ENSINO DE FILOSOFIA E A ESCRITA DE SI: CONTRIBUIÇÕES DA FILOSOFIA NA FORMAÇÃO DO JOVEM CONTEMPORÂNEO

  • Marcelo Donizete de Barros Mestre em Educação pela Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: Ensino de filosofia, Escrita, Jogos de linguagem, Leitura

Resumo

Qual é o lugar da escrita no ensino da filosofia no Ensino Médio? Trata-se de uma reflexão sobre a escrita filosófica, viabilizada pela leitura de quem intenciona a escrita e não pela leitura para saber, isto é, para acumular ou reproduzir conhecimento. O que se constata, é que a escrita é uma das atividades essenciais do filosofar e possui caráter formador que precisa ser valorizado. Raros são os pensadores que não escreveram e, além do mais, vive-se num contexto em que ela, num sentido geral, é onipresente. A escrita filosófica, no nível da formação média, pode ser um contraponto às várias modalidades de produções disponíveis, caracterizadas pela velocidade e superficialidade. Sua consistência, tempo e modo de elaboração servem como resistência ao descartável. Sua finalidade é produzir sentido, nesse jogo de linguagem que é a filosofia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS. Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio; vol. 3. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.

COSSUTTA, Frédéric. Elementos para a leitura dos textos filosóficos. trad. Angela de Noronha Begnami [ et al. ]; col. Leitura e crítica. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FAVARETTO, Celso F. Moderno, pós-moderno, contemporâneo na educação e na arte – Textos apresentados ao Concurso de Livre-Docência, junto ao Departamento de Metodologia do Ensino e Educação Comparada, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2004.

FOUCAULT, Michel. A escrita de si. In: Michel Foucault - o que é um autor? (coletânea de ensaios). 2. ed. Lisboa, Portugal: Vega – Passagens, 1992.

______. A ordem do discurso. Lisboa/Portugal: Relógio D’Água, 1997.

HAVELOCK, Eric. A revolução da escrita na Grécia Antiga e suas consequências culturais. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

LEBRUN, Gérard. Por que filósofo? Estudos Cebrap, n. 15, jan.-mar., 1976, p. 148-53.

LYOTARD, J-F. O pós – moderno explicado às crianças. 2. ed. Lisboa/Portugal: Publicações Dom Quixote, 1993.

PLATÃO. A República. Belém: Universidade Federal do Pará, 1988.

REVISTA Discutindo Filosofia, Ano1, nº1. São Paulo: Escala Educacional, s/d.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. São Paulo: Nova Cultural, 1989. (Coleção Os Pensadores).
Publicado
2011-07-30
Seção
Artigos