HERMENÊUTICA, CRÍTICA DA IDEOLOGIA E RECONSTRUÇÃO: SOBRE AS CRÍTICAS DE HABERMAS A GADAMER

Palavras-chave: Habermas, Gadamer, Hermenêutica, Crítica da ideologia, Reconstrução

Resumo

O artigo busca reconstruir e avaliar as críticas endereçadas por Habermas contra Gadamer, quando da controvérsia entre ambos, no fim dos anos 60. As críticas de Habermas são duplas. Por um lado, veremos que ele aponta a presença de um momento falseável no conceito hermenêutico de consciência histórica, já que expõe que a tradição não é, como quer Gadamer, resultado do livre consenso, mas uma forma distorcida de comunicação, fato este só diagnosticável por uma “sociologia da atualidade”. Por outro, teremos um momento normativo da crítica, que busca mostrar que uma vez que o critério normativo do consenso possível não é mais a tradição, ele terá antes seu lugar nas regras formais pressupostas intuitivamente por todo falante competente, o que será material das assim chamadas “reconstruções racionais”. Em ambos casos, Habermas busca empreender uma crítica imanente à hermenêutica de Gadamer, isto é, busca elaborar suas virtudes críticas para além de seus quadros referenciais. Veremos, no entanto, que não deixa de haver certa tensão entre ambos momentos, pois enquanto a “sociologia da atualidade” proposta por Habermas ainda se encontra muito próxima do programa de conhecimento e interesse, que busca reconstruir um contexto objetivo a partir do nexo entre linguagem, dominação e trabalho, o segundo texto, que antecipa a ideia de “reconstrução racional”, se afasta desse modelo, propondo uma abordagem teórica da linguagem que retoma pretensões teóricas fortes e não ligadas imediatamente à práxis, o que pode ser visto como uma certa recaída aquém de um paradigma hermenêutico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BUBNER, R. Essays in Hermeneutics and Critical Theory. Columbia University Press, 1988.

GADAMER, H.-G. Verdade e método II: complementos e índice. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

______. Verdade e método I: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Trad. Flávio P. Meurer. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

HABERMAS, J. Towards a theory of communicative competence. Inquiry: An Interdisciplinary Journal of Philosophy. 13: 1-4, p. 360-375, 1970.

______. A lógica das ciências sociais. Trad. Marco Casanova. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009a.

______. A pretensão de universalidade da hermenêutica. In: A lógica das ciências sociais. Trad. Marco Casanova. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009b.

______. Teoria e práxis. Trad. Rúrion Melo. São Paulo: Ed. Unesp, 2013.

______. Conhecimento e interesse. Trad. Luís Repa. São Paulo: Ed. Unesp, 2014a.

______. Técnica e ciência como “ideologia”. Trad. Felipe Gonçalves Dias. São Paulo: Unesp, 2014b.

HONNETH, A. The critique of power: Reflective stages in a critical social theory. Cambridge: The MIT Press, 1991.

LAFONT, C. The Linguistic Turn in Hermeneutic Philosophy. Cambridge, Massachussetts: The MIT Press, 1999.

MCCARTHY, T. Rationality and relativism: Habermas’ “overcoming” of hermeneutics. In: THOMPSON, John B.; HELD, David (eds.). Habermas critical debates. London: The Macmillan Press, 1982.

______. La teoria crítica de Jürgen Habermas. Madrid: Technos, 2002. MENDELSSON, J. The Habermas-Gadamer debate. New German Critique, n. 18, p. 44-73, 1979.

NUYEN, A. T. Critique of ideology: Hermeneutics or critical theory? Human studies, v. 17, p. 419-32, 1995.

ORAA, J. M. A. Raison critique ou raison herméneutique? Une analyse de la controverse entre Habermas et Gadamer. Paris: Cerf, 1998.

PRADO JR., B. Auto-Reflexão, ou Interpretação sem Sujeito? Habermas intérprete de Freud. In: Alguns ensaios: filosofia, literatura, psicanálise. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

REPA, L. S. A transformação da filosofia em Jürgen Habermas: os papéis de reconstrução, interpretação e crítica. São Paulo: Singular, 2008.

RICOEUR, P. Du texte à l’action: éssais d’hermenéneutique II. Paris: Seuil, 1986.

WELLMER, A. Critical theory of society. New York: The Seabury Press, 1974.
Publicado
2020-07-21
Seção
Artigos