One Belt, One Road: a iniciativa chinesa de infraestrutura e a sua repercussão no BRICS

One Belt, One Road: the Chinese initiative for infrastructure and its repercussion on BRICS

  • Lucas Gualberto do Nascimento Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
  • Monica Esmeralda Bruckmann Maynetto Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Palavras-chave: China e OBOR, BRICS, Geopolítica, Política externa chinesa

Resumo

O estudo pretende analisar a iniciativa chinesa de infraestrutura, chamada Belt and Road Initiative (B&R), ou One Belt, One Road (OBOR), mais conhecida como “A Nova Rota da Seda”, lançada oficialmente em 2013; e a partir de uma visão de expansão da influência chinesa tanto na economia como na política mundial, com o apoio de novas plataformas de cooperação entre países emergentes, como o BRICS. Ademais, o trabalho também explora as iniciativas globais chinesas de aproximação político-econômica, de maneira a influenciar o cenário político-econômico dos seus parceiros estratégicos no continente eurasiático expandido, na África e na América do Sul. Assim, é possível identificar as iniciativas e estratégias chinesas para a expansão da sua influência, a partir do incentivo à expansão econômica, junto a uma rede de fontes de financiamento com apoio do capital chinês; e, portanto, a atração de potenciais parceiros em suas zonas de influência imediata e transcontinental, em uma expansão planejada para o oeste. Por fim, é avaliado como o OBOR pode influenciar o BRICS e seus membros no fortalecimento do seu projeto de cooperação e benefício mútuos, a partir da ampliação da sua infraestrutura interna, promovendo mais uma aproximação física como nova etapa da crescente interação entre seus membros.

 

 

Abstract: This study aims to analyze the Chinese infrastructure initiative called the Belt and Road Initiative (B&R), or One Belt, One Road (OBOR), better known as "The New Silk Road", officially launched in 2013; and from a vision of expanding Chinese influence in both the economy and world politics with the support of new platforms of cooperation among emergent countries, such as the BRICS. In addition, the paper also explores the global Chinese political-economic approaches in order to influence the political-economic scenario of its strategic partners in the expanded Eurasian continent, Africa, and South America. Thus, it is possible to identify Chinese initiatives and strategies for expanding its influence, from the initative for economic expansion, to a network of Chinese-funded finance sources; and therefore the attraction of potential partners in zones of immediate and transcontinental influence, in a planned expansion to the west. Finally, it is evaluated how OBOR can influence BRICS and its members in strengthening its project of cooperation and mutual benefit, by expanding its internal infrastructure, promoting a more material cooperation as a new stage of the growing interaction among its members.

Keywords: Chinese foreign policy; China and OBOR; BRICS; Geopolitics.

 

 

Recebido em: março/2018.
Aprovado em: fevereiro/2019.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Gualberto do Nascimento, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Mestrando em Estudos Modernos do Leste Asiático, na Universidade Goethe de Frankfurt am Main, Alemanha. Graduado em Relações Internacionais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em 2017. Fez intercâmbio acadêmico semestral na Universidad Autónoma de Madrid (UAM), em 2016-2017. Membro do Grupo de Pesquisa da Política Internacional (GPPI), especializado no estudo do BRICS, e do grupo Responsabilidade do Estado, Uso da Força e o Bloco de Constitucionalidade do Direito Internacional, ambos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Foi integrante do programa PIBIT (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Tecnológica), em 2011-2012, pelo CEFET/RJ. Possui interesse e experiência nos seguintes temas: BRICS; Estudos de População e Desenvolvimento; Direito Internacional Público; Responsabilidade do Estado.

Monica Esmeralda Bruckmann Maynetto, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Doutora em Ciência Política pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Bacharel em Ciências Sociais. É Professora do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Diretora de Pesquisa da Cátedra e Rede da UNESCO sobre Economia Global e Desenvolvimento Sustentável (REGGEN), Coordenadora do grupo de Trabalho Geopolítica, integração regional e sistema mundial do Conselho Latinoamericano e Caribenho de Ciências Sociais-CLACSO, Presidente da Agência Latinoamericana de Informação-ALAI, membro permanente do claustro de orientadores de doutorado de administração da Universidade Nacional Autônoma do México-UNAM e pesquisadora da Rede de Estudos de Economia Mundial (REDEM), com sede na Universidade de Puebla-México. Foi assessora da Secretaria Geral da União de Nações Sulamericanas (UNASUL) e Diretora do Instituto de Pesquisa Social Perúmundo (Lima) . Seu livro "Dialética e imprensa revolucionária em José Carlos Mariátegui" foi traduzido ao mandarim e publicado recentemente pela editora da Academia Chinesa de Ciências Sociais. Seu último livro "Recursos naturales y la geopolítica de la integración sudamericana" foi publicado em espanhol no Peru, Equador, Venezuela, Argentina e Bolivia e atualmente se prepara a edição em português e inglês. Colaborou com jornais e revistas entre os quais destaca o jornal francês Le Monde Diplomatique. Seus trabalhos foram traduzidos para o espanhol, inglês, português, francês, alemão, italiano, árabe, coreano, búlgaro, russo, holandês, esperanto, japonês, norueguês, polonês, servo-croata, crioulo, e chinês.

