O CORPO-INVERTIDO COMO RESPOSTA À ECONOMIA DO CORPO PRODUTIVO-SUBMISSO

  • Wellington Amâncio da SILVA (UNEB)

Resumo

Aqui, retomamos a discussão sobre o corpo-invertido2 a partir de dois conceitos de Michel Foucault: “política do corpo” e “regimes de necessidades”. Assim, a partir da problemática do controle do corpo, é preciso afirmar que o corpo-invertido é corpo não submisso que subsiste a partir da sua “própria política” e que é, por assim dizer, assaz indiferente aos regimes instituídos de necessidades, porque se encontra para além do âmbito do que se constitui designar moralmente de “miséria”. Tentaremos demonstrar de quais formas decorrem estas independências radicais em face destes dois conceitos foucaultianos da vigilância e punição (2014). Para isso trataremos sucintamente da economia do corpo produtivo/submisso e do corpo invertido enquanto poder.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-03-14