MUNDO DA VIDA E INTERSUBJETIVIDADE LINGUÍSTICA À LUZ DA TEORIA EVOLUTIVA DE HABERMAS

  • Anatoli Konstantin Gradiski Mestrando em Filosofia pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), Campus de Marília
Palavras-chave: Intersubjetividade lingüística, Mundo da vida, Consciência moral, Teoria evolutiva, Filosofia da história

Resumo

Com o conceito de intersubjetividade linguistica Habermas busca compreender como a interação entre os vários sujeitos num discurso os fazem pertencer a um espaço de vivência e de experiências compartilhadas, o que para ele constitui o mundo da vida não apreendido pelas ciências positivas e nem colonizado pelosistema. Paralelo à sua crítica à apreensão positivista do conceito de mundo da vida, ele apresenta uma reconstrução evolutiva da racionalidade, cuja base está na epistemologia genética de Piaget e na teoria do desenvolvimento do juízo moral de Kohlberg, e que concebe o entendimento intersubjetivo como resultado da aprendizagem no processo cognitivo de aquisição de competências operatórias, no qual se dá o desenvolvimento das relações interativas. Tanto numa interpretação filogenética quanto na análise da evolução ontogenética da consciência moral, Habermas constata o mesmo processo que, passo a passo, segue em direção ao estabelecimento de princípios universalistas para a regulamentação de conflitos que obstam o entendimento intersubjetivo das comunidades lingüísticas – e isso tanto no âmbito do mundo da vida cotidiano quanto no âmbito da produção formal do conhecimento. Ora, metodologicamente, aqui estamos diante de uma perspectiva evolucionista da própria razão. O que cabe é questionar se tal perspectiva não pode servir de pano de fundo a uma filosofia da história. Se sim, como então compreender essa nova racionalidade diante da história visto que, segundo a própria crítica de Habermas, a filosofia da história é aliada secreta do positivismo, e, em decorrência, por ceder ao objetivismo cientificista anula o sujeito cognoscente da própria constituição das estruturas sociais?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BANNWART JÚNIOR, Clodomiro José. A dimensão prático-moral sob a perspectiva da Evolução Social em Habermas. In. MÜLLER, Maria Cristina; CENCI, Elve Miguel (Orgs.). Ética, Política e Linguagem. Londrina: Edições CEFIL, 2004.

BERTEN, André. Do conceito de aprendizado em Habermas. COLÓQUIO

HABERMAS: MODERNIDADE, LINGUAGEM E POLÍTICA, 3, 2009, Marília.

HABERMAS, Jürgen. Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.

______. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

______. Para a reconstrução do materialismo histórico. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990.

HABERMAS, Jürgen. Teoria de la accion comunicativa. Madrid: Taurus Humanidades, 2003. V. II.

REPA, Luiz. Reconstrução racional e Filosofia da História. In: MARTINS, Clélia A.; POKER, José G. (Orgs.). O pensamento de Habermas em questão. Marília: Oficina Universitária Unesp, 2008.
Publicado
2011-07-30
Seção
Artigos