Revista do Instituto de Políticas Públicas de Marília https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/RIPPMAR <p>É um periódico científico de publicação contínua de volumes anuais, do Instituto de Políticas Públicas de Marília, cuja missão é divulgar a produção científica em Educação e áreas correlatas, objetivando contribuir com a discussão e o desenvolvimento do conhecimento na área.<br /><strong>IPPMAR</strong><br /><strong>e-ISSN:</strong> 2447-780X<br /><strong>Ano de fundação:</strong> 2015<br /><strong>Periodicidade:</strong> Semestral<br /><strong>Editor responsável:</strong> Rosane Michelli de Castro<br /><strong>E-mail institucional:</strong> rippmar.marilia@unesp.br</p> UNESP, Campus de Marília pt-BR Revista do Instituto de Políticas Públicas de Marília 2447-780X Violência simbólica contra a mulher https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/RIPPMAR/article/view/9178 <p>Nesse texto o objetivo é analisar como a violência simbólica exercida contra as mulheres no espaço familiar se estende ao espaço acadêmico universitário brasileiro. A hipótese é que neste processo são reproduzidas as estruturas de dominação simbólica masculina desenhadas pela família patriarcal brasileira durante gerações, o que torna este tipo de violência mais sutil se comparada à violência física, mas não menos devastadora. Estudantes universitárias brasileiras são constantemente alvo de agressões verbais, humilhações, abusos morais e psicológicos por parte de professores, colegas e funcionários que compartilham com elas o espaço acadêmico, mais tais atos são recorrentemente naturalizados pelos agressores, e, muitas vezes, também pelas próprias vítimas por estarem impregnados na sociedade brasileira. A análise se apoia principalmente nos estudos de Bourdieu sobre a dominação masculina e o poder e a violência simbólicos. </p> <p>Recebido: 19/08/2019<br />Aceito: 05/01/2020</p> <p> </p> Maria Inês Almeida Godinho Copyright (c) 2020 Revista do Instituto de Políticas Públicas de Marília http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-03 2020-12-03 6 1 9 20 10.36311/2447-780X.2020.v6.n1.02.p9 Plano diretor participativo https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/RIPPMAR/article/view/10333 <p>Esse artigo discute a elaboração, revisão e implementação do Plano Diretor Participativo de Beberibe em 2006 por vários segmentos sociais que expuseram as necessidades de uma política urbana capaz de promover uma cidade desenvolvida e justa para se morar. Nosso estudo se baseou numa pesquisa bibliográfica e nos documentos produzidos pela equipe multidisciplinar durante as fases de revisão do PDP. A pesquisa possui uma abordagem qualitativo-descritiva por trazer dados extraídos e confrontados com a teoria citada. A metodologia seguida foi desenvolvida pelo Ministério das Cidades por meio do Estatuto da Cidade que foi aplicado e orientado pelo Cearah Periferia à equipe multidisciplinar da Prefeitura Municipal de Beberibe. De início foi realizado um diagnóstico dos três climas: litoral, serra e sertão. Para daí traçar a sistemática de estudo e análises das vulnerabilidades e impactos socioambientais do município. Foram identificadas áreas que precisavam receber mais investimentos e cuidados prioritários em razão da falta de equipamentos e infraestrutura urbana. Por fim, enquanto tivermos grupos opositores à cidade igual para todos, jamais cumprirá a sua função social de destinar o acesso a terra e aos bens sociais coletivamente construídos aos que realmente precisam e fazem por merecer justamente.