A Base Nacional Comum Curricular e seus impactos na formação continuada de professores da Educação Básica

  • Adrinelly Lemes Nogueira Programa de Pós-Graduação em Educação, da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia https://orcid.org/0000-0002-0311-0737
  • Maria Célia Borges Programa de Pós-Graduação em Educação, da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia http://orcid.org/0000-0002-5445-023X
Palavras-chave: BNCC, Formação continuada, Educação Básica

Resumo

A formação continuada é de suma importância para o desenvolvimento profissional e pessoal dos educadores. Tal formação passou a ser sustentada pelos princípios da BNCC, promulgada em 22 de dezembro de 2017, pela Resolução CNE/CP nº2. Mas, diante da normalização da BNCC que padroniza as dinâmicas curriculares, como a formação continuada tem assumido seu papel? Neste texto objetiva-se refletir sobre os impactos da BNCC sobre a formação continuada de professores da Educação Básica. Metodologicamente realizou-se uma pesquisa bibliográfica, fundamentada na abordagem crítico-dialética por considerar a realidade e a totalidade concreta de forma crítica-reflexiva. Os resultados evidenciaram que a BNCC poderá trazer consequências ainda mais danosas para a formação continuada de professores. Conjectura-se que os professores têm deixado de serem os protagonistas de sua formação e atuação, e a BNCC veio reafirmar esse pressuposto neoliberal que tem sido propagado na sociedade.

Recebido em: 14/03/2020.
Aprovado em: 08/05/2020.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adrinelly Lemes Nogueira, Programa de Pós-Graduação em Educação, da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia

Doutoranda em Educação (UFU); professora na Rede Municipal de Educação de Uberaba.

Maria Célia Borges, Programa de Pós-Graduação em Educação, da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia

Graduação em Pedagogia na Faculdades Integradas de Uberaba. Especialização (lato sensu) em Metodologia do Ensino Superior, Psicopedagogia e Fundamentos da Educação. Mestrado em Educação pela UFU. Doutorado pela PUCSP no Programa de Educação/Currículo. Pós-doutorado em Educação pela FEUSP, no programa do Dpto. Filosofia da Educação e Ciências da Educação. Atualmente é Professora ASSOCIADA na Universidade Federal de Uberlândia, FACED, em Uberlândia-MG. Foi professora adjunto da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) em Uberaba-MG, por mais de 5 anos. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Políticas de Formação de professores,Ensino Superior e Didática. Pesquisa e publica sobre os seguintes temas: Formação de Professores, Políticas Educacionais, Gestão Democrática; Educação Superior; Qualidade de Ensino e Inclusão Educacional e Social. Leciona nos cursos de graduação, pós-graduação e extensão. Foi coordenadora Institucional do PIBID/UFTM de 2009 a 2013. Coordenação Pibid Gestão UFU/Pontal de 2016 a 2018. Participa em congressos com apresentação de trabalhos em várias regiões do País. Desenvolve pesquisa com projetos aprovados e financiados pela FAPEMIG e CNPQ. Docente Permanente no Programa de Pós graduação Mestrado em Educação da Universidade de Uberlândia (UFU) linha Estado, Políticas e Gestão em Educação. Docente colaboradora no Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado em Educação) na Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM),Linha Formação de professores e cultura digital. Integante do GPEFORM / Grupo de Pesquisas e Estudos sobre Formação de Professores e GEPPOPE / Grupo de Estudos e Pesquisas em Política, Formação Docente e Práticas Educativas . 

Referências

AMARAL, Nelson Cardoso. Com a PEC 241/55 (EC 95) haverá prioridade para cumprir as metas do PNE (2014-2024)? Revista Brasileira de Educação, v. 22 n. 71, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v22n71/1809-449X-rbedu-s1413-24782017227145.pdf. Acesso em: 31 jan. 2019.

ANADON, Simone Barreto; GONÇALVES, Suzane da Rocha Vieira. "Uma ponte para o Futuro": (des)continuidades nas políticas de formação de professores. Momento: diálogos em educação, E-ISSN 2316-3100, v. 27, n. 2, p. 35-57, mai./ago, 2018. Disponível em: https://periodicos.furg.br/momento/article/view/8181. Acesso em: 28 set. 2019.

ANPED. A POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO BRASIL DE 2018: uma análise dos editais capes de Residência Pedagógica e Pibid e a reafirmação da resolução CNE/CP02/2015. Documento apresentado pela ANPED em Audiência do CNE em 09 de abril de 2018. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/images/formacaoprofessores_anped_final.pdf. Acesso em: 25 jan. 2018.

