Mortalidade neonatal em Luanda, Angola: o que pode ser feito para sua redução?

  • Ema Cunha Rodrigues Laboratório de Análises Clínicas da Faculdade de Medicina do ABC, Santo André, SP
  • Beatriz da Costa Aguiar Alves Laboratório de Análises Clínicas da Faculdade de Medicina do ABC, Santo André, SP
  • Glaucia Luciano da Veiga Laboratório de Análises Clínicas da Faculdade de Medicina do ABC, Santo André, SP
  • Fernando Adami Laboratório de Epidemiologia da Faculdade de Medicina do ABC, Santo André, SP
  • Juliana Spat Carlesso Laboratório de Delineamento e Escrita Científica, Centro Universitário Saúde ABC (FMABC) – Santo André (SP)
  • Francisco Winter dos Santos Figueiredo Laboratório de Epidemiologia da Faculdade de Medicina do ABC, Santo André, SP
  • Ligia Ajaime Azzalis Departamento de Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP - Diadema, Sao Paulo
  • Virginia Berlanga Campos Junqueira Departamento de Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP - Diadema, Sao Paulo
  • Alexandre Luiz Affonso Fonseca Laboratório de Análises Clínicas da Faculdade de Medicina do ABC, Santo André, SP
  • Fernando Luiz Affonso Fonseca Laboratório de Análises Clínicas da Faculdade de Medicina do ABC, Santo André, SP/ Departamento de Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP - Diadema, São Paulo
Palavras-chave: mortalidade neonatal, baixo peso de neonato, idade materna

Resumo

Introdução: Um dos principais indicadores de saúde é a taxa de mortalidade infantil, que é uma métrica de condições de vida e desenvolvimento populacional. A redução da mortalidade neonatal requer um conhecimento adequado dos fatores reais em cada nível de atenção à saúde, de modo que os recursos maternos e humanos sejam eficientemente avaliados. Os países que deram atenção especial à melhoria dos serviços de saúde para todo o ciclo gravídico-puerperal atingiram a redução da mortalidade infantil, especialmente a mortalidade neonatal precoce. Objetivo: O presente estudo tem como objetivo descrever o perfil e analisar os fatores de risco associados à mortalidade neonatal em uma maternidade pública de nível terciário localizada em Luanda, Angola. Método: Trata-se de um estudo retrospectivo de corte transversal com abordagem quantitativa, utilizando dados secundários de base provincial em instrumentos de registro hospitalar e ministerial de janeiro a dezembro de 2012. Resultados: Os resultados mostram que os óbitos neonatais não são meras ocorrências, pois indicam falhas dos poderes políticos, de profissionais do sistema de saúde e das famílias. Conslusão: Este estudo sugere que o maior fator de risco para mortalidade ao nascimento em Luanda é o tipo de parto (c-section) e que este dado não está relacionado com a idade da mãe ou com o nascimento prematuro. Identificamos também que houve maior mortalidade entre os meses de maio a julho, durante o período de menor índice de chuvas na região. No entanto, são necessários mais estudos que possam fornecer um quadro lógico e argumentos para políticas realistas para mitigar a mortalidade neonatal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. United Nations Children’s Fund (UNICEF). World Health Organization (WHO). Levels & Trends in Child Mortali ty. Estimates Developed by the UN Inter-agency Group for Child Mortality Estimation. [cited 2017 Feb 21]. Avaliable from: https://www.unicef.org/publications/files/Child_Mortality_Report_2015_Web_9_Sept_15.pdf

2. Soares ES, Menezes GMS. Fatores associados à mortalidade neonatal precoce: análise de situação no nível local. Epidemiol Serv Saúde. 2010;19(1):51-60. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742010000100007

3. Guerrera G. Neonatal and pediatric healthcare worldwide: A report from UNICEF. Clin Chim Acta. 2015; 451(Pt A):4-8. DOI: http://doi.org/10.1016/j.cca.2015.03.004

4. United Nations Children’s Fund (UNICEF). Situação Mundial da Infância 2008: sobrevivência infantil. [cited 2017 May 04]. Available from: http://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/unicef_sowc/sit_mund_inf_
2008_sobrevivencia.pdf.

5. World Health Organization (WHO). Infant mortality: Situation and trends. [cited 2017 March 31]. Available from: http://www.who.int/gho/child_health/mortality/neonatal_infant_text/en/.

