MORRIS WEITZ E SEU PENSAMENTO SOBRE TEORIA ESTÉTICA: UMA INFLUÊNCIA DE WITTGENSTEIN NA FILOSOFIA ANALÍTICA DA ARTE

Palavras-chave: Antiessencialismo, Conceito de arte, Jogos de linguagem, Semelhança de família, Teoria Estética

Resumo

O presente artigo busca destacar a influência que o pensamento do chamado segundo Wittgenstein exerceu na filosofia analítica da arte. No entanto, dentre os autores ligados a essa corrente de pensamento, o texto aborda especificamente o antiessencialismo presente nas reflexões de Morris Weitz. A fundamentação filosófica utilizada por Weitz para justificar a impossibilidade de uma definição essencialista do conceito de arte se encontra, principalmente, nas noções wittgensteinianas de jogos de linguagem e semelhança de família. Sendo assim, o artigo pretende evidenciar como Weitz as utiliza na defesa de sua tese.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAKER, G. P. & HACKER, P. M. S. Wittgenstein: meaning and understanding. Essays on the Philosophical Investigations. Oxford: Blackwell, 1983.

D’OREY, Carmo. O que é a arte? A perspectiva analítica. Lisboa: Dinalivro, 2007.

GOMBRICH, E. H. A história da arte. Trad. Álvaro Cabral, 16º ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2008.

LITWACK, E. B. Wittgenstein and the value: the question for meaning. London: Continuum, 2009.

TILGHMAN, B. R. Wittgenstein, ethics and aesthetics: the view from eternity. London: Macmillan Press LTD, 1991.

WEITZ, M. O papel da teoria na estética. In: D’OREY, Carmo. O que é a arte? A perspectiva analítica. Trad. Vítor Silva. Lisboa: Dinalivro, 2007.

WITTGENSTEIN, L. J. J. Investigações Filosóficas. Trad. José Carlos Bruni. São Paulo: Editora Nova Cultura, 1999.
Publicado
2020-07-20
Seção
Artigos