O Mediador Escolar no Segundo Segmento do Ensino Fundamental: Interlocuções entre Espaços, Desafios e Possibilidades da Inclusão Escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/2236-5192.2018.v19n1.09.p137

Palavras-chave:

Mediação escolar, Inclusão, Adequação curricular

Resumo

O presente artigo trata de um relato de experiência realizada em um Colégio de Aplicação Universitário, localizado na zona norte do Rio de Janeiro. O trabalho em questão direciona seus holofotes às questões de educação inclusiva, dinamizando e interseccionando discussões a respeito de currículo(s), mediação escolar e mediador no cotidiano da educação inclusiva. Busca-se aqui descrever estratégias e recursos utilizados com vistas a adequações curriculares, bem como ampliar a reflexão em torno de possíveis caminhos a serem trilhados para efetivação do saber por parte de um estudante com diferenças acentuadas em seus processos de aprendizagem e de todos os discentes presentes em turma, garantindo assim o viés democrático da Educação. Este relato de experiência teve origem em um projeto de pesquisa denominado “Alunos com necessidades educacionais especiais no 2º segmento do ensino fundamental: Estratégias para os processos de ensino e aprendizagem”, que teve como protagonista um aluno de 14 anos, com deficiência intelectual, matriculado no sexto ano do ensino fundamental. Com durabilidade de um ano, o projeto de pesquisa, qualitativa, aponta resultados positivos frente às demandas educacionais contemporâneas de nosso sistema de ensino, em educação inclusiva.

Recebido em: 11/03/2017.
Aprovado em: 27/03/2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

William Scheidegger MOREIRA, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Pedagogo formado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Estudante de Psicopedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professor da rede municipal do Rio de Janeiro. Endereço eletrônico: william-scheidegger@hotmail.com

Mara Monteiro da CRUZ

Professora Adjunta da UERJ, do Programa de Pós-Graduação de Ensino em Educação Básica (PPGEB) e pesquisadora do Grupo de Pesquisa Formação em Diálogo: narrativas de professoras, currículos e culturas (GPFORMADI). Fonoaudióloga, Mestre e doutora em Educação Especial. Endereço eletrônico: mara.mcz@gmail.com

Referências

BASSEDAS, E. et al. Intervenção educativa e diagnóstico psicopedagógico. 3ed. Porto Alegre: Artmed, 1996.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União, Seção I, 7 de julho de 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. MEC; SEEP, Brasília, 2008.

BRASIL. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência – CORDE. Ata da VII reunião do Comitê de Ajudas Técnicas – CAT. 2007. Disponível em: <http://www.infoesp.net/CAT_Reuniao_VII.pdf> Acesso em: 12 nov 2017.

BRAUN, P.; VIANNA, M. M.. O desafio da diversidade na sala de aula: práticas de acomodação/adaptação, uso de baixa tecnologia. In: NUNES, L. et al. (org.). Comunicar é preciso: em busca das melhores práticas na educação do aluno com deficiência. São Paulo: ABPEE, 2011. p. 1-14.

CARRAHER, D. W. Educação tradicional e educação moderna. In: CARRAHER, T. N. (org.). Aprender pensando: contribuições da psicologia cognitiva para a educação. Rio de Janeiro: Vozes, 1989. p. 10-30.

CRUZ, M. M. da.; MACHADO, A. C. de A. M.; BAIÃO, J. C. Laços de amizade: uma perspectiva do ensino colaborativo. In: I CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA E 13ª JORNADA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 1., 2016, São Paulo. Anais... São Paulo: UNESP, 2016. p. 1-6.

KAUFMAN, N.; TABAK, S. Inclusão e mediação escolar: norteadores para uma prática ética. Educação Online, Rio de Janeiro, n. 22, p. 27-42, maio/ago. 2016.

LOPES, A.C.; MACEDO, E. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 2005

MOREIRA, W. S. TEA, didática e inclusão: a construção de um currículo democrático na educação infantil. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL: REDES EDUCATIVAS E TECNOLOGIAS, 9, 2017, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UERJ, 2017. p. 1-12.

MOUSINHO, R. Lidando com os problemas na aprendizagem e no comportamento. SINPRO-RIO: Desafio de Educar, Rio de Janeiro, v. 4, n. 5, p. 9-17, maio. 2010.

MOUSINHO, R. et al. Mediação escolar e inclusão: revisão, dicas e reflexões. Revista Psicopedagogia, São Paulo, v. 27, n. 82, p. 92-108, 2010.

OLIVEIRA, E. de; MACHADO, K. da S. Adaptações curriculares: caminhos para uma educação inclusiva. In: GLAT, R. (org.). Educação Inclusiva: Cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7 letras, 2009. p. 36-52.

VYGOTSKI, L. S. Obras escogidas V. Fundamentos de defectologia. Madri: Machado, 2012.

WEISS, A. M. L.; CRUZ, M. M. da. Compreendendo os alunos com dificuldades e distúrbios de aprendizagem. In: GLAT, R. (org.). Educação Inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7 letras, 2009. p. 65-78.

Downloads

Publicado

2018-05-25

Edição

Seção

Artigos