POPPER E OS PARADOXOS DA SOBERANIA: POR QUE NA POLÍTICA SEMPRE DEVEMOS ESTAR PREPARADOS AO MÁXIMO PARA O PIOR?

Palavras-chave: Karl Popper, Política, Epistemologia, Soberania, Poder Político, Democracia

Resumo

O presente artigo tem por objetivo uma breve análise da alegação do filósofo Karl Popper (1902-1994) de que em relação à política sempre devemos estar preparados “ao máximo para o pior”. O autor mostra que organizar as instituições políticas de uma forma adequada a evitar que os governantes incompetentes ou malfeitores gerem demasiados estragos é um dever de toda a sociedade que preza pela liberdade. Essa abordagem revela-se profícua ao superar a ingênua noção de que a democracia é meramente o “governo da maioria”; apontando que esse regime é aquele que, sobretudo, é capaz de disponibilizar a todos os cidadãos meios democráticos ou pacíficos de controle governamental. Concluiremos, a partir disso, que a soberania é demasiadamente paradoxal e, por meio de um contraste epistêmico entre a visão liberal, abraçada por Popper, e planificadores centrais, veremos a ilimitação do poder como inconcebível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARROS, R. S. M. “Karl Popper: a busca inacabada”. In Popper: as aventuras da racionalidade. Julio Cesar R. Pereira (Org.). Porto Alegre: EDIPUCRS, 1995. pp. 9-20.

______. O fenômeno totalitário. Belo Horizonte – São Paulo: Itatiaia – EDUSP, 1990.

_______. “Razão e racionalidade”. In Razão e racionalidade: ensaios de filosofia. Roque Spencer Maciel de Barros (Org.). São Paulo: T. A. Queiroz, 1993. pp. 3-15.

CAPONI, G. “Karl Popper e a filosofia clássica alemã”. In Popper: as aventuras da racionalidade. Julio Cesar R. Pereira (Org.). Porto Alegre: EDIPUCRS, 1995. pp. 21-48.

CORVI, R. An Introduction to the Thought of Karl Popper. Translated by Patrick Camiller. London and New York: Routledge, 1997.

HUME, D. An Enquiry Concerning Human Understanding. Edited with an Introduction and Notes by Peter Millican. Oxford University Press, 2007.

MAGEE, B. As ideias de Popper. Tradução de Leonidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. São Paulo: Cultrix – EDUSP, 1974.

MARX, K; ENGELS, F. Manifesto comunista. Organização e introdução de Osvaldo Coggiola. Tradução de Álvaro Pina. 5ª reimpressão. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007.

OLIVA, A. Conhecimento e liberdade: individualismo x coletivismo. 1ª ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1994.

______. “Da atitude crítica à sociedade aberta”. In Popper: as aventuras da racionalidade. Julio Cesar R. Pereira (Org.). Porto Alegre: EDIPUCRS, 1995. pp. 69-115.

______. Entre o dogmatismo arrogante e o desespero cético. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1993.

PARVIN, P. Major Conservative and Libertarian Thinkers (Karl Popper). v. 14. Edited by John Meadowcroft. Continuum Books, 2010.

PLATÃO. A República. Introdução, tradução e notas de Maria Helena da Rocha Pereira. 9ª edição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

POPPER, K. R. “A lógica da investigação científica”. In Popper, Schlick e Carnap. Tradução e seleção de Pablo Rubén Mariconda. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1975. pp. 263-384

______. A sociedade aberta e seus inimigos. Tradução de Milton Amado. v.1. Belo Horizonte – São Paulo: Itatiaia – EDUSP, 1974.

______. Conjecturas e refutações. Tradução de Sérgio Bath. 2ª ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1982.

______. “Engenharia social gradativa”. In Karl Popper: textos escolhidos. David Miller (Org.). Tradução de Vera Ribeiro. Revisão da tradução por César Benjamin. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2010. pp. 297-310.

______. “Os paradoxos da soberania”. In Karl Popper: textos escolhidos. David Miller (Org.). Tradução de Vera Ribeiro. Revisão da tradução por César Benjamin. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2010. pp. 311-316.

QUINTON, A. “Karl Popper: Política sem essência”. In Filosofia política contemporânea. Anthony de Crespigny e Kenneth R. Minogue (Eds.). Tradução de Yvonne Jean. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1979. pp. 179-201.

SANTOS, F. A. A emergência da modernidade: atitudes, tipos e modelos. Petrópolis, RJ: Vozes, 1990.

SHEARMUR, J. The Political Thought of Karl Popper. London and New York: Routledge, 1996.

SKYRMS, B. Escolha e acaso: uma introdução à lógica indutiva. Tradução de Leonidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. São Paulo: Cultrix – EDUSP, 1966.
Publicado
2020-07-21