Nível de atividade física e coordenação motora de escolares em diferentes estágios maturacionais

  • Ayrton Bruno de Morais Ferreira Centro Universitário do Rio Grande do Norte, departamento de Educação Física. Natal (RN)
  • Jason Azevedo de Medeiros Centro Universitário do Rio Grande do Norte, departamento de Educação Física. Natal (RN)
  • Rafaela Catherine da Silva Cunha de Medeiros Centro Universitário do Rio Grande do Norte, departamento de Educação Física. Natal (RN)
  • Luiz Afonso Rangel Serrano Centro Universitário do Rio Grande do Norte, departamento de Educação Física. Natal (RN)
  • Vanessa Carla Monteiro Pinto Universidade Federal do Rio Grande do Norte, departamento de Educação Física. Natal (RN)
  • Matheus Dantas Universidade Federal do Rio Grande do Norte, departamento de Educação Física. Natal (RN)
  • Paulo Moreira Silva Dantas Universidade Federal do Rio Grande do Norte, departamento de Educação Física. Natal (RN)
Palavras-chave: Atividade motora, Destreza motora, Desenvolvimento sexual

Resumo

Introdução: Estudos e debates na área do desenvolvimento motor revelam que o esporte e a atividade física desenvolvem e melhoram as habilidades motoras. Esses estudos buscam compreender as mudanças que ocorrem com o movimento, o qual se torna mais complexo à medida que se desenvolve através da atividade física.

Objetivo: Comparar o nível de atividade física e coordenação motora de escolares em diferentes estágios maturacionais e relacionar o nível de atividade física com a coordenação motora de jovens.

Método: Pesquisa descritiva com corte transversal. Participaram do estudo 46 indivíduos do sexo masculino, com idades entre 10 e 14 anos. Foi aplicado o questionário de Atividade Física Habitual de Baecke; o estágio de maturidade foi verificado através da Equação de Predição da Maturação Puberal; a composição corporal foi avaliada através do protocolo de Guedes para crianças e adolescentes; por fim, o desempenho coordenativo foi classificado por meio da bateria de testes Korperkoordinationstest fur Kinder (KTK).

Resultados: Houve diferenças significativas para as variáveis Idade e Estatura entre todos os estágios: P3, P4 e P5 de maturação. As diferenças encontradas na massa corporal ocorreram apenas entre os estágios P3 e P5; P4 e P5. Observou-se também que não foram encontradas diferenças significativas para a coordenação motora entre os estágios de maturação. O mesmo ocorreu quando os índices de atividade física foram comparados.

Conclusão: Não existe diferença no nível de atividade física entre os estágios 3, 4 e 5 da maturação sexual, assim como o estágio maturacional não parece influenciar o nível de coordenação motora de jovens escolares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Parker KE, Salmon JO, Brown HL, Villanueva K, Timperio A. Typologies of adolescent activity related health behaviours. J Sci Med Sport. 2019;22(3):319-23. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jsams.2018.08.015

2. Matsudo SM, Matsudo VR, Araújo T, Andrade D, Andrade E, Oliveira L, et al. Nível de atividade física da população do Estado de São Paulo: análise de acordo com o gênero, idade, nível socioeconômico, distribuição geográfica e de conhecimento. Rev Bras Ciên Mov. 2002; 10(4):41-50. DOI: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v10i4.469

3. Silva DK, Nahas MV. Prescrição de exercícios físicos para pessoas com doença vascular periférica. Rev Bras Ciên e Mov. 2002;10(1):55-61.

4. Moraes H, Deslandes A, Ferreira C, Pompeu FAMS, Ribeiro P, Laks J. O exercício físico no tratamento da depressão em idosos: revisão sistemática. Rev Psiquiatr Rio Gd. Sul. 2007; 29(1):70-9. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-81082007000100014

5. Kim SE, Kim JW, Jee YS. Relationship between smartphone addiction and physical activity in Chinese international students in Korea. J Behav Addict. 2015;4(3):200-5. DOI: https://doi.org/10.1556/2006.4.2015.028

6. Mielgo-Ayuso J, Aparicio-Ugarriza R, Castillo A, Ruiz E, Avila JM, Aranceta-Bartrina J, et al. Sedentary behavior among Spanish childreen and adolescentes: findings from the ANIBES study. BMC Public Health. 2017;17:94. DOI: https://doi.org/10.1186/s12889-017-4026-0