Referências

AMORA, Dimmi. Ferrovia bioceânica, para ligar o Brasil ao Pacífico, é viável, indica estudo. Folha de São Paulo, São Paulo, 11 jul. 2016. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/07/1790571-ferrovia-bioceanica-para-ligar-o-brasil-ao-pacifico-e-viavel-indica-estudo.shtml>. Acesso em: 20 nov. 2017.

BRADSHER, Keith. Hauling new treasure along the silk road. The New York Times, New York, Jul. 2013. Global Business. Disponível em: . Acesso em: 3 dez. 2017.

BRUCKMANN, Monica. Recursos naturales y la geopolítica de la integración Sudamericana. Agencia Latinoamericana de Información (ALAI), Quito, 11 abr. 2011.

CHINA aims to build a global infrastructure network. 1 mapa, color. Berlin: Mercator Institute for China Studies, 2015. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2017.

CHOWDHURY, Jhinuk. Modi warms up to Xi keeping ‘border’ as the key word. RT, 2014. Disponível em: < https://www.rt.com/op-edge/189688-india-china-border-talks-visit/>. Acesso em: 12 de setembro de 2017.

DAVYDOV, Vladimir. Economic priorities of BRICS. 6º Fórum Acadêmico do BRICS. Rio de Janeiro, 2014.

ESCOBAR, Pepe. Putin, Xi Jinping e parceiros na Nova Rota da Seda. Porto Alegre: Carta Maior, 2017. Disponível em: < http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Internacional/Putin-Xi-Jinping-e-parceiros-na-Nova-Rota-da-Seda/6/38105>. Acesso em: 28 de junho de 2017.

EYLER, Brian. China’s maritime silk road is all about Africa. [S.l.]: East by Southeast, 2014. Disponível em: Acesso em: 2 dez. 2017.

FERROVIA bioceânica é viável, dizem chineses em audiência pública. Senado Notícias, Brasília, abr. 2017. Disponível em: < https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2017/04/18/ferrovia-bioceanica-e-viavel-dizem-chineses-em-audiencia-publica>. Acesso em: 2 nov. 2017.

FREIRE, Maria. Confluência na Ásia? As relações Rússia-China. Relações Internacionais, Lisboa, n.38, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-91992013000200008>. Acesso em: 29 de junho de 2017.

FOXMAN, Simone. Trade ties between China and Africa could surge 25% this year: and that’s just the beginning. Quartz, Washington, Apr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2017.

GABUEV, Alexander. Eurasian Silk Road Union: Towards a Russia-China Consensus?
Tóquio: The Diplomat, 2015. Disponível em: < http://thediplomat.com/2015/06/eurasian-silk-road-union-towards-a-russia-china-consensus/>. Acesso em: 28 de junho de 2017.

JAFFRELOT, Christophe. Índia e China, conflitos e convergências. São Paulo: Le Monde Diplomatique Brasil, 2011. Disponível em: < http://diplomatique.org.br/india-e-china-conflitos-e-convergencias/>. Acesso em: 11 de setembro de 2017.

JOHN, Emanuel. Racing to a new prosperity. Pequim: China Daily USA, 2014. Disponível em: . Acesso em: 11 de setembro de 2017.

KOWARSKI, Arthur. Fortalecendo laços: o conceito chinês de parceria estratégica aplicado às relações bilaterais sino-russa e sino-brasileira. Dissertação de mestrado em Relações Internacionais. Centro de Ciências Sociais, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2013.

MEYER, Eric. Who Sabotaged Chinese President Xi Jinping’s India Visit? Forbes, 2014.

MIKHAILOVA, Irina. Rússia e China: transformações econômicas à luz da história das relações bilaterais. Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD, Dourados, v.2, n.3, 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 de junho de 2017.

One Belt One Road: new opportunities in China and beyond. Londres: China-Britain Business Council, 2015.

RIBEIRO, Erik Herejk. A rivalidade e a cooperação nas relações China-Índia: o contexto asiático e o caso de Mianmar. Dissertação de mestrado em Estudos Estratégicos Internacionais. Faculdade de Ciências Econômicas, Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos Internacionais. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2015.

SPOTLIGHT: political change in Brazil tests capability of BRICS. [S.l.]: Xinhuanet, 2016. Disponível em: . Acesso em: 1 nov. 2017.

SUN, Y.; RETTIG, M. American and Chinese trade with Africa: rhetoric vs. reality. The Hill, Washington, May 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2017.

Towards a long-term strategy for BRICS: recommendations by the BRICS Think Tanks Council. Rio de Janeiro: BRICS Think Tanks Council, 2014.
Publicado
2019-05-02
Seção
Artigos