A CRÍTICA HUSSERLIANA AO OBJETIVISMO EVIDENCIADA ATRAVÉS DA NOÇÃO FENOMENOLÓGICA DE ATITUDE (EINSTELLUNG)

  • Michelle Silvestre Cabral Mestre em Filosofia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste)
Palavras-chave: Edmundo Husserl. Fenomenologia. Objetivismo. Atitude.

Resumo

Através da distinção entre atitude natural e atitude transcendental, Husserl parece fundamentar várias de suas teses, como a diferença do agir propriamente filosófico frente o científico, a necessidade do método fenomenológico na investigação do âmbito subjetivo, etc. Com a exposição e problematização da noção fenomenológica de atitude (Einstellung) neste artigo, se pretende trazer luz à crítica desenvolvida pelo fenomenólogo ao objetivismo presente nas ciências particulares, principalmente a partir do período moderno. Tais discussões, permitem a compreensão de que as reflexões husserlianas trouxeram grandes contribuições tanto ao procedimento científico, quanto à tradição fenomenológica de investigação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Pedro Manuel Santos. Subjectividade e tempo na fenomenologia de Husserl. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2003.

CABRAL, Michelle Silvestre. A noção husserliana de consciência intencional e suas origens. Intuitio, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p.120-138, jun. 2010. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/intuitio/article/view/6829/5173. Acesso em: 02 de fev. 2011.

HUSSERL, A crise da humanidade européia e a filosofia. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2008. Disponível em: http://www.lusosofia.net/textos/husserl_edmund_crise_da_humanidade_europeia_filosofia.pdf>. Acesso em 24 de juh. 2010.

______. Idéias para uma Fenomenologia Pura e para uma Filosofia Fenomenológica: Introdução geral à fenomenologia pura. Aparecida: Idéias & Letras, 2006.

______. Investigaciones Lógicas,1 e 2. Madri: Revista de Occidente, 1929.

______. Meditações Cartesianas. São Paulo: Madras, 2001.

MOURA, Carlos Alberto Ribeiro de. Crítica da razão na fenomenologia. São Paulo: Nova Stella, Editora da Universidade de São Paulo, 1989.

______. Husserl: significação e fenômeno. Dois pontos, Curitiba/São Carlos, v. 3, n. 1, p. 37-61, abr. 2006. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/doispontos/article/view/5172/3889. Acesso em: 13 de mai. 2010.

ONATE, Alberto Marcos. Interesse e desinteresse na fenomenologia husserliana. In: Souza, Ricardo Timm; Oliveira, Nythamar Fernandes de. (Org.). Fenomenologia hoje III: bioética, biotecnologia, biopolítica. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008, p. 13-25.
Publicado
2011-07-30
Seção
Artigos