[1]
H. Santiago, “O filósofo espinosista precisa criar valores?”, Trans/Form/Ação, vol. 30, nº 1, p. 127–149, jan. 2007.