PERFIL SOCIECONÔMICO E DE PRÁTICA ESPORTIVA DE ATLETAS DE BOCHA PARALÍMPICA DE SANTA CATARINA/BRASIL

Palavras-chave: Educação Física, Pessoas com Deficiência, Atleta Paralímpico, bocha, Atividade Motora Adaptada

Resumo

O objetivo do presente estudo foi verificar o perfil socioeconômico e de prática esportiva de atletas
que participaram do Circuito Catarinense de Bocha Paralímpica. A pesquisa possui delineamento
transversal, tendo o total de 22 atletas participantes da pesquisa. Foi realizada uma entrevista com uso de
instrumento com perguntas fechadas sobre questões socioeconômicas e de prática esportiva no âmbito
do treinamento e no ambiente escolar. Os resultados indicaram que a maioria dos atletas era do sexo
masculino (72,7%) que tiveram até oito anos de frequência escolar (68,4%) e de classe econômica baixa.
Na parte de prática esportiva, a média foi de cinco anos de prática de bocha e a maioria não participou e/
ou não participava das aulas de Educação Física na escola (55,1%). Conclui-se que a maioria dos atletas
era do sexo masculino, de baixo nível socioeconômico e que não participaram das aulas de Educação
Física em ambiente escolar.

Recebido em: 19/05/2020

Reformulado em: 02/06/2020

Aceito em: 02/06/2020

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS E PESQUISAS (ABEP). Critério de classificação econômica Brasil. Associação Nacional de Empresas de Pesquisa São Paulo, 2015.


ARROXELLAS, Raquel Daffre de et al. Bocha adaptada: análise cinemática do arremesso e sua relação com a realidade virtual. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 39, n. 2, p. 160-167, 2017.


BARÇANTE, Marcia. Educação Física Adaptada: Uma Prática Terapêutica. Journal of Research in Special Educational Needs, v. 16, p. 412-416, 2016.


CÂMARA, Faumana dos Santos et al. Perfil do cuidador de pessoas com deficiência. Revista brasileira de ciências e saúde, v. 20, n. 4, p. 269-276, 2016.


CAMPEÃO, M. DA S. Atividade física para pessoas com paralisia cerebral. In: DUARTE, E.; LIMA, S. M. T. (Eds.). Atividade física: para pessoas com necessidades especiais: experiências e intervenções pedagógicas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.


DE CASTRO, E. M. Atividade física adaptada. São Paulo: Novo Conceito, 2005.


FIORINI, Maria Luiza Salzani; MANZINI, Eduardo José. Inclusão de alunos com deficiência na aula de educação física: identificando dificuldades, ações e conteúdo para prover a formação do professor. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 20, n. 3, p. 387-404, 2014.


FLÁVIO ANDERSON PEDROSA DE MELO, N. DE L. F. F. O Esporte Adaptado no Município de Maceió/AL: Des/Caminhos Traçados Pela s Políticas Públicas. Revista da Associação Brasileira de Atividade Motora Adaptada, v. 14, n. 2, 2013.


GOELLNER, S. V. Mulher e esporte no brasil: entre incentivos e interdições elas fazem história. Pensar a Prática, v. 8, n. 1, 15 nov. 2006.


GORLA, J. I.; NOGUEIRA, C. D. Esporte adaptado e formação de recursos humanos: experiências construídas na área. Conexões, v. 14, n. 2, p. 158, 2 ago. 2016.


JORNAL DO BRASIL. Paralimpíada 2016 - Brasil supera marcos históricos nos Jogos Paralímpicos Rio 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2017.


MARQUES, Renato Francisco Rodrigues et al. A abordagem midiática sobre o esporte paralímpico: perspectivas de atletas brasileiros. Movimento (ESEFID/UFRGS), v. 20, n. 3, p. 989-1015, 2014.


MELLO, M. T. DE; WINCKLER, C. Esporte Paralímpico. São Paulo: Atheneu, 2012.


OLIVEIRA, Ane Francisca et al. Análise da acessibilidade da escola estadual Rio Branco na cidade de Patos-PB. In: Anais do VI Congresso Nacional de Ergonomia do Ambiente Construído. Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 2016.


PACHARONI, Rafael; URSO, Rodrigo Poles; MASSA, Marcelo. Condições limitantes sociais: o aporte financeiro e sua interferência no sucesso de tenistas brasileiros. Educação Física em Revista, v. 8, n. 1, 2014.


PADILHA, B. W. et al. Qualidade de vida e sobrecarga de cuidadores de deficientes físicos. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, v. 9, n. 1, 2017.


PARREIRAS, L. A. Análise dos fatores que influenciam a qualidade de vida de atletas paraolímpicos em ambientes de treino e competição. Dissertação (Mestrado)–Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Belo Horizonte, 2008. f. 96 , 2008.

RAMOS, S. Benefícios promovidos pelo atletismo para os atletas da Associação JUDECRI de Criciúma. Criciuma: [s.n.]. Disponível em: .

RIBEIRO, Solange Lucas. A interface acessibilidade e educação inclusiva. InterMeio: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação-UFMS, v. 14, n. 27, 2016.

RIVERA, I. R. et al. Atividade física, horas de assistência à TV e composição corporal em crianças e adolescentes. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 95, n. 2, p. 159–165, 2010.

SERAPIONI, M. Métodos qualitativos e quantitativos na pesquisa social em saúde: algumas estratégias para a integração. Ciência & Saúde Coletiva, v. 5, n. 1, p. 187–192, 2000.

SOUZA, D. L.; MORAES, M.; MOREIRA, T. S. O perfil da produção científica online em português relacionada às modalidades olímpicas e paralímpicas. Movimento, v. 22, n. 4, p. 1105, 2016.


THOMAS, J. R.; NELSON, J. K.; SILVERMAN, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. [s.l.] Artmed, 2012.


WINNICK, J. P.; SHORT, F.; LIEBERMAN, L. Educação física e esportes adaptados. São Paulo: Manole, 2004.
Publicado
2020-06-02