7. Keane E, Li X, Harrington JM, Fitzgerald AP, Perry IJ, Kearney PM. Physical activity, sedentary behavior and the risk of overweight and obesity in school-aged children. Pediatr Exerc Sci. 2017;29(3):408-18. DOI: https://doi.org/10.1123/pes.2016-0234

8. Wu XY, Han LH, Zhang JH, Luo S, Hu JW, Sun K. The influence of physical activity, sedentary behavior on health-related quality of life among the general population of children and adolescents: A systematic review. PloS One. 2017;12(11):e0187668. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0187668

9. Boreham C, Riddoch C. The physical activity, fitness and health of children. J Sports Sci. 2001;19(12):915-29. DOI: https://dx.doi.org/10.1080/026404101317108426

10. Zahner L, Dossegger A. Motor activity-the key to development in childhood. In: Dossegger L. Active Childhood-Healthy Life. Basle: FOSPO; Institute for Exercise and Health Sciences, University of Basle; Winterthur: 2004; p. 41-86.

11. Welk GJ. The youth physical activity promotion model: a conceptual bridge between theory and practice. Quest. 1999;51(1):5-23. DOI: https://doi.org/10.1080/00336297.1999.10484297

12. Gallahue D, Ozmun J, Goodway J. Compreendendo o desenvolvimento motor. 7th ed. Porto Alegre: AMGH; 2013; p. 20-41.

13. Cabral BG, Cabral SA, Medeiros RM, Alcatara T, Dantas PMS. Relação da maturação com a antropometria e aptidão física na iniciação desportiva. Motricidade. 2013;9(4):12-21. DOI: http://dx.doi.org/10.6063/motricidade.9(4).689

14. Lee EY, An K, Jeon JY, Rodgers WM, Harber VJ, Spence JC. Biological Maturation and Physical Activity in South Korean Adolescent Girls. Med Sci Sports Exerc. 2016;48(12): 2454-61. DOI: http://dx.doi.org/10.1249/MSS.0000000000001031

15. Siervogel R, Maynard LM, Wisemandle WA, Roche AF, Guo SS, Chumlea WC, et al. Annual changes in total body fat and fat-free mass in children from 8 to 18 years in relation to changes in body mass index. The Fels Longitudinal Study. Ann N Y Acad Sci. 2000; 904: 420-3. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1749-6632.2000.tb06494.x

16. Zangirolami-Raimundo J, Echeimberg JO, Leone C. Research methodology topics: Cross-sectional studies. Journal of Human Growth and Development. 2018;28(3):356-60. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.152198

17. Baecke JA, Burema J, Frijters JE. A short questionnaire for the measurement of habitual physical activity in epidemiological studies. Am J Clin Nutr. 1982;36(5):936-42. DOI: https://doi.org/10.1093/ajcn/36.5.936

18. Stewart A, Marfell-Jones M, Olds T, Ridder A. International standards for anthropometric assessment. New Zealand: International Society for the Advancement of Kinanthropometry, 2011.

19. Medeiros RM, Arrais RF, Azevedo JC, Andrade RD, Pinto VC, Ronque ER, et al. Predicton of pubertal maturation from anthropometric variables: proposal for a non-invasive method. J Sports Med Phys Fitness. 2018;58(5):638-43. DOI: https://doi.org/10.23736/S0022-4707.17.06564-1

20. Guedes DP, Guedes JE. Crescimento, composição corporal e desempenho motor em crianças e adolescentes. 2ª ed. São Paulo: CLR Balieiro, 2002; p. 50-65.

21. Schilling F, Kiphard EJ. Korpcrkoordinationstest für kinder, KTK. Weinheim: Beltz Test Gmbli, 1974.

22. Gorla J, Araújo P, Rodrigues J. Avaliação motora em educação física adaptada: teste KTK. 3th ed. São Paulo: Phorte; 2014; p. 139-68.

