Prevalência e fatores associados à obesidade em crianças menores que cinco anos no município de Rio Branco – Acre

  • Delcio Damasceno da Silva Universidade Federal do Acre, Campus Floresta, Cruzeiro do Sul, Acre
  • Marcos Venicius Malveira de Lima Secretaria de Estado de Saúde do Acre, Rio Branco, Acre
  • Pascoal Torres Muniz Universidade Federal do Acre, Rio Branco, Acre
  • Marlon Negreiros de Holanda Laboratório de Delineamento de Estudos e Escrita Científica. Centro Universitário Saúde ABC, Santo André, SP
  • Ozianndeny Ferreira Câmara Laboratório de Delineamento de Estudos e Escrita Científica. Centro Universitário Saúde ABC. Santo André. São Paulo
  • Adilson Monteiro Laboratório de Delineamento de Estudos e Escrita Científica. Centro Universitário Saúde ABC. Santo André. São Paulo
  • Rubens Wajnsztejn Laboratório de Delineamento de Estudos e Escrita Científica. Centro Universitário Saúde ABC. Santo André. São Paulo
Palavras-chave: obesidade infantil, antropometria, epidemiologia nutricional

Resumo

Introdução: O estado nutricional de crianças é considerado um instrumento importante na aferição das condições de saúde e qualidade de vida de uma população. A prevalência crescente da obesidade em crianças é um problema de saúde pública significante, pois é um fator de risco importante para a obesidade na vida adulta. Objetivo: Avaliar a prevalência e os fatores associados à obesidade infantil no município de Rio Branco – Acre. Método: Realizou-se análise de banco de dados provenientes do Inquérito de Fatores de Risco e Morbidade por Doenças Não-Transmissíveis no Município de Rio Branco / Saúde e Nutrição de Adultos e Crianças em 2008. Trata-se de um estudo transversal onde foram examinadas 687 crianças na faixa de 0 a 60 meses nas zonas urbana e rural. A análise estatística considerou a expansão e o desenho da amostra. A prevalência da obesidade infantil segundo os índices antropométricos P/I (peso-para-idade), P/E (peso-para-estatura), e IMC/I (Índice de Massa Corporal-para-idade) foram respectivamente de 6,85% (IC95% = 5,30 – 8,80), 6,66% (IC95% = 3,22 – 13,27) e 6,61% (IC95% = 3,25 – 12,98). Resultados: O modelo final apresentou maior prevalência de obesidade para o índice IMC/I nas seguintes condições: local de domicílio na zona urbana (RP=6,81; IC95% = 1,27 – 36,38), iluminação elétrica sem medidor (RP=2,10; IC95% = 1,22 – 3,59), altura da mãe maior que 163cm (RP=2,24; IC95% = 1,12 – 4,47) e obesidade materna (RP=2,37; IC95% = 1,19 – 4,72). Conclusão: A prevalência da obesidade do índice IMC/I foi elevada e está relacionada à fatores socioeconômicos e características maternas específicas. É necessária a promoção de ações que levem a formação de um estilo de vida saudável ainda na infância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Barroso TA, Marins LB, Alves R, Gonçalves ACS, Barroso SG, Rocha GS. Association of central obesity with the incidence of cardiovascular diseases and risk factors. Int J Cardiovasc Sci. 2017; 30(5):416-24. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/2359-4802.20170073

2. Reilly JJ, Methven E, McDowell ZC, Hacking B, Alexander D, Stewart L, et al. Health consequences of obesity. Arch Dis Child. 2003;88(9):748-52. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/adc.88.9.748

3. Magarey AM, Daniels LA, Boulton TJ, Cockington RA. Predicting obesity in early adulthood from childhood and parental obesity. Int J Obes Relat Metab Disord. 2003;27(4):505-13. DOI: http://dx.doi.org/10.1038/sj.ijo.0802251

4. Al-Shammari SA, Khoja T, Gad A. Community-based study of obesity among children and adults in Riyadh, Saudi Arabia. Food Nutr Bull. 2001;22(2):178-83.