</p> <p>Recebido: 11/06/2020<br />Aceito: 06/07/2020</p> Alexandre dos Santos Rocha Copyright (c) 2020 Revista do Instituto de Políticas Públicas de Marília http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-03 2020-12-03 6 1 21 36 10.36311/2447-780X.2020.v6.n1.03.p21 A educação como fator de equidade em questões étnico-raciais e de gênero no Brasil https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/RIPPMAR/article/view/10568 <p>Este artigo tem como objetivo apresentar algumas questões sobre a relação entre políticas públicas e a educação no enfrentamento de múltiplas formas de discriminação e preconceito, particularmente, nas temáticas de gênero e raça na sociedade brasileira. Respirando ares de relativa democracia no decênio 1980-1990 o Brasil e o mundo se permitiram processos de aberturas culminando na derrubada de alguns muros, contestação de injustiças, até mesmo correção de certas desigualdades. Para tanto, partindo de questões de natureza legal estabelecemos um diálogo com importantes referências teóricas sobre temáticas de gênero e raça, como: Francisco Bethencourt (2018); Nilma Gomes (2008); Fúlvia Rosemberg (2018); Nancy Fraser (2009), refletindo sobre ações afirmativas, políticas de combate à desigualdade e a opressão das minorias destacando lutas e mudanças ocorridas em longo prazo. Avalia-se que a reflexão aqui proposta tenha o poder de fazer com que possamos nos repensar diante nossa formação colonial eurocêntrica, e possamos cada vez mais assumirmos nossas características multiculturais. Distintamente da proposta de harmonia social, mestiçagem ou democracia racial, a perspectiva multicultural assumiria os conflitos e assimetrias de poder presentes no momento da formação cultural nacional.</p> <p>Recebido: 15/07/2020<br />Aceito: 14/09/2020</p> Jémerson Quirino de Almeida Silvio Luiz Lofego Alexandre de Castro Copyright (c) 2020 Revista do Instituto de Políticas Públicas de Marília http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-03 2020-12-03 6 1 37 50 10.36311/2447-780X.2020.v6.n1.04.p37 Ensino de história e cultura afro-brasileira e a desconstrução do racismo na educação https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/RIPPMAR/article/view/10963 <p>A lei 10.639/03 foi implantada a partir de intensa mobilização dos movimentos negros no decorrer de muitos anos de luta, colocou como obrigatório o ensino de história e cultura afro-brasileira em escolas públicas e particulares do Ensino Fundamental ao Médio. Sendo a educação um suporte social e político para a sociedade. Cabe indagar: de que modo a educação se faz contribuinte para a desconstrução do racismo na sociedade? Para o desenvolvimento da proposta foi realizada uma pesquisa qualitativa bibliográfica, com abordagens relacionadas a instituição da lei 10.639/03 com base nas responsabilidades da educação e dos professores. Foi realizado um estudo de campo com uma turma de quinto ano, de uma escola de Ensino Fundamental I, para que possa ser verificado em aulas de história, o desenvolvimento da temática. Para obtenção dos resultados do trabalho, foram realizadas análises de desenhos dos alunos, questionários com professores e alunos e observações das práticas.</p> <p>Recebido: 14/09/2020<br />Aceito: 15/09/2020</p> Laleska Vitória Cabral Maria Valéria Barbosa Copyright (c) 2020 Revista do Instituto de Políticas Públicas de Marília http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-03 2020-12-03 6 1 51 68 10.36311/2447-780X.2020.v6.n1.05.p51 Competências gerenciais na percepção dos gestores no contexto do Programa Estadual DST/AIDS SÃO PAULO https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/RIPPMAR/article/view/9434 <p>Este estudo buscou compreender as competências gerenciais do corpo diretivo de uma instituição pública de saúde reconhecida como referência para o estado de São Paulo e modelo único na América Latina. Buscou também, responder as questões: quais competências gerenciais fazem parte das atividades gerenciais da instituição estudada, na ótica de seus diretores? Quais iniciativas de desenvolvimento de competências gerenciais têm sido adotadas pela instituição? Para tanto, foi realizado um estudo de caso do Programa Estadual Dst/Aids São Paulo, que investigou seu corpo diretivo por meio de dois instrumentos, um questionário e um roteiro de entrevistas aplicadas em seu ambiente de trabalho. As competências foram classificadas conforme modelo teórico preconizado por Quinn (2003). Como contribuição científica o estudo detectou a necessidade de inclusão da competência humanização no modelo teórico, para análise de instituições públicas de saúde. Evidenciou-se a presença de todas as competências previstas no modelo teórico em diferentes níveis. O programa está inserido no modelo relações humanas. Foram identificadas as competências gerenciais dos gestores do programa e as lacunas de desenvolvimento de competências gerenciais que se recomendam que sejam supridas.