O RISCO DAS FACÇÕES NA REPÚBLICA SEGUNDO ROUSSEAU

  • Vital Francisco Celestino Alves Doutor em Filosofia pela Universidade Federal de Goiás (UFG). É professor da Secretaria de Educação do Distrito Federal.
Palavras-chave: Facções, Vontade geral, Corrupção política, República

Resumo

O tema das associações parciais ou facções encontra-se diretamente ligado à noção de vontade geral e se constitui em um importante objeto de análise no pensamento político de Rousseau. Sob a pena do filósofo genebrino, as facções são compreendidas de maneira negativa e reconhecidas como uma das causas da corrupção política na república. Buscando analisar porque Rousseau considera às facções nocivas e que tais associações parciais podem contribuir para o surgimento da corrupção política na república, o presente artigo se desdobrará em quatro partes: na primeira, analisar-se-ão as razões pelas quais as facções se configuram em uma ameaça direta à prevalência da vontade geral; na segunda, perscrutar-se-á se as facções podem destruir de forma definitiva a vontade geral; na terceira, examinar-se-á algumas interpretações e principais polêmicas que gravitam em torno do problema das facções, e, por fim, discutir-se-á, visando estabelecer uma reflexão conclusiva, o porquê de as facções poderem engendrar a corrupção política.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-12-31
Seção
Artigos