A MORTE DE EMPÉDOCLES DE HÖLDERLIN: A TRAGÉDIA COMO OBRA FILOSÓFICA

  • Theo Machado Fellows Mestrando em filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Palavras-chave: Tragédia, Hölderlin, Estética, Idealismo Alemão, Trágico

Resumo

Dividido entre a filosofia e a poesia, Hölderlin e seu drama incompleto A morte de Empédocles são hoje peças essenciais para se pensar o trágico na Modernidade. Ponte entre a nostalgia da Antiguidade e uma filosofia que nega o projeto metafísico do Idealismo Alemão – projeto que Hölderlin, ironicamente, ajudou a erigir – esta empreitada hölderliniana é uma singular investigação não somente da relação entre arte e pensamento, mas também coloca em questão a constituição da própria Modernidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALLEMANN, Beda. Hölderlin et Heidegger. Paris: PUF, 1987.

ARISTÓTELES, Poética. São Paulo, Abril Cultural, 1973. (Coleção Os Pensadores).

HÖLDERLIN, Friedrich. A morte de Empédocles. Lisboa: Relógio D’Água, 2001.

______. Hinos Tardios. Lisboa: Assírio & Alvim, 2000

______. Reflexões. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994

______. Observações sobre Édipo. In: HÖLDERLIN, Friedrich; BEAUFRET, Jean. Observações sobre Édipo e Observações sobre Antígona precedidos de Hölderlin e Sófocles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008. p. 67-80.

LACOUE-LABARTHE, Philippe. A cesura do especulativo. In: LACOUELABARTHE, Philippe. A imitação dos modernos: ensaios sobre arte e filosofia. São Paulo: Paz e Terra, 2000. p. 181-209.

NIETZSCHE, Friedrich. Nascimento da tragédia. 2. ed. São Paulo, Companhia das Letras, 1996.

SCHELLING, Friedrich von. Cartas sobre o dogmatismo e o critcismo. In: SCHELLING, Friedrich. Obras escolhidas. São Paulo: Nova Cultural, 1989. p. 1-37.

SZONDI, Peter. Ensaio sobre o trágico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.
Publicado
2011-07-30
Seção
Artigos