</p> <p>Recebido: 05/11/2019<br />Aceito: 25/09/2020</p> Djair Picchiai Maria Aparecida de Brito Copyright (c) 2020 Revista do Instituto de Políticas Públicas de Marília http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-03 2020-12-03 6 1 69 86 10.36311/2447-780X.2020.v6.n1.06.p69 Discussões sobre avaliação de políticas e programas como intrumento de maximização da eficiência no setor público https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/RIPPMAR/article/view/9401 <p>O escopo do presente trabalho consiste em discutir sobre a relação existente entre a prática da avaliação de políticas e programas públicos e a observação do princípio da eficiência na Administração Pública, uma vez que tal princípio figura como um dos norteadores a toda ação de incumbência governamental. Neste artigo, investiga-se os principais tipos de avaliação de políticas e programas apontados pela literatura do campo, desvendando-se de que forma essas avaliações podem ser visualizadas como instrumentos capazes de maximizar a eficiência no Setor Público. Para tanto, procedeu-se à realização de uma pesquisa bibliográfica baseando-se em estudos desenvolvidos por pesquisadores como Weiss (1998), Di Pietro (2002), Rossi, Lipsey e Freeman (2004) e Saravia (2006), dentre outros, discorrendo-se sobre o conceito de política pública, de avaliação e do próprio princípio da eficiência. Concluiu-se que embora haja fortes razões para que as avaliações de políticas e programas públicos sejam realizadas continuamente, percebe-se que predomina a negligência, por parte dos gestores, quanto a esse instrumento que é capaz de orientar sobre as ações ineficazes e fomentar a eficiência no Setor Público.</p> <p>Recebido: 29/10/2019<br />Aceito: 02/12/2020</p> Williams Martinho Soares de Sousa Michael Steffones da Silva Ribeiro Allan Gustavo Freira da Silva Copyright (c) 2020 Revista do Instituto de Políticas Públicas de Marília http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-03 2020-12-03 6 1 87 96 10.36311/2447-780X.2020.v6.n1.07.p87 O papel do psicopedagogo frente às crianças com dislexia https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/RIPPMAR/article/view/10347 <p>O presente trabalho teve como objetivo evidenciar, através de uma Revisão de Literatura, o papel do psicopedagogo frente a crianças portadoras de dislexia e as diferentes estratégias para que seja possível alcançar condições de aprendizagem adequada. Foi realizado um levantamento bibiográfico do período de 2003 a 2019, realizada nas bases de dados Scielo, Medline e Educational Resources Information Center (ERIC). Foram utilizadas as palavras-chave “Dislexia” e “Abordagens”, e suas correspondentes em inglês: “Dyslexia” e “Approach”. Foram encontrados 778 artigos. Após a leitura dos títulos e resumos, foram selecionados 20 artigos que abordavam assuntos relacionados ao objetivo do presente estudo. Os resultados apontam para diversas estratégias de intervenção competentes ao psicopedagogo, como o psicodrama, a caixa de areia, a técnica de Cloze, atrelado ao uso de ferramentas de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), a saber, o aparelho de Vectoeletronistagmografia, o uso do gravador, e do aplicativo para android <em>desembaralhando</em> figura. Conclui-se que o psicopedagogo possui papel relevante no aprendizado da criança com dislexia. Para tanto, é importante o conhecimento das técnicas de abordagens às crianças, e a constante capacitação e atualização, haja vista que novas ferramentas tecnológicas vêm sendo desenvolvidas com o intuito de auxiliar a assistência psicopedagógica.