[1]
L. F. Silveira, “Descartes: um naturalista?”, Trans/Form/Ação, vol. 12, p. 57–70, jan. 1989.