Comentário a “Nietzsche e Brandes: a memória de um radicalismo aristocrático”. (2022). Trans/Form/Ação, 45(2), 39-42. https://doi.org/10.1590/0101-3173.2022.v45n2.p39