BALL, Stephen J. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, vol. 15, núm. 2, 2002, pp. 3-23. Disponível em: http://josenorberto.com.br/ball.%2037415201.pdf. Acesso em: 15 jan. 2018.

BRASIL, Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 03 nov. 2019.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília, 2017. Disponível em:< http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_%20versaofinal_site.pdf . Acesso em: 20 jan. 2020ª.

BRASIL, Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação Conselho Pleno. Resolução CNE/CP Nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/RESOLUCAOCNE_CP222DEDEZEMBRODE2017.pdf. Acesso em: 20 jan. 2020.b

CARVALHO, Janete Magalhães; SILVA, Sandra Kretli da; DELBONI, Tânia Mara G. F. A Base Nacional Comum Curricular e a produção Biopolítica da Educação como formação de “Capital Humano”. Revista e-Curriculum, São Paulo, 2017. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/curriculum/article/view/27679. Acesso em: 10 jan. 2020.

CÁSSIO, Fernando L. Base Nacional Comum Curricular: ponto de saturação e retrocesso na educação. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 12, 2018. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/887/pdf. Acesso em: 05 jan. 2020.

DALBERIO, Maria Celia B. Neoliberalismo, políticas educacionais e a gestão democrática na escola pública de qualidade. São Paulo: Paulus, 2009.

DOURADO, Luiz Fernandes; OLIVEIRA, João Ferreira. A qualidade da educação: perspectivas e desafios. Cad. Cedes, Campinas vol. 29, n. 78, p. 201-215, maio/ago. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v29n78/v29n78a04.pdf. Acesso em: 17 fev. 2020.

DOURADO, Luiz Fernandes; OLIVEIRA, João Ferreira de. BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC) E OS IMPACTOS NAS POLÍTICAS DE REGULAÇÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR. In: A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Organização: Márcia Angela da S. Aguiar e Luiz Fernandes Dourado [Livro Eletrônico]. – Recife: ANPAE, 2018: Disponível em: http://www.anpae.org.br/BibliotecaVirtual/4-Publicacoes/BNCC-VERSAO-FINAL.pdf. Acesso em: 10 jan. 2020.

EVANGELISTA, Eneida Oto; LEHER, Roberto. TODOS PELA EDUCAÇÃO E O EPISÓDIO COSTIN NO MEC: a pedagogia do capital em ação na política educacional brasileira. TrabalhoNecessário, Ano 10, Nº 15/2012. Disponível em: http://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/6865. Acesso em: 21 fev. 2019.

GAMBOA, S. Projetos de pesquisa, fundamentos lógicos: a dialética entre perguntas e respostas. Chapecó: Argos (2013) 159p.

IMBERNÓN, Francisco. Formação permanente do professorado: novas tendências. Tradução de Sandra Trabucco Valenzuele, São Paulo, Cortez, 2009.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1976.

LOCATELLI, Cleomar. Política Nacional de Formação Docente: o programa de iniciação à docência no contexto brasileiro atual. Revista Eletrônica de Educação, v. 12, n. 2, p. 308-318, maio/ago. 2018. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/243. Acesso em: 18 fev. 2019.

MAGALHÃES, Solange Martins Oliveira. Formação continuada de professores: uma análise epistemológica das concepções postas no Plano Nacional da Educação (PNE 2014-2024) e na Base Nacional Comum Curricular (BNCC 2015). Revista Linhas. Florianópolis, v. 20, n. 43, p. 184-204, maio/ago. 2019. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1984723820432019184. Acesso em: 19 jan. 2020.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório publicações e trabalhos científicos. 7. ed. – 6. reimpr. São Paulo: Atlas: 2011. Disponível em: https://docente.ifrn.edu.br/olivianeta/disciplinas/copy_of_historiai/historia-ii/china-e-india. Acesso em: 22 nov. 2019

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. POLÍTICAS CURRICULARES NO CONTEXTO DO GOLPE DE 2016: DEBATES ATUAIS, EMBATES E RESISTÊNCIAS. In: A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Organização: Márcia Angela da S. Aguiar e Luiz Fernandes Dourado [Livro Eletrônico]. – Recife: ANPAE, 2018: Disponível em: http://www.anpae.org.br/BibliotecaVirtual/4-Publicacoes/BNCC-VERSAO-FINAL.pdf. Acesso em: 10 jan. 2020.

SAVIANI, Dermeval. Educação Escolar, currículo e sociedade: o problema da Base Nacional Comum Curricular. Revista Movimento, Rio de Janeiro, ano 3, n.4, 2016. Disponível em: http://periodicos.uff.br/revistamovimento/article/view/32575. Acesso em: 11 jan. 2020.
Publicado
2020-07-03
Seção
Artigos