PRESENÇA, VIRTUALIDADE E EMOÇÃO: PERSPECTIVAS TEMPORAIS EM TORNO DO BERGSONISMO

  • Pablo Enrique Abraham Zunino
Palavras-chave: Subjetividade, Duração, Percepção, Memória, Vontade, Bergson

Resumo

Este artigo examina a relação entre subjetividade e vontade à luz de alguns resultados parciais obtidos em nossa pesquisa sobre a filosofia de Henri Bergson, cujo carro-chefe é a noção de “duração”. Pensar a subjetividade a partir da duração significa admitir que a transição ininterrupta que vai do passado para o futuro passando pelo presente é a temporalidade atuando no nível mais simples de nossa relação com o mundo. Destacamos a subjetividade a partir da duração porque já na percepção estamos evocando o passado para iluminar o presente e, assim, podemos compreender o “problema” da subjetividade a partir de uma ação na qual se observa uma diferença de funções: a diferença entre o presente que atua e o passado que já não atua. É precisamente esse caráter temporal da ação que leva os comentadores de Bergson a interpretarem de maneira original a gênese da subjetividade, o papel da memória na percepção e a conceberem novos sentidos para o conceito de “vontade”. Por conseguinte, a estrutura argumentativa que adotamos neste texto deverá mover-se em três níveis de análise que correspondem, respectivamente, a três aspectos da subjetividade humana (percepção, memória e vontade). Desse modo, pretendemos ressaltar a temporalidade viva como marca registrada do bergsonismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BERGSON, H. Œuvres. Édition du centenaire. Paris: PUF, 1959.

_______. Mélanges. Paris: PUF, 1972.

_______. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Martins Fontes, 2006a.

_______. O pensamento e o movente. São Paulo: Martins Fontes, 2006b.

DELEUZE, G. Bergsonismo. São Paulo: Ed. 34, 1999.

DESCARTES, R. Œuvres de Descartes. Paris: Vrin, 1996. V. IX.

FRANÇOIS, A. Bergson, Schopenhauer, Nietzche: volonté et réalité. Paris: PUF, 2008.

PINTO, D.; MARQUES, S. (Orgs.). Henri Bergson: crítica do negativo e pensamento em duração. São Paulo: Alameda, 2009.

PRADO JÚNIOR, B. Presença e campo transcendental: consciência e negatividade na filosofia de Bergson. São Paulo: Edusp, 1989.

WORMS, F. Introduction a «Matière e mémoir » de Bergson. Paris: PUF, 1997.

_______. Bergson ou les deux sens de la vie. Paris: PUF, 2004.
Publicado
2011-07-30
Seção
Artigos