6. United Nations Children’s Fund (UNICEF). Committing to child survival: a promise renewed. Progress report, 2014. [cited 2014 Aug 25]. Available from: http://passthrough.fw-notify.net/download/561427/http://files.unic ef.org/publications/files/APR_2014_web_15Sept14.pdf.

7. Schoeps D, Almeida MF, Alencar GP, França Jr I, Novaes HMD, Siqueira AAF, et al. Fatores de risco para mortalidade neonatal precoce. Rev Saúde Pública. 2007;41(6):1013-22. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102007000600017

8. Bernabé JV, Soriano T, Albaladejo R, Juarranz M, Calle ME, Mart??nez D, et al. Risk factors for low birth weight: a review. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol. 2004;116(1):3-15. DOI: http://doi.org/10.1016/j.ejogrb.2004.03.007

9. Instituto Nacuional de Estatística (INE): Resultados definitivos do recenseamento geral da população e da habitação de Angola. Censo 2014. [cited 2017 Feb 21]. Available from: http://www.info-angola.com/index.php?option=com_content&view=article&id=4654: resultados-definitivos-do-censo-2014&catid=736&Itemid=1816.

10. Instituto Nacional de Estatística (INE). Ministério da Saúde (MINSA). Ministério do Planeamento e do Desenvolvimento Territorial (MINPLAN) e ICF International. Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde em Angola 2015-2016. [cited 2017 Feb 21]. Available from: https://dhsprogram.com/pubs/pdf/PR76/PR76.pdf.

11. Zangirolami-Raimundo J, Echeimberg JO, Leone C. Research methodology topics: Cross-sectional studies. J Hum Growth Dev. 2018; 28(3):356-60. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.152198

12. Fottrell E, Osrin D, Alcock G, Azad K, Bapat U, Beard J, et al. Cause-specific neonatal mortality: analysis of 3772 neonatal deaths in Nepal, Bangladesh, Malawi and India. Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed. 2015;100:F439-447. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/archdischild-2014-307636

13. Ribeiro AM, Guimarães MJ, Lima MC, Sarinho SW, Coutinho SB. Risk factors for neonatal mortality among children with low birth weight. Rev Saúde Pública. 2009;43(2):246-55. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009005000004

14. Abuqamar M, Coomans D, Louckx F. The impact of parental education on infant mortality in Gaza strip, Palestine. J Public Health Epidemiol. 2011;3(1):28-33.

15. Ribeiro FD, Ferrari RAP, Sant’Anna FL, Dalmas JC, Girotto E. Extremos de idade materna e mortalidade infantil: análise entre 2000 e 2009. Rev Paul Pediatr. 2014;32(4):381-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822014000400015

16. Althabe F, Sosa C, Beliza´N JM, Gibbons L, Jacquerio ZF, Bergel E. Cesarean Section Rates and Maternal and Neonatal Mortality in Low-, Medium-, and High-Income Countries : an ecological study. Birth. 2006;33(4):270-7. DOI: http://doi.org/10.1111/j.1523-536X.2006.00118.x

17. Lansky S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt SDA, Carvalho ML, et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad Saúde Pública. 2014;30(Supl 1):S192-207. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00133213

18. Li F, Wu T, Lei X, Zhang H, Mao M, Zhang J. The apgar score and infant mortality. PloS One. 2013;8(7):e69072. DOI: http://doi.org/10.1371/journal.pone.0069072

19. Andrade KFS, Bringel AL, Frois JC, Pereira MA, Cruz SS, Oliveira TT. Mortalidade infantil no município de Feira de Santana, Bahia. Sanare. 2015;14(Supl 1):153.

20. Ceccon RF, Bueno ALM, Hesler LZ, Kirsten KS, Portes VM , Viecili PRV. Mortalidade infantil e Saúde da Família nas unidades da Federação brasileira, 1998-2008. Cad Saúde Coletiva. 2014;22(2):177-83. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201400020011

21. Jobim R, Aerts D. Mortalidade infantil evitável e factores associados em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, 2000-2003. Cad Saúde Colet. 2008;24(1):179-87. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100018

22. Nobre LC, Victora CG, Barros FC, Lombardi C, Teixeira AMB, Fuchs SC. Avaliação da qualidade da informação sobre a causa básica de óbitos infantis no Rio Grande do Sul (Brasil). Rev Saúde Pública. 1989;23(3):207-13. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101989000300005
Publicado
2019-11-05
Seção
ORIGINAL ARTICLES