INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA COM JOGOS E DESAFIOS PARA COMPREENSÃO DE MULTIPLICAÇÃO

Autores

Palavras-chave:

Aprendizagem, Aritmética, Multiplicação

Resumo

Este artigo tem como objetivo averiguar os níveis de compreensão da multiplicação e apresentar um processo de intervenção pedagógica priorizando o ensino-aprendizagem dessa operação aritmética. Trata-se de estudo de natureza empírica com testes pré e pós-intervenção. Participaram oito estudantes do terceiro ano do ensino fundamental de uma escola pública. A intervenção priorizou jogos, desafios e situações-problema com conteúdo aritmético, praticados em 14 encontros de duas horas de duração. Os resultados demonstraram que houve uma significativa evolução nas condutas de multiplicação de todos os estudantes: cinco deles descobriram a relação quantitativa “n vezes x”, sem necessidade de recorrer à comprovação empírica, antecipando todas as composições possíveis e operando mentalmente por procedimentos aditivos e multiplicativos. Isso não havia sido observado nos participantes no pré-teste.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BESSA, S.; COSTA, V. Apropriação do conceito de divisão por meio de intervenção pedagógica com metodologias ativas. Bolema, Rio Claro (SP), v. 33, n. 63, p. 155-176, abr. 2019.

BESSA, S.; COSTA, V. Jogo Sempre 12: opção à compreensão das operações aritméticas. Schème, Marília-SP, v. 8, n. 1, jan.-jul. 2016.

BESSA, S.; COSTA, V. Operação de multiplicação: possibilidades de intervenção com jogos. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 98, n. 248, p. 130-147, jan./abr. 2017.

CAMPELL, D.; STANLEY, J. Delineamentos experimentais e quaseexperimentais de pesquisa. São Paulo: Edusp, 1979.

KAMII, C.; Divisão de números com mais de um algarismo: 3º ao 5º ano do ensino fundamental. Tradução: Marta Rabióglio. In MOLINARI, A. C. et al. (org.). Aprender matemática e conquistar autonomia. São Paulo: Book, 2014. p.102-124.

KAMII, C. Frações: incentivando estudantes de quinto e sexto anos a inventar multiplicações. Tradução: Marta Rabióglio. In: MOLINARI, A. C. et al. (org.). Novos caminhos para ensinar e aprender matemática. São Paulo: Book, 2015. p. 81-92.

KAMII, C.; DECLARK, G. Reinventando a aritmética. São Paulo: Papirus, 1992.

KAMII, C.; HOUSMAN, L. B. Crianças pequenas reinventam a aritmética. Tradução: Cristina Monteiro. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

KAMII, C.; JOSEPH, L. L. Crianças pequenas continuam reinventando a aritmética. 2. ed. Tradução: Vinicius Figueira. Porto Alegre: Artmed, 2008.

MACEDO, L. Jogos, psicologia e educação. Sao Paulo: Casa do Psicólogo, 2009.

MACEDO, L.; PETTY, A. L.; PASSOS, N. C. Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2005.

MANTOVANI DE ASSIS, O. Z. Conhecimento fisico, conhecimento l ógico-matemático e conhecimento social. In: ______ (org.). Proepre: fundamentos teóricos da educação infantil. São Paulo: Book, 2013. p. 78-104. MIZUKAMI, M. N. Ensino: abordagens do processo. São Paulo: Universitária, 1986.

MORO, M. L. F. Notações da matemática infantil: igualar e repartir grandezas na origem das estruturas multiplicativas. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 17, n. 2, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v17n2/22477.pdf. Acesso em: 27 jan. 2020.

NOGUEIRA. C. M. I. Classificação, seriação e contagem no ensino do número: um estudo de epistemologia genética. Marília (SP): Oficina Universitária Unesp, 2007.

NUNES, T.; CAMPOS, T. M. M.; MAGINA S.; BRYANT, P. Educação matemática: os números e as operações numéricas. São Paulo: Cortez, 2005.

PARRA, C.; SAIZ, I. Didática da matemática: reflexões psicopedagógicas. Porto Alegre: ArtMed, 1996.

PIAGET, J. Biologia e conhecimento. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

PIAGET, J.; SZEMINSKA, A. A gênese do número na criança. Tradução: Christiano Monteiro Oiticica. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

SANTOS, J. C. F. Aprendizagem significativa: modalidades de aprendizagem e o papel do professor. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2009.

VERGNAUD, G. Psicologia do desenvolvimento cognitivo e didáctica das matemáticas. Um exemplo: as estruturas aditivas. Análise Psicológica, v. 1, n. 5, p. 76-90, 1986.

VERGNAUD,G. La théorie des champs conceptuels. Recherches en Didactique des Mathématiques, v. 10, n. 23, p. 133-170, 1990.

VERGNAUD, G. El niño, las matemáticas y la realidad: problemas de la enseñanza de las matemáticas en la escuela primaria. México: Trillas, 1991.

ZAIA, L. L. A solicitação do meio e a construção das estruturas operatórias em crianças com dificuldades de aprendizagem. 1996. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

ZUNINO, D. L. A matemática na escola: aqui e agora. Porto Alegre: Artmed, 1996.

Downloads

Publicado

2021-07-08

Edição

Seção

Artigos