5. Hedley AA, Ogden CL, Johnson CL, Carroll MD, Curtin LR, Flegal KM. Prevalence of overweight and obesity among US children, adolescents, and adults, 1999-2002. JAMA. 2004;291(23):2847-50. DOI: http://doi.org/10.1001/jama.291.23.2847

6. French SA, Story M, Perry CL. Self-esteem and obesity in children and adolescents: a literature review. Obes Res. 1995;3(5):479-90.

7. Serdula MK, Ivery D, Coates RJ, Freedman DS, Williamson DF, Byers T. Do obese children become obese adults? A review of the literature. Prev Med. 1993;22(2):167-77. DOI: http://doi.org/10.1006/pmed.1993.1014

8. Golan M, Crow S. Parents are key players in the prevention and treatment of weight-related problems. Nutr Rev. 2004;62(1):39-50. http://doi.org/10.1111/j.1753-4887.2004.tb00005.x

9. Troncon JK, Gomes JP, Guerra-Júnior G, Lalli CA. Prevalência de obesidade em crianças de uma escola pública e de um ambulatório geral de Pediatria de hospital universitário. Rev Paul Pediatr. 2007;25(4):305-10. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822007000400002

10. Miller J, Rosenbloom A, Silverstein J. Childhood obesity. J Clin Endocrinol Metab. 2004; 89(9):4211-8. DOI: http://doi.org/10.1210/jc.2004-0284

11. Coutinho W. Consenso Latino-Americano de Obesidade. Arq Bras Endocrinal Metab. 1999;43(1):21-67. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27301999000100003

12. Swinburn B, Egger G, Raza F. Dissecting obesogenic environments: the development and application of a framework for identifying and prioritizing environmental interventions for obesity. Prev Med. 1999;29(6 Pt 1):563-70. DOI: http://doi.org/10.1006/pmed.1999.0585

13. Miglioli TC, Fonseca VM, Gomes Junior SC, Silva KS, Lira PI, Batista Filho M. Factors associated with the nutritional status of children less than 5 years of age. Rev Saude Publica. 2015;49:59. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049005441

14. World Health Organization (WHO). Childhood overweight and obesity. [cited 2015 Sep 18] Available from: https://www.who.int/dietphysicalactivity/childhood/en/

15. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares: antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: 2010.

16. Cruz SH, Piccinini CA, Matijasevich A, Santos IS. Problemas de comportamento e excesso de peso em pré-escolares do sul do Brasil. J Bras Psiquiatr. 2017;66(1):29-37. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0047-2085000000147

17. Zangirolami-Raimundo J, Echeimberg JO, Leone C. Research methodology topics: Cross-sectional studies. J Hum Growth Dev. 2018;28(3):356-60. DOI: http://dx.doi.org/ 10.7322/jhgd.152198

18. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico do ano 2000. [cited 2015 Sep 18] Available from: http://biblioteca.ibge.gov.br

19. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. VIGITEL Brasil 2006. Vigilência de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

20. Instituto Nacional de Câncer. Inquérito domiciliar sobre comportamentos de risco e morbidade referida de doenças e agravos não transmissíveis: Brasil, 15 capitais e Distrito Federal. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Câncer, 2004.

21. World Health Organization (WHO). WHO child growth standards and the identification of severe acute malnutrition in infants and children. Geneva: 2009.

22. Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Epi Info 6.0. [cited 2015 Sep 18] Available from: https://www.cdc.gov/epiinfo/index.html

23. World Health Organization (WHO). WHO Anthro Survey Analyser and other tools. [cited 2015 Sep 18] Available from: https://www.who.int/childgrowth/software/en/

24. Figueiredo FWS, Adami F. Steps for the decision making based on the statistical analyses. J Hum Growth Dev. 2017;27(3):350-352. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.141278

25. Gomes FS, Anjos LA, Vasconcellos MTL. Antropometria como ferramenta de avaliação do estado nutricional coletivo de adolescentes. Rev Nutr. 2010;23(4):591-605. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732010000400010

