Possibilidades da formação superior indígena a distância no instituto INSIKIRAN/UFRR: a lingua indígena em foco

  • Leila Adriana Baptaglin Universidade Federal de Roraima
  • Paulo Fernando de Lucena Borges Ferreira Universidade Federal de Roraima
Palavras-chave: Formação Superior, Educação à distância, Língua Indígena

Resumo

Este estudo tem por interesse compreender a necessidade da criação de Cursos Superiores de Língua Indígena à distância no Instituto Insikiran/UFRR. Visando adentrar em discussões teóricas que possibilitem melhor compreensão deste cenário buscamos trabalhar com estudos de Baniwa (2010), Bobbio (1992), Canclini (2004), Cavalcanti e César (2007), Fernandes (2008), Freitas (2003) e Meliá (1999), Maher (2007), McLAREN (2000). Para sistematização dos dados buscamos trazer, além das proposições teóricas uma pesquisa de campo com narrativas de professores do Insikiran/UFRR nas quais foi possível identificar proposições referente a Formação Superior Multicultural em Roraima; as necessidades formativas da Educação Superior Indígena em Roraima e a Formação superior de língua indígena a distância. Proposições estas que sinalizam para a importância do trabalho do Insikiran/UFRR e para as possibilidades a serem estruturadas para a concretização de propostas de Formação Superior em Língua indígena à distância.

Recebido em: 26/04/2019.
Aceito em: 26/06/2019.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leila Adriana Baptaglin, Universidade Federal de Roraima

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM); professora na UFRR.

Paulo Fernando de Lucena Borges Ferreira, Universidade Federal de Roraima

Pedagogo, Professor de Português, Pós-graduado em Atendimento Educacional Especializado - AEE e Educação Inclusiva, Pós-graduando (em nível de Mestrado) em Letras, pela Universidade Federal de Roraima - UFRR.

Referências

ALVAREZ, R. CDI amplia parcerias em prol da inclusão digital. In: Associação Brasileira de Ações Não-Governamentais, uma rede a serviço de um mundo mais justo, solidário e sustentável. 2004. Disponível em: . Acesso em 14 de mar. de 2018.
BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
BANIWA, G. Territórios etnoeducacionais: um novo paradigma na política educacional brasileira. In: CONAE, 2010, Brasília. Anais... Brasília, DF: MEC, 2010.
BOBBIO, N. A Era dos Direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992.
BRASIL, Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília: MEC, 1998.
CANCLINI, N. G., Diferentes, desiguales y desconectados: mapas de la interculturalidad. Buenos Aires: Gedisa, 2004.
CARVALHO, F., FERNANDES, M. L., REPETTO, M. Acesso e permanência de indígenas ao ensino superior: O Programa E’ma Pia, UFRR. Boa Vista: Editora da UFRR, 2009.
CÉSAR A. L.; CAVALCANTI, M. C. Do singular para o multifacetado: o conceito de língua como caleidoscópio. In: CAVALCANTI, M. C.; BORTONI-RICARDO, S. M. (orgs.). Transculturalidade, linguagens e educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007, p. 45-66.
FERNANDES, M. L. Indígenas no ensino superior: vagas específicas na UFRR. In: REPETTO, M.; FERNANDES, M. L.; NEVES, L. (Org.). Universidade inconclusa: os desafios da desigualdade. Boa Vista: Editora UFRR, 2008.
FLEURI, R. M. Intercultura: estudos emergentes. Ijuí. Ed. Unijuí-RS, 2001.
FREITAS, D. B. A. P. Escola Makuxi: identidades em construção. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós Graduação em Linguistica Aplicada, UNICAMP, Campinas, 2003.
GOMES, N. L.; SILVA, P. B. G. Experiências étnico-culturais para formação de professores. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.
MACHADO, A. Entrevista concedida por meio de aplicativo de rede social em 02 de maio de 2018. Boa Vista, 2018.
MAFRA, C. W. Entrevista concedida por meio de aplicativo de rede social em 25 de maio de 2018. Boa Vista, 2018.
MAHER, T., M. Do casulo ao movimento: a suspensão das certezas na educação bilíngüe e intercultural. In: CAVALCANTI, M.; BORTONI-RICARDO, S. M. (Orgs.). Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007. p. 67-94.
MANZINI, E. J. Considerações sobre a entrevista para a pesquisa social em educação especial: um estudo sobre análise de dados. In: JESUS, D. M.; BAPTISTA, C. R.; VICTOR, S. L. (orgs.). Pesquisa e educação especial: mapeando produções. Vitória: UFES, 2006, p. 361-386.
McLAREN, P. Multiculturalismo revolucionário: pedagogia do dissenso para o novo milênio. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.
MELIÁ, B. Educação indígena na escola. Cadernos CEDES, Campinas, v. 19, n. 49, p. 11-17, 1999.
OLIVEIRA, G. M. Declaração Universal dos Direitos Linguísticos: novas perspectivas em políticas linguísticas. Campinas: Mercado de Letras; Associação de Leitura do Brasil; Florianópolis: IPOL, 2003.
SANTOS, S. C. Educação e sociedades tribais. Porto Alegre: Movimento, 1975.
PAREDES, J. B. B. Educação indígena e identidade. In: ASSIS, Eneida (Org.). Educação Indígena na Amazônia: experiências e perspectivas. Belém: Associação de Universidades Amazônicas; Universidade Federal do Pará, 1996.
REPETTO, M., et al. Propostas em cidadania intercultural. Boa Vista: Editora UFRR, 2008.
SILVA, T. T. Identidade e diferença. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2011.
TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 6ª Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.
TUBINO, F. Ciudadanías Complejas y Diversidad Cultural. In: N. Vigil & R. Zariquiey (org.). Ciudadanías Inconclusas. El ejercicio de los derechos sociedades asimétricas. GTZ – PUCP: Lima, 2003. p. 167-191.
WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual, in: SILVA, T. T. (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.
XAVIER, A. C.; CORTEZ, S. (orgs.). Conversas com Linguistas: virtudes e controvérsias da linguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.
Publicado
2019-09-05
Seção
Artigos