A PINTURA DA VIDA PROSAICA: POBREZA E ESCRAVIDÃO NAS AQUARELAS DE DEBRET

Autores

  • Anderson Ricardo TREVISAN

DOI:

https://doi.org/10.36311/1808-8473.2006.v1n3.1381

Resumo

O presente artigo analisa duas aquarelas do artista Jean Baptiste Debret (1768-1848) realizadas no Brasil entre os anos de 1816 e 1831, chamadas Família pobre em sua casa e Negra com tatuagens vendendo cajus. A primeira delas figura um dia comum na vida de uma família pobre que sobrevive graças ao trabalho de uma escrava, e a segunda tem uma mulher negra como protagonista, uma vendedora de cajus. Ambos os trabalhos denunciam o peso do trabalho escravo na base da economia e da vida cotidiana do Brasil do século XIX, através de imagens que contrariam as noções de progresso e regeneração que permeiam os textos do próprio artista no livro Viagem pitoresca e histórica ao Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

TREVISAN, A. R. (2011). A PINTURA DA VIDA PROSAICA: POBREZA E ESCRAVIDÃO NAS AQUARELAS DE DEBRET. BALEIA NA REDE, 1(3). https://doi.org/10.36311/1808-8473.2006.v1n3.1381