[1]
A. A. da Silva, “O símbolo esvaziado: a teoria do romance do jovem György Lukács”, Trans/Form/Ação, vol. 29, nº 1, p. 79–94, jan. 2006.