A formação para autonomia: contribuições da Teoria Crítica da Escola de Frankfurt

Haryanna P. Sgrilli

Resumo


No Brasil, as leis e documentos oficiais que estabelecem os objetivos e especificidades da educação escolar parecem estar de acordo quanto a um certo caráter emancipatório que ela deva assumir. No caso específico do Ensino Médio, tanto a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira quanto as Orientações Curriculares Nacionais (OCNs) falam do desenvolvimento da “autonomia intelectual” e do “pensamento crítico” do educando. Nas OCNs de Ciências Humanas, sobretudo com relação à Filosofia, advoga-se a ela imensa responsabilidade nesse sentido. Tendo isso em vista, a proposta desse trabalho é estabelecer uma discussão das concepções de “autonomia intelectual” e “pensamento crítico”, a partir do referencial dos teóricos-críticos Theodor Adorno e Max Horkheimer. Consideramos, pois, que o entendimento crítico dessas concepções tem muito a contribuir para uma elaboração mais consciente das propostas pedagógicas das escolas e planos de trabalho dos docentes.

Texto completo:

PDF