O CONCEITO DE LIBERDADE EM CÍCERO E MAQUIAVEL À LUZ DO REPUBLICANISMO DE QUENTIN SKINNER EM SUA FASE INICIAL

  • Bruno Santos Alexandre Professor Colaborador no colegiado de Filosofia da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) https://orcid.org/0000-0001-8286-6382
Palavras-chave: Quentin Skinner, Maquiavel, Cícero, Liberdade, Republicanismo

Resumo

Trata-se, neste artigo, de elucidar a aproximação proposta por Quentin Skinner entre Cícero e Maquiavel no curso da assim chamada fase inicial da carreira do primeiro intérprete: quando então identificava uma concepção de liberdade negativa no republicanismo dos dois últimos autores. Sendo assim, num primeiro momento do trabalho, pretendo demonstrar como a referida interpretação está fundamentalmente baseada no que Skinner concebe como um paradoxo da liberdade nos dois clássicos autores republicanos: o próprio avesso da liberdade (ou seja, a lei) como seu instrumento de realização. Num segundo e último momento do trabalho, trata-se de questionar se não haveria algum anacronismo nessa definição de um conceito republicano de liberdade, residido em Cícero e Maquiavel, com contornos tão próximos ao liberalismo. Nesse sentido, trago à tona as interpretações de Michel Villey e John Pocock, bem como as polêmicas leis agrárias republicanas romanas, chegando à seguinte conclusão. Se, por um lado, notadamente sobre Cícero, corrobora-se muito da posição skinneriana discutida até então, por outro lado, impõe-se para ela algumas dificuldades, especificamente no que diz respeito à sua interpretação de Maquiavel.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CÍCERO. Dos Deveres. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. La invención retórica. Madrid: Gredos, 1997.

MAQUIAVEL, N. Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
MACHIAVELLI, N. Discourses on the first decade of Titus Livius. In: Machiavelli: the chief work and others. Durham: Duke University Press, 1958.

NELSON, E. The Greek tradition in Republican thought. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

POCOCK, J. The Machiavellian Moment: Florentine Political thought and the Atlantic Republican tradition. Princeton: Princeton University Press, 2003 (Originalmente de 1975).

RAHE, P. Situating Machiavelli. In: HANKINS, J. (Org.). Renaissance Civic Humanism. Cambidge: Cambridge University Press, 2000.

SKINNER, Q. Ambrogio Lorenzeti and the portrayal of virtuous government. In:

SKINNER, Q. Visions of Politics. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

______. As fundações do pensamento político moderno. Vol. I. São Paulo: Companhia
das Letras, 1999 (Originalmente de 1978).

______. Liberdade antes do liberalismo. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

______. Maquiavel. Porto Alegre: L&PM, 2010 (Originalmente de 1981).

______. The ideal of negative liberty: philosophical and historical perspectives. In: RORTY, R. SCHNEEWIND, J. e SKINNER, Q. (Org.). Philosophy in History. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

______. The paradoxes of political liberty. In: The Tanner lectures on human values. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

VILLEY, M. A formação do pensamento jurídico moderno. São Paulo: Martins Fontes, 2009 (Originalmente de 1975).
Publicado
2020-07-21