</p> <p>Recebido: 16/06/2020<br />Aceito: 22/07/2020</p> Rodolfo Oliveira Medeiros Amanda Araújo Passamai Medeiros Alessandra Campos Novaes Matias Júlia Caroline Romão Copyright (c) 2020 Revista do Instituto de Políticas Públicas de Marília http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-03 2020-12-03 6 1 97 108 10.36311/2447-780X.2020.v6.n1.08.p97 A judicialização da política de assistência farmacêutica e seu impacto no município de Natal/RN https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/RIPPMAR/article/view/9956 <p>A presente investigação objetiva analisar o impacto da judicialização da política de assistência farmacêutica no município de Natal/RN. De natureza descritiva, essa pesquisa coletou dados por meio de entrevistas semi-estruturadas junto a três servidores do Núcleo de Demandas Judiciais (NDJ) da Secretaria Municipal de Saúde. Os dados foram analisados por meio da análise de conteúdo, conforme proposta de Bardin (2011). Verificou-se que houve impacto da judicialização no orçamento público municipal representado pela necessidade de realizar licitações específicas para cumprimento de demanda, o que foge ao fazer administrativo natural, pois esse recurso será custeado por alguma fonte não prevista inicialmente. Todavia, em termos gerais, a maior demanda de judicialização não se refere à aquisição de medicamentos.</p> <p>Recebido: 25/03/2020<br />Aceito: 25/09/2020</p> Jássio Pereira de Medeiros Francisca Niviane da Silva Nascimento Copyright (c) 2020 Revista do Instituto de Políticas Públicas de Marília http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-03 2020-12-03 6 1 109 130 10.36311/2447-780X.2020.v6.n1.09.p109 Bancada Evangélica https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/RIPPMAR/article/view/9894 <p>O objetivo deste trabalho é investigar se os deputados ligados à Bancada Evangélica (BE) integram a elite parlamentar brasileira e ocupam espaços de poder no Congresso Nacional. A hipótese é a de que tanto pelo seu tamanho, quanto pela exposição midiática que alcançam seus membros e suas agendas, a BE consegue impor nomes nas posições estratégicas da Câmara Federal e participar das tomadas de decisão sobre os temas centrais da agenda do poder legislativo. Para dar conta desta hipótese, se identificou se os parlamentares evangélicos 1. ocuparam cargos relevantes nas Mesas Diretoras e nas Comissões Permanente e 2. foram citados na pesquisa “Os cabeças do Congresso Nacional”. Como resultado, conclui-se que, a despeito de seu tamanho e visibilidade, os deputados evangélicos, em sua grande maioria, não fazem parte da elite do Congresso Nacional.</p> <p>Recebido: 11/03/2020<br />Aceito: 09/11/2020</p> Alexandre Barbalho Giuliano Barboza Copyright (c) 2020 Revista do Instituto de Políticas Públicas de Marília http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-03 2020-12-03 6 1 131 146 10.36311/2447-780X.2020.v6.n1.10.p131 Apresentação https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/RIPPMAR/article/view/11303 <p>Temos a grata satisfação de comunicar que está disponível o novo número da Revista do Instituto de Políticas Públicas de Marília – RIPPMar. Nele há artigos importantes sobre temáticas afeitas às grandes áreas de Ensino, Educação, e Sociologia, entre outras, às quais são decorrentes de investigações desenvolvidas junto aos grupos de pesquisas de instituições e programas de pós-graduações qualificados. Nesse número constam nove colaborações. Boa leitura!</p> <p>&nbsp;</p> <p>Recebido: 02/12/2020<br>Aceito: 02/02/2020</p> Equipe Editorial Copyright (c) 2020 Revista do Instituto de Políticas Públicas de Marília http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2020-12-03 2020-12-03 6 1 7 8 10.36311/2447-780X.2020.v6.n1.01.p7