2020.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nilma Renildes da Silva, UNESP - Bauru

Professora doutora do departamento de psicologia da UNESP de Bauru

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Cartilha do Adolescente. Brasília – DF. 2012.

_____. Politica Nacional de Extensão Universitária. 2015. Disponível em: http://proex.ufsc.br/files/2016/04/Pol%C3%Adtica-Nacional-de-Extens%C3%A3o-Universit%C3%A1ria-e-book.pdf. Acesso em: 13 set.2018.

_____. Ministério dos Direitos Humanos. Disque 100 registra aumento de 127% nas denúncias de homicídios de pessoas. 2018. Disponível em: http://www.mdh.gov.br/todas-as-noticias/2018/maio/disque-100-registra-aumento-de-127-nas-denuncias-de-homicidios-de-pessoas-lgbt-1. Acesso em 30 de jul. 2018.

CFP. Conselho Federal de Psicologia. Código de ética profissional do psicólogo. 2014.

CHAUÍ, M. Ensaio: ética e violência. Revista Teoria e Debate, nº39, p.3. 1998. Disponível em: http://www. fpa.org.br/conteudo/ensaio-etica-e-violencia. Acesso em 01. set. 2018.

COLARES, A. F. V.; SILVA, L. O; FREITAS, A. F. O cinema nacional é preconceituoso? Reflexões sobre (o poder da) mídia, representações sociais e homossexualidade. REBELA-Revista Brasileira de Estudos Latino-Americanos, v. 5, n. 1, 2015.

FREIRE, P. Direitos Humanos e Educação Libertadora. In: FREIRE, A. M. A. (Org.). Pedagogia dos sonhos possíveis. São Paulo: UNESP, p. 99. 2001.

GUARESCHI, P. A. Ética, Justiça e Direitos Humanos. Em: Comissão Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal de Psicologia. Psicologia, Ética e Direitos Humanos. Brasília, CFP, 1998.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. Em: _____. As representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ, p. 17-44. 2001.

LACERDA, M.; PEREIRA, C.; CAMINO, L Um estudo sobre as formas de preconceito contra homossexuais na perspectiva das representações sociais. Psicologia: reflexão e crítica, v.15, n.1, p.165-178, 2002.

LANE, S. T. M. O que é psicologia social. Brasiliense, 2017.

MARINHO, G. Educar em direitos humanos e formar para a cidadania no ensino fundamental. Coleção Educação para direitos humanos. São Paulo: Cortez, p.51. 2012.

MARTIM-BARÓ, I. Ação e Ideologia. 8. ed. San Salvador: UCA Editores. 1997.

MISKOLCI, R. Machos e Brothers: uma etnografia sobre o armário em relações homoeróticas masculinas criadas on-line. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 1: 424, janeiroabril/2013.

OMS. Saúde Sexual. Genebra. 2017. Disponível em: http://www.who.int/topics/sexual_health/en/ 2.

PINHO, F. A.; NASCIMENTO, F. A. História, memória e esquecimento no cinema brasileiro: a contribuição da organização da informação na reconstrução da imagem social do personagem homossexual. Logeion: Filosofia da Informação, v. 3, n. 1, p. 42-63, 2016.

ROCHA, V. L. B.; RANGEL, M. A diversidade sexual permeada pela teoria das representações sociais: uma revisão narrativa. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 11, n. 2, p. 783-794, 2016.

SILVA, N. R. da. Relações sociais para superação da violência no cotidiano escolar e processos formativos de professores. 297f. 2006. Tese (Doutorado em Educação: Psicologia da Educação). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. 2006.

SPINK, M. J. P. O conceito de representação social na abordagem psicossocial. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 300-308. 1993.

VÁZQUEZ, A. S. Filosofia da Práxis. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1990.
Publicado
2020-04-27
Seção
Artigos