A “CAIXA PRETA” COMO METÁFORA PARA O FUNCIONAMENTO DAS SOCIEDADES PÓS-HISTÓRICAS SEGUNDO VILÉM FLUSSER

  • Anna Luiza Andrade Coli Mestranda em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Palavras-chave: Tecno-imagens, Caixa-preta, Sociedades pós-históricas

Resumo

O presente artigo aborda alguns textos fundamentais de Vilém Flusser adotando como eixo central a comparação entre o funcionamento das sociedades póshistóricas e o mecanismo da “caixa-preta”, o que permite articular questões específicas dos códigos de comunicação e seus produtos com questões que tratam das consequências das tecno-imagens para o funcionamento das sociedades caracterizadas por Flusser como sociedades de massa ou pós-históricas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

FLUSSER, Vilém. Pós-história. Vinte instantâneos e um modo de usar. São Paulo: Duas Cidades, 1983.

_______. Ficções filosóficas. São Paulo: Edusp, 1998.

_______. Filosofia da caixa preta. Ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

_______. O mundo codificado. Por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosacnaify, 2007.

_______. Língua e Realidade. São Paulo: Annablume, 2007a.

_______. O universo das imagens técnicas. Elogio da superficialidade. São Paulo: Annablume, 2008.

DUARTE, Rodrigo. Flussers Medientheorie und die Kritik an die Kulturindustrie. Debito Ergo Sum. Caderno Flusseriano. Disponível em: http://www.dubitoergosum.xpg.com.br/a58.htm. Acesso em: 28 de ago. 2010.

KRAUSER, Gustavo Bernardo; MENDES, Ricardo. Vilém Flusser no Brasil. Rio de Janeiro: Relumé Dumará, 2000.
Publicado
2011-07-30
Seção
Artigos