Guattari: Máquina, sujeito e história

Palavras-chave: materialismo histórico, estruturalismo, máquina, inconsciente, desejo

Resumo

A partir de uma apresentação do contexto político e social no interior do qual a obra de Guattari se insere, buscamos definir o debate político francês da década de 60, no campo do marxismo, sobretudo do materialismo histórico em torno da questão do sujeito da história. O objetivo deste artigo é explicitar as razões que levam Guattari a romper com o estruturalismo, representado na psicanálise por Lacan e no marxismo por Althusser. A relevância deste texto está na apresentação do conceito de máquina, que se define em oposição ao conceito de estrutura e que, unindo história e inconsciente, visa a traçar o espaço de emergência de um sujeito da história, de um sujeito político.

Recebido: 18/09/2017
Aceito: 30/06/2019

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Drigo Agostinho, Universidade de São Paulo

Mestre em filosofia pela Universidade de Paris I e doutora pela Universidade de Paris IV-Sorbonne, atualmente é pós-doutoranda do Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo com pesquisa sobre Deleuze e Guattari financiada pela FAPESP.

Publicado
2020-03-30
Seção
Artigos/Articles