DESAFIOS ÉTICOS DAS TECNOLOGIAS DE MELHORAMENTO HUMANO

  • Rafael Nogueira Furtado Doutor em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP)

Resumo

O avanço do conhecimento científico e a criação de novas tecnologias têm possibilitado o tratamento bem sucedido de enfermidades, elevando a qualidade de vida da população. Entretanto, para além da cura de doenças, o domínio conquistado sobre os processos vitais pode ser usado com o objetivo de aperfeiçoar as capacidades naturais da espécie humana, como a cognição, a performance física e a longevidade. Este trabalho busca analisar os desafios éticos colocados pelas tecnologias de melhoramento humano. Trata-se de compreender argumentos de autores contrários ao procedimento, tais como Leon Kass, Francis Fukuyama e Michael Sandel, contrastando-os com argumentos daqueles que se mostram favoráveis ao melhoramento, como Nick Bostrom, Julian Savulescu e Allen Buchanan. A intervenção sobre os traços fundamentais da espécie altera o modo como concebemos tradicionalmente a noção de humanidade. Cumpre, portanto, evidenciar as implicações éticas desta alteração, identificando seus riscos e benefícios.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-03-15
Seção
Artigos