AS MULHERES E O DIREITO À CIDADE

GÊNERO E ESPAÇO PÚBLICO NA CIDADE CONTEMPORÂNEA

  • Ana Paula Cabral SADER Centro Universitário Toledo
  • Márcio Fernando GOMES Centro Universitário Toledo
  • Jamilly Nicácio NICOLETE FUNEPE
Palavras-chave: Direito à cidade, Mulheres e espaços públicos, Práticas socioespaciais

Resumo

O presente texto tem como objetivo discutir a ocupação da cidade enquanto direito humano, associado aos ideais de liberdade e igualdade. A partir de uma revisão bibliográfica e da análise de notícias atuais, percebemos os espaços públicos como pouco democráticos, especialmente para as mulheres. Pensando a cidade como um espaço dinâmico, é urgente que se repense a necessidade da universalização dos direitos de ocupação de cada espaço, sem discriminação, o que nos levaria a acreditar, de forma mais efetiva, em uma maior possibilidade de alcançarmos também igualdade de oportunidades. O que percebemos, lamentavelmente, é que a movimentação das mulheres nas cidades é bem menos linear. Repensar o pensamento dominante e o direito à cidade rumo à igualdade e diversidade, considerando também a própria acessibilidade à cidade e seus diferentes espaços é parte salutar das reflexões que apresentamos.

Recebido em: 18/06/2019.
Aprovado em: 25/08/2019.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Cabral SADER, Centro Universitário Toledo

Docente e Coordenadora do Curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Toledo, Araçatuba/SP, Brasil.

Márcio Fernando GOMES, Centro Universitário Toledo

Docente do Curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Toledo, Araçatuba/SP, Brasil.

Jamilly Nicácio NICOLETE, FUNEPE

Docente e Coordenadora do Curso de Pedagogia da Fundação Educacional de Penápolis/ FUNEPE, Penápolis/SP, Brasil.

Referências

BAUMAN, Z. A busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo. Os fatos e os mitos. 4ªed. V.1. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

CARLOS, A. F. A. A cidade. São Paulo: Contexto, 2001.

______. A. Espaço-tempo na metrópole: fragmentação da vida cotidiana. São Paulo: Contexto, 2001.

______. A prática espacial urbana como segregação e o “direito à cidade” como horizonte utópico. In: VASCONCELOS, P.; CORRÊA, R.; PINTAUDI, S. (org.). A Cidade Contemporânea: segregação espacial. São Paulo: Contexto, 2013.

CORREA, R. L. O espaço urbano. São Paulo: Ática, 1994.

Fernandes, F. L. Os discursos sobre as favelas e os limites ao direito a cidade. Cidades. São Paulo, v. 2, n. 3, p. 37-62, jan./jun. 2005.

FRASER, N. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era “pós-socialista. Cadernos de Campo. São Paulo, v. 15, n. 14/15, p. 231-239, 2006.

Gärtner, A. Desenho do espaço público como ferramenta para a prevenção da violência. Revista Brasileira de Segurança Pública. v. 2, n. 1, p. 56-69, jul./ago. 2008.

GOMES, P. C. da C. A condição urbana: ensaios de geopolítica da cidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

INDOVINA, F. O Espaço Público: Tópicos sobre a sua Mudança. Cidades – Comunidades e Territórios, Lisboa (Portugal), n. 5, p. 119-123, dez. 2002.

JACOBS, J. Morte e Vida de Grandes Cidades. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

KERGOAT, D. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Novos Estudos Cebrap. n. 86: p. 93-103, mar. 2010. [Em francês, “Dynamique et consubstantialité des rapports sociaux”. In: Dorlin, E. (org.). Sexe, race, classe: pour une épistémologie de la domination. Paris, puf, Actuel Marx Confrontations, p 111-125, 2009.

LAVALLE, A. G. As dimensões constitutivas do espaço público: uma abordagem pré-teórica para lidar com a teoria. In: Espaço público: o conceito e o político. Espaço e Debates. Revista de estudos regionais e urbanos. São Paulo. v. 25, n. 46, p. 33 – 44, jan./jul. 2005.

LEFEBVRE, H. A revolução urbana. Tradução de Sergio Martins. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

______. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

LOBODA, C. R. Espaço público e práticas socioespaciais: uma articulação necessária para análise dos diferentes usos da cidade. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, v. 1, n. 31, 2009.

MONTANER, J. M.; MUXI, Z. Arquitetura e política: ensaios para mundos alternativos. São Paulo: Gustavo Gili, 2014.

OURIQUES, H. R. O urbano como libertação – uma leitura sobre Lefebvre. Revista Formação – Edição Especial. Presidente Prudente, v. 2, n. 13, p. 73-78, 2001.

ROLNIK, R. O que é cidade. São Paulo: Brasiliense, 1988.

SAFFIOTI, H. I.B. Gênero e Patriarcado. In: CASTILLO-MARTÍN, Márcia; OLIVEIRA, Sueli de. Marcadas a Ferro. Violência contra a Mulher. Uma Visão Multidisciplinar. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005. pp. 35-76.

SERPA, A. Espaço público e acessibilidade: notas para uma abordagem geográfica. São Paulo: GEOUSP - Espaço e Tempo, nº 15, p. 21 – 37, 2004.

______. O espaço público na cidade contemporânea. São Paulo: Contexto, 2013.

SPOSITO, M. E. B. Segregação socioespacial e centralidade urbana. In: VASCONCELOS, Pedro; CORRÊA, Roberto; PINTAUDI, Silvana (org.). A Cidade Contemporânea: segregação espacial. São Paulo: Contexto, 2013.

SOBARZO, O. Espaços da sociabilidade segmentada: a produção do espaço público em Presidente Prudente. 2004. 221f. Tese (Doutorado em Geografia) - Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2004.

SOUZA, M. L. de. O desafio metropolitano. Um estudo dobre a problemática sócio-espacial nas metrópoles brasileiras. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

Publicado
2019-10-23
Seção
Artigos