A IDEOLOGIA DA EQUIPE ECONÔMICA DO GOVERNO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

  • Mônica Soares Botelho Padilha Doutoranda pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)
Palavras-chave: Racionalidade instrumental, Política econômica, Governo Fernando Henrique Cardoso, Neoliberalismo, Ideologia

Resumo

O artigo analisa a ideologia da equipe econômica do governo Fernando Henrique Cardoso, que orientou sua ação por uma racionalidade instrumental. Foi feita uma análise comparativa com as equipes econômicas dos governos anteriores, mostrando que a equipe do governo Cardoso abandonou o modelo desenvolvimentista para retomar o modelo clássico liberal. No entanto, o neoliberalismo da equipe de Cardoso não entende o mercado como um meio para se promover o desenvolvimento econômico e social. Herdeiros da geração pós Consenso de Washington, vêem o mercado como um fim em si. A relação que esses economistas estabeleceram com o mercado é quase religiosa, porque nele depositaram total confiança. Para estes economistas, era como se o mercado fosse uma entidade superior que naturalmente resolveria os problemas econômicos e sociais. Sob esse pretexto, colocaram em prática no país políticas típicas do neoliberalismo, que prevêem o desmantelamento do Estado e das grandes conquistas políticas e sociais. Na verdade, essa idolatria em relação mercado configura a irracionalidade desses economistas que defendem explicitamente os interesses de um segmento da classe dominante, a saber, a burguesia financeira internacional. O que leva à conclusão de que não houve autonomia da equipe para elaborar as políticas econômicas do governo, porque seguem as receitas dos organismos internacionais. A autonomia só se estabeleceu em relação às classes trabalhadoras, que não participaram de qualquer negociação que lhes dizem respeito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max.Dialética do Iluminismo. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

ANDERSON, Perry. Balanço do neoliberalismo. In: SADER, Emir; GENTILI, Pablo, Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ASSMANN, Hugo; HINKELAMERT, Franz. A idolatria do Mercado - ensaio sobre Economia e Teologia. Petrópolis, Vozes, 1989.

BACHA, E. O Plano Real: uma avaliação, In: MERCADANTE, Aloízio (org). O Brasil pós-Real. Campinas: Unicamp, 1997.

______. Entrevista com Edmar Bacha. In: MAKSOUD, Henry (ed.). Os Mistérios da Inflação. São Paulo: Visão, 1986.

BATISTA, Paulo Nogueira. O consenso de Washington: a visão neoliberal dos problemas latino-americanos. In: Em Defesa do Interesse Nacional. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

FIORI, José Luís. Ajuste, Transição e Governabilidade: o enigma brasileiro. In: TAVARES, Maria da Conceição; FIORI, José Luís. (Des) Ajuste Global e Modernização Conservadora. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

______. In Memoriam. In: MERCADANTE. Aloízio (org). O Brasil pós-Real. Campinas: Unicamp, 1997.

FURTADO, Celso. Objetividade e Ilusionismo em Economia. In: ______. O Mito do Desenvolvimento Econômico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

______. O pensamento econômico latino-americano - entrevista de Celso Furtado a Carlos Mallorquín. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 41, mar. 1995.

GOMES, Angela de Castro. Novas Elites burocráticas. Engenheiros e Economistas: novas elites burocráticas. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1994.

HARVEY, David. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.

HIRSCHMAN, A. A Economia Como Ciência Moral e Política. São Paulo: Brasiliense, l986.

______. As Paixões e os Interesses. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1979.

HORCKHEIMER, Max. Eclipse da Razão. Rio de Janeiro: Labor do Brasil, 1976.

LIMONGI, Fernando. Mentores e Clientelas da Universidade de São Paulo: In: MICELI, Sérgio (org.). Histórias das Ciências Sociais no Brasil. São Paulo: Idesp, Vertice, Finep, 1989. V. 1.

LOUREIRO, Maria Rita. Os Economistas no Governo. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1997.

MANTEGA, Guido. A Economia Política Brasileira. Rio de Janeiro: Polis/Vozes, 1987.

MARCUSE, H. A Ideologia da Sociedade Industrial. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

MERQUIOR, José Guilherme. O Liberalismo, Antigo e Moderno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991. Motta, Marly Silva. Economistas: intelectuais, burocratas e mágicos. Engenheiros e Economistas: novas elites burocráticas, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1994.

OLIVEIRA, Francisco de. O reino de 20 anos. Folha de São Paulo, 13-10-1996, p. 5-9.

______. A derrota da vitória: a contradição do absolutismo de FHC. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 50, mar. 1998.

PADILHA, Mônica Soares Botelho. A racionalidade instrumental da equipe econômica do governo Fernando Henrique Cardoso. Dissertação. São Paulo, PUC, 1998.

SANTOS, Boaventura de Souza. Pela Mão de Alice - O social e o Político na PósModernidade. São Paulo: Cortez, 1996.

SINGER, P. O Plano Real: continuidade e ruptura In: MERCADANTE, Aloízio (org). O Brasil pós-Real. Campinas, Unicamp, 1997.

TAVARES, Maria da Conceição. A economia política do Real. In: MERCADANTE, Aloízio (org). O Brasil pós-Real, Campinas, Unicamp, 1997.

WEBER, M. Burocracia. In: GERTH, H.; MILLS, C. W. (orgs.). Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

WEFFORT, Francisco Corrêa. O Populismo na Política Brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.
Publicado
2011-07-30
Seção
Artigos