https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/sobama/issue/feed REVISTA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA 2021-06-04T00:27:34-03:00 Eduardo José Manzini eduardo.manzini@unesp.br Open Journal Systems <p>É um periódico científico de publicação contínua de volumes anuais, da Associação Brasileira de Atividade Motora Adaptada, cuja missão é divulgar a produção científica em Ciências da Saúde e áreas correlatas, objetivando contribuir com a discussão e o desenvolvimento do conhecimento na área.<br /><strong>SOBAMA</strong><br /><em><strong>Continuação da Revista Sociedade Brasileira de Atividade Motora Adaptada</strong></em><br /><strong>e-ISSN:</strong> 2674-8681 / Antigo: 2359-2974<br /><strong>ISSN (impresso):</strong> Revista Sociedade Brasileira de Atividade Motora Adaptada: 1413-9006<br /><strong>Ano de fundação:</strong> 2012<br /><strong>Periodicidade:</strong> Semestral<br /><strong>Editor responsável</strong>: Eduardo Manzini / Maria Luiza Salzani Fiorini<br /><strong>E-mail institucional:</strong> sobama.marilia@unesp.br<br /><strong>Indexadores:</strong> Google Acadêmico, Sumários.org, LatinRev, REDIB e CAPES periódicos.<br /><strong>Licença:</strong> <img src="https://revistas.marilia.unesp.br/public/site/images/labeditorial/logo----creative-commons-attribution-license-2.jpg" alt="" width="90" height="32" /></p> https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/sobama/article/view/10977 FORMAÇÃO DOS ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA ATUAÇÃO COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM ESTUDO FOCADO EM UNIVERSIDADES FEDERAIS 2021-01-20T17:29:14-03:00 Francisco Tiago Alves Agapito tiagoagapito.edfisica@alu.ufc.br Maria Eleni Henrique da Silva melenih@hotmail.com Raissa Fortes Pires Cunha raissa.cunha@professor.unifametro.edu.br Mário Antônio de Moura Simim mario.simim@ufc.br <p>Investigamos a formação dos acadêmicos de Educação Física na área de Educação Física Adaptada (EFA), através de busca e análise de propostas curriculares, ementários e projetos pedagógicos dos cursos de Educação Física presenciais das universidades federais autorizadas pelo Ministério da Educação (MEC). Os dados foram organizados em planilha específica, sendo a análise desses dados realizada por meio de estatística descritiva (distribuição de frequência, média±desvio padrão, mediana, mínimo e máximo). No estudo foram encontrados 72 cursos de Educação Física com habilitação em licenciatura (n = 38; 53%) e bacharelado (n = 34; 47%). A terminologia mais comumente utilizada é “Educação Física Adaptada” (n = 29; 40%). A oferta das disciplinas ocorre com maior incidência no 5º (n = 21; 29%) e no 6º (n = 15; 21%) período/semestre. A carga horária média das disciplinas foi 60±14 hs (mínimo = 30 hs; máximo = 96 hs) e a mediana do número de créditos foi 4 (mínimo = 2; máximo = 6). Concluímos que ofertar uma disciplina obrigatória com carga horária reduzida e nos períodos finais do curso não proporciona aprofundamento necessário para formação ideal nessa área de atuação.</p> <p>Recebido em: 17/09/2020<br />Reformulado em: 01/01/2021<br />Aceito em: 02/02/2021</p> 2021-05-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/sobama/article/view/11576 QUALIDADE DE VIDA DE ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA VISUAL PRATICANTES DE GOALBALL 2021-02-24T08:04:48-03:00 Renato Vitor da Silva Tavares renato_thavares@hotmail.com Neiza de Lourdes Frederico Fumes neizaf@yahoo.com <p>O objetivo do estudo foi analisar a qualidade de vida de estudantes com deficiência visual praticantes de goalball em função do nível de escolaridade. A amostra foi composta por doze estudantes com deficiência visual com média de idade de 32,7±15,8 anos, divididos em dois grupos (1 - Ensino Fundamental e 2 - Ensino Médio/Educação Superior). Inicialmente, utilizou-se uma anamnese para caracterizar os participantes e em seguida foi aplicado o Questionário de Qualidade de Vida <em>Medical Outcomes Study 36-Item Short-Form Health Survey</em> (SF-36). Para testar as diferenças na qualidade de vida em relação ao nível de escolaridade foi empregado o Teste <em>t</em> de <em>Student </em>para amostras independentes. Além disso, o tamanho do efeito foi avaliado pelo Teste <em>d</em> de <em>Cohen</em>. Enquanto resultados, o grupo referente ao Ensino Fundamental apresentou melhores escores do que o grupo do Ensino Médio/Educação Superior em seis domínios (capacidade funcional, limitação por aspectos físicos, dor, estado geral de saúde, vitalidade e aspectos sociais) dos oito totais da qualidade de vida. No entanto, os valores foram estatisticamente significativos (p≤0,05) apenas nos domínios de estado geral de saúde, vitalidade e aspectos sociais. Portanto, os indivíduos com menor nível de escolaridade apresentaram melhor autopercepção de qualidade de vida na maioria dos domínios, de modo que se pode concluir que a escolaridade parece ter papel fundamental na qualidade de vida das pessoas com deficiência visual deste estudo, influenciando suas percepções acerca das variáveis estudadas.