23. Barbosa KBF, Franceschini SCC, Priore SE. Influence of the stages of sexual maturation in the nutritional status, anthropometrics and corporal composition of adolescents. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2006;6(4):375-82. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292006000400003

24. Cole TJ, Ahmed ML, Preece MA, Hindmarsh P, Dunger DB. The relationship between Insulin-like Growth Factor 1, sex steroids and timing of the pubertal growth spurt. Clin Endocrinol. 2015;82(6):862-9. DOI: https://doi.org/10.1111/cen.12682

25. Surís J, Parrera N. Don’t stop, don’t stop: physical activity and adolescence. Int J Adolesc Med Health. 2005;17(1):67-80. DOI: https://doi.org/10.1515/IJAMH.2005.17.1.67

26. Seabra AF, Mendonça DM, Thomis MA, Anjos LA, Maia JA. Determinantes biológicos e sócio-culturais associados à prática de atividade física de adolescentes. Cad Saúde Pública. 2008;24(4):721-36. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000400002

27. Betti M, Zuliani LR. Educação Física Escolar: uma proposta de diretrizes pedagógicas. Rev Mackenzie Educ Fís Esporte. 2002;1(1):73-81.

28. Galvão Z. Educação física escolar: a prática do bom professor. Rev Mackenzie Educ Fís Esporte. 2002;1(1):65-72.

29. Pereira ES, Moreira OC. Importância da aptidão física relacionada à saúde e aptidão motora em crianças e adolescentes. Rev Bras Prescr Fisiol Exerc. 2013;7(39):309-16.

30. Lexell J, Sjostrom M, Nordlund AS, Taylor C. Growth and development of human muscle: a quantitative morphological study of whole vastus lateralis from childhood to adult age. Muscle Nerve. 1992;15(3):404-9. DOI: https://doi.org/10.1002/mus.880150323

31. Kaczor J, Ziolkowski W, Popinigis J, Tarnopolsky, M. Anaerobic and aerobic enzyme activities in human skeletal muscle from children and adults. Pediatr Res. 2005;57(3):331-5. DOI: https://doi.org/10.1203/01.PDR.0000150799.77094.DE

32. Pinto VC, Santos PG, Dantas MP, Araújo JP, Cabral AS, Cabral BG. Relationship between skeletal age, hormonal markers and physical capacity in adolescents. J Hum Growth Dev. 2017;27(1):77-83. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.127658

33. Pinto VC, Santos PG, Medeiros RC, Souza FE, Simões TB, Dantas RP, et al. Maturational stages: comparison of growth and physical capacity indicators in adolescents. J Hum Growth Dev. 2018;28(1):42-9. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.127411

34. Dantas MP, Silva LF, Gantois P, Silva LM, Dantas RN, Cabral BT. Relação entre maturação e força explosiva em remadores jovens. Motricidade. 2018;14(S1):4-11.

35. Freitas DL, Lausen B, Maia JA, Lefevre J, Gouveia ER, Thomis M, et al. Skeletal maturation, fundamental motor skills and motor coordination in children 7-10 years. J Sports Sci. 2015;33(9):924-34. DOI: https://doi.org/10.1080/02640414.2014.977935

36. Luz LG, Seabra A, Padez C, Duarte JP, Gonçalves RR, Santos JV, et al. Perímetro da cintura como mediador da influência da maturação biológica no desempenho de coordenação motora em crianças. Revista Paulista de Pediatria. 2016; 34 (3): 352-358. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rpped.2016.01.002

37. Deus RKBC, Bustamante A, Lopes VP, Seabra AT, Silva RMG, Maia JAR. Modelação longitudinal dos níveis de coordenação motora de crianças dos seis aos 10 anos de idade da Região Autônoma dos Açores, Portugal. Rev Bras Educ Fis Esp. 2010;24(2):259-73. DOI: https://doi.org/10.1590/S1807-55092010000200009

38. Collet C, Folle A, Pelozin F, Botti M, Nascimento JV. Motor coordination level of students from State Secretary from Florianópolis City. Motriz. 2008;14(4):373-80. DOI: https://doi.org/10.5016/2066

39. O'Brien-Smith J, Tribolet R, Smith MR, Bennett KJM, Fransen J, Pion J, et al. The use of the Körperkoordinationstest für Kinder in the talent pathway in youth athletes: A systematic review. J Sci Med Sport. 2019;22(9):1021-9. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jsams.2019.05.014
Publicado
2019-12-12
Seção
ORIGINAL ARTICLES