Qualidade do pré-natal e condições clínicas dos neonatos expostos à sífilis

  • Déboranh de Oliveira Togneri Pastro Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde na Amazônia Ocidental – Universidade Federal do Acre (UFAC) /Secretaria de Estado de Saúde do Acre (SESACRE), Governo do Estado do Acre
  • Bruna Pereira Farias Curso de Graduação em Medicina – Universidade Federal do Acre (UFAC)
  • Otávio Augusto Gurgel Garcia Curso de Graduação em Medicina – Universidade Federal do Acre (UFAC)
  • Bianca da Silva Gambichler Curso de Graduação em Medicina – Universidade Federal do Acre (UFAC)
  • Dionatas Ulises de Oliveira Meneguetti Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde na Amazônia Ocidental – Universidade Federal do Acre (UFAC)
  • Rita do Socorro Uchôa da Silva Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde na Amazônia Ocidental – Universidade Federal do Acre (UFAC) /Secretaria de Estado de Saúde do Acre (SESACRE), Governo do Estado do Acre
Palavras-chave: pré-natal, neonato, sífilis na gestação, sífilis congênita

Resumo

Introdução: A sífilis é uma doença sexualmente transmissível causada pelo Treponema pallidum, e resulta em morbidade e mortalidade consideráveis. A sífilis congênita pode cursar com aborto, prematuridade, deformidades ósseas, perda auditiva e outas alterações clínicas importantes. Objetivo: Analisar a qualidade do pré-natal e as condições clínicas dos neonatos expostos à sífilis em uma maternidade pública de Rio Branco - Acre. Método: Trata-se de estudo transversal e que incluiu 92 puérperas com diagnóstico de sífilis na gestação, atendidas no período de julho a dezembro de 2017. Duas gestantes tiveram óbito fetal, sendo que a amostra final foi constituída de 90 recém-nascidos expostos à sífilis. Utilizou-se de entrevista com a puérpera, análise do cartão da gestante e busca de informações junto aos prontuários da gestante e recém- nascidos. Considerou-se caso confirmado de sífilis em gestante: a) Toda grávida que apresentou teste não treponêmico reagente com qualquer titulação e teste treponêmico reagente realizados durante o pré-natal; b) Gestante com teste treponêmico reagente e teste não treponêmico não reagente ou não realizado, sem registro de tratamento prévio. Para caracterização da sífilis congênita considerou-se: a) recém-nascido cuja mãe não foi diagnosticada com sífilis durante a gestação e que, apresentou teste não treponêmico reagente com qualquer titulação no momento do parto; b) criança cuja mãe não foi diagnosticada com sífilis durante a gestação e apresentou teste não treponêmico reagente no momento do parto; c) recém-nascidos cuja mãe apresentou teste treponêmico reagente e teste não treponêmico não reagente no momento do parto, sem registro de tratamento prévio. Resultados: A maioria dos recém-nascidos nasceu de parto normal (65.5%), sendo que 17,8% apresentaram sofrimento fetal agudo e 11,2% necessitaram de manobras de reanimação. A prematuridade ocorreu em 10% dos nascimentos e 12,2% deles eram pequenos para idade gestacional. O pré-natal completo foi realizado por 29,5% das puérperas, seguindo as recomendações do Ministério da Saúde de sete visitas à Unidade de Saúde e ou Profissional de Saúde. Das 90 gestantes, 79 apresentaram teste treponêmico reagente quando admitidas na maternidade, sendo que 29,3% delas realizaram o tratamento de forma adequada. Na análise acerca do tratamento do parceiro sexual, relatou-se que 58% não aderiram ao tratamento da sífilis. Conclusão: A qualidade do pré-natal das gestantes com sífilis foi inferior ao recomendado pelo Ministério da Saúde do Brasil, embora haja poucos casos de sífilis como desfecho primário nos recémnascidos oriundos de parto com mães diagnosticas com sífilis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Dobson SR, Kaplan SL, Weisman LE. Congenital syphilis: Clinical features and diagnosis. Up to date, 2017.

2. Brasil. Ministério da Saúde. Sífilis: 2016. Bol Epidemiol. 2016;47(35):3-29.

3. Romanelli RMC, Carellos EVM, Campos FA, Pinto ASP, Marques BA, Anchieta LM, et al. The approach to neonatal congenital infections - toxoplasmosis and syphilis. Rev Med Minas Gerais. 2014;24(2):202-15. DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20140053

4. Brasil. Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

5. Zangirolami-Raimundo J, Echeimberg JO, Leone C. Research methodology topics: Cross-sectional studies. J Hum Growth Dev. 2018;28(3):356-60. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.152198

6. Brasil. Ministério da Saúde. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec). Diretrizes de atenção à gestante: a operação cesariana. Brasília: Conitec, 2015.