</p> <p>Recebido em: 20/01/2021<br />Reformulado em: 29/03/2021<br />Aceito em: 14/04/2021</p> 2021-05-03T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/sobama/article/view/11681 CONTRIBUIÇÕES DA BOCHA PARALÍMPICA ADAPTADA À ESCOLA 2021-03-29T17:29:50-03:00 Márcio de Souza Santos cm_efa@hotmail.com Carolina Gonçalves da Silva Fouraux mcefad@gmail.com <p>A bocha paralímpica é um esporte para pessoas com comprometimento motor nos quatro membros que pode ser adaptada para o ambiente escolar, permitindo que as crianças com deficiência física severa interajam com os demais alunos, como ponte de socialização. Assim, o objetivo deste estudo foi analisar as pesquisas desenvolvidas nos últimos anos sobre bocha paralímpica na escola e elencar os benefícios encontrados. Para o desenvolvimento do estudo foram utilizados os procedimentos de uma Pesquisa Bibliográfica, empregando como critério de busca a frase “bocha paralímpica na escola”. Dez trabalhos que abordam o tema foram encontrados. Além da inclusão, os aspectos positivos descobertos foram aprimoramento motor; desenvolvimento do raciocínio lógico; e uso lúdico do esporte para o divertimento. Apesar do número pequeno de trabalhos, a abrangência geográfica deles mostra que esse esporte está bem difundido pelo Brasil e os benefícios observados demostram que o movimento paralímpico deve continuar como um dos pilares na construção de uma sociedade para todos.</p> <p>Recebido em: 25/03/2021</p> <p>Reformulado em: 09/04/2021</p> <p>Aceito em: 14/04/2021</p> <p> </p> 2021-05-04T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/sobama/article/view/11665 CAMINHANDO PARA A INCLUSÃO: NARRATIVA DE VIDA DE UMA PROFESSORA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E A PESSOA COM DEFICIÊNCIA 2021-03-29T17:27:55-03:00 Jorge Marcos Ramos educacao.ramos@gmail.com Adriana Barroso de Azevedo adriana.azevedo@metodista.br <p>O percurso histórico da educação física carrega consigo marcas de uma história excludente, sendo utilizada inicialmente para preparar a juventude para a defesa da nação, em outro momento para fortalecer o trabalhador para a indústria e, posteriormente, para formar talentos esportivos para representarem a Pátria nos Eventos Internacionais. O presente trabalho teve como objetivo compreender a trajetória de vida de uma professora de educação física e a chegada de pessoas com deficiências nas suas aulas regulares. Utilizamos para a interpretação dos fenômenos a pesquisa narrativa e as aproximações desse relato com as pesquisas (auto) biográficas. Buscamos suas experiências vividas por meio de provocações problematizadoras. Foram realizados três encontros para a escrita dos relatos. Foi possível observar certa dificuldade por parte da professora participante em falar do vivido. No seu desenvolvimento, a mãe teve papel fundamental, pois sempre falava que ela deveria ser forte e que existiam pessoas em situações piores que a dela. O tratamento dispensado aos seus alunos com deficiência está ancorado na maneira como foi tratada por sua mãe procurando passar para seus alunos as suas reais possibilidades.</p> <p>Recebido em: 23/03/2021</p> <p>Reformulado em: 11/05/2021</p> <p>Aceito em: 17/05/2021</p> 2021-06-01T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/sobama/article/view/11631 O SURF COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE INCLUSÃO SOCIAL: SURF PARA TODOS 2021-03-29T17:22:32-03:00 Fabio José Cunha Ramalho fabio.ramalho.peruibe@gmail.com Isaias dos Santos isaiassantosmonstro22@gmail.com Magno Inácio da Silva magnoinacio2021@bol.com.br Milena Pedro de Morais milena.educacaofisica@gmail.com <p>O objetivo geral deste estudo foi analisar de que forma o Surf contribui para o processo inclusivo e como objetivos específicos, buscamos analisar quais benefícios o Surf apresenta para pessoas com deficiência em seus aspectos motor, cognitivo, social e afetivo. Esta é uma pesquisa de natureza qualitativa, onde foram participantes 29 alunos do Projeto Escola Municipal de Surf do município de Peruíbe. A coleta de informações ocorreu através da aplicação de um questionário online constituído por informações pessoais dos participantes e por questionamentos que buscaram atender aos objetivos do estudo. A análise das informações coletadas foi realizada por intermédio da análise de conteúdo. Concluímos que o projeto da Escola Municipal de Surf vem mudando de forma positiva a vida das pessoas e com isso está contribuindo de forma direta para o desenvolvimento do município através das pessoas que participam das atividades propostas no sentido de proporcionar um estilo de vida saudável e ativo.</p> <p>Recebido em: 09/03/2021</p> <p>Reformulado em: 26/05/2021</p> <p>Aceito em: 31/05/2021</p> 2021-06-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/sobama/article/view/11938 DO BRASIL: UMA HOMENAGEM À CLAUDINE SHERRILL 2021-06-04T00:27:34-03:00 Eliane Mauerberg-deCastro mauerber@rc.unesp.br <p>Soubemos apenas na semana passada no Brasil que a "Mãe de Atividade Física Adaptada (APA)", Claudine Sherrill, morreu em 8 de maio de 2020. Como colega e amiga, escrevi uma homenagem à Claudine. Meu objetivo é familiarizar meus jovens colegas brasileiros sobre suas contribuições para o campo da APA no Brasil. Eu também foco na personalidade dela que deixou boas lembranças na mente de muitos colegas brasileiros. Por fim, minha intenção foi lembrar a todos nós -- que a conhecemos pessoalmente -- sobre a mulher que ela foi: gentil, generosa, criativa, apaixonada, destemida e divertida. </p> <p>Recebido em: 04/06/2021</p> <p>Aceito em: 07/06/2021</p> 2021-06-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021