TRABALHO E GÊNESE DO SER SOCIAL: UMA ANÁLISE A PARTIR DA ONTOLOGIA DE LUKÁCS

  • Maicon José Fortunato Mestre em Filosofia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste). Professor EBTT do Instituto Federal de São Paulo (IFSP) https://orcid.org/0000-0001-7336-8680
Palavras-chave: Lukács, Ontologia, Ser social, Trabalho

Resumo

O objetivo deste trabalho está em analisar a tese de Lukács acerca da gênese do Ser Social. Em sua obra, Para uma Ontologia do Ser Social, em especial, no capítulo O Trabalho, Lukács propõe uma das premissas centrais do seu pensamento, que em sua interpretação constitui o cerne estruturador do pensamento de Marx, a saber, o trabalho enquanto atividade fundante do ser social. De acordo com esta premissa, é a ação do trabalho que demarca a especificidade e singularidade do ser social, uma vez que por meio dele, o homem opera uma transformação no mundo natural e, por sua vez, produz uma nova forma de objetividade cujas características são determinadas pelas intenções previamente idealizadas na consciência humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

FORTES, R. V. Trabalho e Gênese do Ser Social na “Ontologia” de George Lukács. 2001. 209 f. Dissertação (Mestrado em filosofia) - Departamento de Filosofia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.

INFRANCA, A. Trabalho, Indivíduo, História: o conceito de trabalho em Lukács. Trad.: Christianne Basilio e Silvia de Bernardinis. São Paulo: Boitempo, 2014.

LESSA, S. Mundo dos homens: trabalho e ser social. São Paulo: Instituto Lukács, 2012.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social. São Paulo: Boitempo, 2013.

TERTULIAN, N. Uma Apresentação à Ontologia do Ser Social, de Lukács. Tradução de Ivo Tonet. In: Revista Crítica Marxista n. 3, 1996.
Publicado
2020-07-21