Educação Física na BNCC: uma análise da proposta preliminar do documento curricular do Estado do Rio de Janeiro

Palavras-chave: Base Nacional Comum Curricular, Documento Curricular do Estado do Rio de Janeiro, Conselho Estadual de Esducação

Resumo

Este artigo socializa as discussões realizadas e as propostas encaminhadas por um grupo de três professores/pesquisadores, convidados pelo Conselho Estadual de Educação do Estado do Rio de Janeiro, para analisar o componente curricular Educação Física da Proposta Preliminar do Documento Curricular do Estado do Rio de Janeiro. Nele, apresentamos uma análise crítica no sentido de contribuir com o debate acerca da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), com a intenção de ampliar os olhares sobre um documento que poderá ser tomado como eixo orientador de propostas curriculares para a Educação Infantil e Ensino Fundamental das redes públicas e privadas de educação do Rio de Janeiro. A organização curricular da proposta fluminense, que segue a BNCC, coaduna com a atual conjuntura, o que nos impulsiona a manifestação por meio deste artigo, no sentido de registrar uma posição de insatisfação com o documento, do ponto de vista organizacional e propositivo. A raiz dessa reflexão surge no desejo de não conciliar com as restrições que o documento traz à tona, destacando os efeitos que ele pode causar, principalmente no momento histórico atual, marcado por profundas ameaças à democracia brasileira.

Recebido em: 05/03/2020.
Aprovado em: 27/05/2020.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Moreira da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Educação na linha de Trabalho-Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ; professora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) junto ao Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira (CAP-UERJ).

Marcelo Paraíso Alves, Instituto Federal do Rio de Janeiro

Professor do Instituto Federal do Rio de Janeiro, campus Volta Redonda. Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Nádia Maria Pereira de Souza, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Professora Titular da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – Instituto de Educação. Doutora em Ciências Sociais pelo CPDA/UFRRJ.

Referências

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.
ALVES, Giovanni. Dimensões da precarização do trabalho: ensaios de sociologia do trabalho. Bauru: canal 6, 2013.
BENJAMIN, W. O Narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In Magia e técnica, arte e política,1994.
BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica. CNEB, 2013.
CAPARROZ, Francisco Eduardo; RODRIGUEZ, Maria Graciela. Parâmetros Curriculares Nacionais e Conteúdos Básicos Comuns. In BRACHT, Valter; CRISORIO, Ricardo (coords.). A Educação física no Brasil e na Argentina: identidade, desafios e perspectivas. Campinas, SP: Autores Associados; Rio de Janeiro: PROSUL, 2003.
DOC-RJ. Documento Curricular do Estado do Rio de Janeiro. Proposta preliminar,2018.
FRIGOTTO, Gaudêncio. Os delírios da razão: crise do capital e metamorfose conceitual no campo educacional. In GENTILI, Pablo. Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. 5 ed. Petrópolis: Vozes, 2003.
FOERSTER, Heinz von. Visão e conhecimento: disfunções de segunda ordem. In SCHNITMAN, Dora Fried (Org.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, p. 59-74, 1996.
FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 8 ed. Campinas: Loyola, 2002.
FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educ. soc., Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr.-jun. 2012.
FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva: um (re) exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. São Paulo: Cortez, 2010.
LARROSA, Jorge. Linguagem e educação depois de Babel. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.
NEIRA, Marcos Garcia. Incoerências e inconsistências da BNCC de Educação Física. RevBrasCiênc Esporte,40 (3), 2018.
OCDE. Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Competências para o progresso social: o poder das competências socioemocionais. São Paulo: Fundação Santillana, 2015.
SACRISTÁN, José Gimeno. Dez teses sobre a aparente utilidade das competências em educação. In Educar por Competências: O que há de novo, 2011.
SCHULTZ, Theodore. O valor econômico da educação. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1967.
SENNETT, Richard. O Artífice. 2ª Edição. Rio de Janeiro: Editora Record, 2009.
Publicado
2020-07-03
Seção
Artigos