O Ensino-aprendizagem de Língua Inglesa, o brincar e as relações com a BASE Nacional Comum Curricular

Palavras-chave: Língua inglesa, Brincar, BNCC

Resumo

Este estudo objetiva compreender como o brincar pode orientar o desenvolvimento do ensino-aprendizagem de língua inglesa e promover o interesse dos alunos por essa disciplina. Para tal, parte-se das propostas de ensino-aprendizagem de língua inglesa elaboradas por alunos-professores. A pesquisa fundamenta-se no brincar em perspectiva sócio-histórica-cultural (VYGOTSKY, 1930) e na relação do brincar nas aulas de inglês com a Base Nacional Comum Curricular - BNCC - (BRASIL, 2017). A análise é desenvolvida a partir de dois excertos advindos dos relatórios dos alunos-professores ao descreverem o brincar em suas propostas de ensino-aprendizagem de língua inglesa. Os excertos são discutidos a partir de categorias argumentativas que centralizam os aspectos enunciativo-discursivo-linguísticos (LIBERALI, 2013) e interpretados mediante o aporte teórico apresentado neste trabalho. A partir das análises, compreende-se a importância do brincar tanto para o desenvolvimento dos alunos nas aulas de inglês como na possibilidade de desenvolver o interesse por essa disciplina pois, a partir do brincar, é possível experimentar situações, imaginar e planejar o que também colabora para a criação de Zonas de Desenvolvimento Proximal (ZPDs) em um processo entre ser e tornar-se.

Recebido em: 24/02/2020.
Aprovado em: 22/05/2020.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Oliveira Delboni, Universidade de Sorocaba

Aluna do curso de graduação em Letras (Universidade de Sorocaba); bolsista de Iniciação Científica (Cnpq).

Daniela Aparecida Vendramini-Zanella, Universidade de Sorocaba

Doutora em Linguística (PUC/SP); professora na Universidade de Sorocaba.

Referências

BARCELOS, A. M. F. Lugares (im)possíveis de se aprender inglês no Brasil: crenças sobre aprendizagem de inglês em uma narrativa. In: LIMA, D. C. (org.) Inglês em escola pública não funciona: uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parábola Editoral, 2011. pp.147- 159.
BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. 2017.
CELANI, M. A. A. Perguntas ainda sem resposta na formação de professores de línguas. In: Telma, G. & Monteiro, M. C.(Orgs.). Formação de Professores de Línguas na América Latina e Transformação Social. Coleção Novas Perspectivas em Linguística Aplicada. Campinas: Pontes, 2010, v. 4, p.57-67.
ENGESTRÖM, Y. Activity Theory and individual and social transformation. In: _____; MIETTINEN, R.; PUNAMÄKI, R.-L. (Ed). Perspective on Activity Theory. Cambridge: Cambridge University Press, 1999. p. 19-38.
HOLZMAN, L. Vygotsky at work and play. New York: Routledge. 2009.
LEFFA, V. Ilusão, aquisição ou participação. In: LIMA, D. C. (org.) Inglês em escola pública não funciona: uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parabola Editoral, 2011. pp. 15-32.
LEONTIEV, A. N. Activity, consciousness and personality. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1977.
LIBERALI, F. Atividade social como base para o ensino de língua estrangeira. In: CANO, M. R. de O. (Coord.); LIBERALI, F. C. (Org.). A reflexão e a prática no ensino: Inglês. São Paulo: Blucher, 2011, v. 2, p. 21-35.
______. Atividade social nas aulas de língua estrangeira. São Paulo: Moderna, v. 1, 2009.
MAGALHÃES, M. C. C. O método para Vygotsky: a zona proximal de desenvolvimento como zona de colaboração e criticidade criativas. In: SCHETTINI, R. H. et. al..; (orgs.) Vygotsky: uma revisita no início do século XXI. São Paulo: Andross. 2009, p. 53-78.
MALTA, S. Aprender brincando em língua estrangeira: uma perspectiva dos multiletramentos na educação infantil. 2015. 224 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.
MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã, Teses sobre Feuerbach. São Paulo: Centauro,1845-46/ 2006.
NEWMAN, F.; HOLZMAN, L. Lev Vygotsky: cientista revolucionário. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Edições Loyola, 1993/ 2002.
PAES, P. C. D. Vigotski e os fundamentos de uma psicologia Marxista. In: IV Colóquio Marx e Engels, 2005, Campinas. Colóquio Marx e Engels: Marxismo e educação. Campinas: UNICAMP, 2005. v. IV.
PAIVA, V. L. M. de O. e. Narrativa 14: Permanências e rupturas no ensino de inglês em contexto brasileiro. In: LIMA, D. C. (org.) Inglês em escolar pública não funciona: uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parábola Editoral, 2011. pp. 33-46.
PEREIRA, C. C. Sentidos atribuídos ao brincar em um processo de ensino-aprendizagem de língua inglesa. 2018. 106 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO (SEE). Currículo do Estado de São Paulo: Linguagens, códigos e suas tecnologias. 2. ed. – São Paulo: SE, 2011. 260 p.
SIQUEIRA, S. Diálogo com um professor de língua inglesa sobre a carreira docente e a escola pública. In: LIMA, D. C. (org.) Inglês em escolar pública não funciona: uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parábola Editoral, 2011. pp.93-110.
VAN OERS, B. Is it play? Towards a reconceptualisation of role play from an activity theory perspective. European Early Childhood Education Research Journal, 21:2, pp. 185-198, 2013.
VENDRAMINI-ZANELLA. D. A. Por uma formação crítico-criativa de alunas-professoras e professora-pesquisadora na graduação em Letras. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2013.
____ e ARAÚJO, T.C. O organizador curricular por meio de atividade social: reflexões sobre o Pibid Língua Inglesa. Crítica Educativa (Sorocaba/SP), v. 3, n. 2 - Especial, p. 561-572, jan./jun. 2017.
____ e FUGA, V. P. “Eu queria saber o que perguntar para fermentar”: um estudo sobre a produção crítico- criativa de significados na integração e desencapsulação de currículo na formação docente. In: PHILLIPOV, R. SCHETTINI, R. SILVA, K. A. Integrando e desencapsulando currículos de ensino superior. Campinas, SP: Pontes Editora. 2015, p. 97- 122.
____ e LIBERALI, F. C. Brincar no hospital: uma produção criativa na formação de alunos-educadores. In: Linguagem & Ensino, Pelotas, Vol. 1, No. 14, 11. jan./jul. 2011.
VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. Crenças, pressupostos e conhecimentos de alunos-professores de língua estrangeira e sua formação inicial. In: VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. (org.) Práticas de ensino de língua estrangeira: experiências e reflexões. Campinas: Pontes Editores, 2004, p.131 -152.
VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1934/ 2001.
________. Imaginação e Criação na Infância. Ana Luiza Smolka comenta. Tradução Zoia Prestes. São Paulo: Editora Ática, 1930/ 2009.
WAJSKOP, G. Brincar na pré-escola. São Paulo: Cortez, 1995.
Publicado
2020-07-03
Seção
Artigos