26. Bueno MB, Fisberg RM. Comparação de três critérios de classificação de sobrepeso e obesidade entre pré- escolares. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2006;6(4):411-18. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292006000400008

27. Silva GAP, Balaban G, Motta MEFA. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes de diferentes condições socioeconômicas. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2005;5(1):53-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292005000100007

28. Giugliano R, Carneiro EC. Fatores associados à obesidade em escolares. J Pediatr. 2004;80(2):17-22. DOI: http://dx.doi.org/10.2223/1128

29. Soar C, Vasconcelos FAG, Assis MAA, Grosseman S, Luna MEP. Prevalências de sobrepeso e de obesidade em estudantes de escola pública e privada de Florianópolis, Santa Catarina. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2004;4(4):391-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292004000400008

30. Abrantes MM, Lamounier JA, Colosimo EA. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes das regiões Sudeste e Nordeste. J Pediatr. 2002;78(4):335-40. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572002000400014

31. Martin KS, Ferris AM. Food insecurity and gender are risk factors for obesity. J Nutr Educ Behav. 2007;39(1):31-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jneb.2006.08.021

32. Costa RF, Cintra IP, Fisberg M. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares da cidade de Santos, SP. Arq Bras Endocrinol Metab. 2006;50(1):60-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302006000100009

33. Siqueira RS, Monteiro CA. Amamentação na infância e obesidade na idade escolar em famílias de alto nível socioeconömico. Rev Saude Publica. 2007;41(1):5-12. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102007000100002

34. Santos PC, Peters BSE. Relação entre índices de gordura corporal e massa óssea em adultos e idosos: estudo ISA - Capital (2014). Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Saúde Pública. São Paulo: 2018.

35. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002-2003. Análise da disponibilidade domiciliar de alimentos e estado nutricional do Brasil. Rio de Janeiro: 2004.

36. Oliveira AMA, Cerqueira EMM, Oliveira AC. Prevalência de sobrepeso e obesidade infantil na cidade de Feira de Santana-BA: detecção na família x diagnóstico clínico. J Pediatr (Rio J). 2003;79(4):325-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572003000400010

37. Sichieri R, Recine E, Everhart JE. Growth and body mass index of Brazilians ages 9 through 17 year. Obes Res. 1995;3(Suppl 2):117s-21s. DOI: https://doi.org/10.1002/j.1550-8528.1995.tb00454.x

38. Sichieri R, Taddei JA, Everhart JE. Influence of parental height and sociodemographic factors on adolescent height in Brazil. J Adolesc Health. 2000;26(6):414-9. DOI: https://doi.org/10.1016/s1054-139x(99)00004-x

39. Gigante DP, Barros FC, Post CLA, Olinto MTA. Prevalência de obesidade em adultos e seus fatores de risco. Rev Saude Publica. 1997;31(3):236-46. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101997000300004

40. Oliveira LPM, Assis AMO, Silva MCM, Santana MLP, Santos NS, Pinheiro SMC, et al. Fatores associados a excesso de peso e concentração de gordura abdominal em adultos na cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009;25(3):570-82. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000300012

41. Henriques P, O'Dwyer G, Dias PC, Barbosa RMS, Burlandy L. Health and Food and Nutritional Security Policies: challenges in controlling childhood obesity. Cienc Saude Coletiva. 2018;23(12):4143-52. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320182312.34972016

42. Freitas AG, Lima DG, Bortolini MJS, Meneguetti DUO, Santos EFS, Macedo Junior H, et al. Comparison of the nutritional status in children aged 5 to 10 years old on the Conditional Cash Transfer Programme in the States of Acre and Rio Grande do Sul, Brazil. J Hum Growth Dev. 2017; 27(1):35-41. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.121206

43. Duarte MG, Santos SFS, Minatto G, Nobre GC, Santos JOL, Sousa TF, et al. Nutritional status of children from lower Amazonas: agreement between three classification criteria. J Hum Growth Dev. 2018;28(2):139-47. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.141627
Publicado
2019-11-05
Seção
ORIGINAL ARTICLES