7. Li F, Wu T, Lei X, Zhang H, Mao M, Zhang J. The Apgar Score and Infant Mortality. PLoS One. 2013;29;8(7):e69072. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0069072

8. Magalhães M, Basto L, Areia A, Franco S, Malheiro M, Afonso M, et al. Syphilis in Pregnancy and Congenital Syphilis: Reality in a Portuguese Central University Hospital. Rev Bras Ginecol Obstetr. 2017;39(6):265-72. DOI: http://dx.doi.org/10.1055/s-0037-1603646

9. Heston S, Arnold S. Syphilis in children. Infect Dis Clin North Am. 2018;32(1):65-74. DOI: https://doi.org/10.1016/j.idc.2017.11.007

10. Nascimento MI, Cunha ADA, Guimarães EV, Alvarez FS, Oliveira SRDSM, Villas Bôas EL. Pregnancies complicated by maternal syphilis and fetal death. Rev Bras Ginecol Obstetr. 2012;34(2):56-62. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032012000200003

11. Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Theme Filha MM, Costa JV, et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cad Saude Publica. 2014;30(suppl 1):S85-100. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00126013

12. Lima MG, Santos RFR, Barbosa GJA, Ribeiro GS. Incidência e fatores de risco para sífilis congênita em Belo Horizonte, Minas Gerais, 2001-2008. Cienc Saude Coletiva. 2013;18(2):499-506. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000200021

13. Cerqueira LRP, Monteiro DLM, Taquette SR, Rodrigues NCP, Trajano AJB, Souza FM, et al. The magnitude of syphilis: from prevalence to vertical transmission. Rev Inst Med Trop Sao Paulo. 2017;21;59:e78. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s1678-9946201759078

14. Muricy CL, Pinto VL. Congenital and maternal syphilis in the capital of Brazil. Rev Soc Bras Med Trop. 2015;48(2):216-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0037-8682-0168-2014

15. Magalhães DMS, Kawaguchi IAL, Dias A, Calderon IMP. Sífilis materna e congênita: ainda um desafio. Cad Saude Publica. 2013;29(6):1109-20. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000600008

16. Nonato SM, Melo APS, Guimarães MDC. Sífilis na gestação e fatores associados à sífilis congênita em Belo Horizonte-MG, 2010-2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(4):681-94. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000400010

17. Qin JB, Feng TJ, Yang TB, Hong FC, Lan LN, Zhang CL, et al. Risk factors for congenital syphilis and adverse pregnancy outcomes in offspring of women with syphilis in Shenzhen, China: A prospective nested case-control study. Sex Transm Dis. 2014;41(1):13-23. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/OLQ.0000000000000062

18. Hebmuller MG, Fiori HH, Lago EG. Gestações subsequentes em mulheres que tiveram sífilis na gestação. Cienc Saude Coletiva. 2015;20(9):2867-78. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015209.20332014

19. Domingues RMSM, Szwarcwald CL, Junior PRBS, Leal MC. Prevalence of syphilis in pregnancy and prenatal syphilis testing in Brazil: Birth in Brazil study. Rev Saude Publica. 2014;48(5):766-74. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005114

20. Brasil. Ministério da Saúde. Atenção à saúde do recémnascido: guia para os profissionais de saúde. Intervenções comuns, icterícia e infecções. Vol. 2. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

21. Saraceni V, Fernando G, Pereira M, Freitas M, Alix M, Araujo L, et al. Vigilância epidemiológica da transmissão vertical da sífilis : dados de seis unidades federativas no Brasil. Rev Panam Saúde Pública. 2017;41(1):1-11. DOI: http://dx.doi.org/10.26633/RPSP.2017.44

22. Katanami Y, Hashimoto T, Takaya S, Yamamoto K, Kutsuna S, Takeshita N, et al. Amoxicillin and ceftriaxone as treatment alternatives to penicillin for maternal syphilis. Emerg Infect Dis. 2017;23(5):827- 9. DOI: http://dx.doi.org/10.3201/eid2305.161936

23. Nurse-Findlay S, Taylor MM, Savage M, Mello MB, Saliyou S, Lavayen M, et al. Shortages of benzathine penicillin for prevention of mother-to-child transmission of syphilis: An evaluation from multi-country surveys and stakeholder interviews. PLoS Med. 2017;14(12):e1002473. http://dx.doi.org/10.1371/journal.pmed.1002473

24. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigiância em Saúde. Departamento de Vigilância. Prevenção e Controle de DST, AIDS e Hepatites Virais, Secretaria de Atenção à Saúde. Nota informativa conjunta No 68/2016. [cited 2019 Jan 28] Available from: http://www.aids.gov.br/pt-br/legislacao/nota-informativaconjunta-no-682016ddahvsvsms-e-dapessasms.

25. Workowski KA, Bolan GA. Sexually transmitted diseases treatment guidelines. MMWR Recomm Rep. 2015;64(RR-03):1-137.

26. Santos SB, Machado APA, Sampaio LA, Abreu LC, Bezerra IMP. Acquired Syphilis: construction and validation of educational technology for adolescents. J Hum Growth Dev. 2019;29(1):65-74. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.157752

27. Messetti PAS, Dallari DA. Human dignity in the light of the Constitution, human rights and bioethics. J Hum Growth Dev. 2018; 28(3):283-289. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.152176
Publicado
2019-11-05
Seção
ORIGINAL ARTICLES