EM DEFESA DO ENSINO DA FILOSOFIA: REFLEXÕES A PARTIR DE HANNAH ARENDT E THEODOR ADORNO

Autores

  • Wanderley José Deina Professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná e do Mestrado Profissional em Filosofia (PROF-FILO), Núcleo UFPR

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-8900.2018.v10n24.13.p196

Palavras-chave:

Filosofia, Ensino, Educação, Adorno, Arendt

Resumo

O artigo procura articular algumas ideias dos ensaios “Pensamento e considerações morais”, de Hannah Arendt, e de “Anotações sobre o pensar filosófico”, de Theodor Adorno, para sustentar a necessidade da permanência da filosofia no Ensino Médio como disciplina obrigatória. Respeitando as insuperáveis distinções entre os dois pensadores, procura explorar, além daquilo que é explicitado objetivamente em suas reflexões, um sentido comum de preocupação com o mundo, de respeito à democracia, de interesse pela educação e de dedicação à filosofia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-12-11