Apoio e rede social dos cuidadores de crianças com deficiências

Palavras-chave: Apoio, Rede social, Crianças com deficiências

Resumo

Este estudo objetivou conhecer o apoio e a rede social dos cuidadores de crianças com deficiência. Trata-se de um estudo transversal com abordagem qualiquantitativa, que contou com a participaram 38 cuidadores de crianças com deficiências neurológicas de um município da região do Alto Parnaíba em Minas Gerais. A coleta de dados foi feita por meio de uma entrevista semiestruturada e por meio da aplicação da escala de apoio social Medical Outcomes Study, MOS. Os resultados apontaram que as mães são as principais cuidadoras das crianças com deficiências, sendo a família e os profissionais de saúde, respectivamente, as fontes de apoio predominantes. Ademais, os resultados mostraram um alto nível de apoio afetivo e baixo nível de percepção de apoio emocional, evidenciando necessidade de relações, escuta, confiança e cuidado por parte dos cuidadores.

Recebido em: 15/03/2019.
Aprovado em: 27/01/2020.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giselia Gonçalves de Castro, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio

Fisioterapeuta. Doutora em Promoção de Saúde. Docente do Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, UNICERP Patrocínio, Minas Gerais 

Adriana Santos Camargos, Centro Universitário do Cerrado Patrocínio

Acadêmica do Centro Universitário do Cerrado Patrocínio. UNICERP. Patrocínio, Minas Gerais, Brasil.

Glória Lúcia Alves Figueiredo, Universidade de Franca

Enfermeira. Doutora em Saúde Pública. Docente do Programa de  Pós-Graduação da Universidade de Franca. UNIFRAN, Franca, São Paulo, Brasil.

Referências

ALBUQUERQUE, S. et al. Impacto familiar e ajustamento de pais de crianças com diagnóstico de anomalia congênita: influência dos determinantes da criança. Revista de Psiquiatria Clínica, São Paulo, v. 39, v. 4, p. 136-41. 2012.
ASSIS, F. A. G. et al. A família da criança com necessidades especiais de saúde: o processo de enfrentamento e adaptação. Ciência, Cuidado e Saúde, Maringá, v. 12, n. 4, p. 736-43. out-dez. 2013.
BARBIERI, M. C. et al. Support network for families of children and adolescentes with visual impairment: strengths and weaknesses. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 10, p. 3213-22. out. 2016.
BARBOSA, M. A. M.; BALIEIRO, M. M. F. G.; PETTENGILL, M. A. M. Family-centered care in the context of children with disabilities and their families: a reflective review. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 194-9, jan-mar. 2012.
BARBOSA, M. A. M. et al. Cuidado da criança com deficiência: suporte social acessado pelas mães. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 30, n. 3, p. 406-12. set. 2009.
BOLLA, B. A. et al. Cuidado da criança com anomalia congênita Cuidado da criança com anomalia congênita. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 284-90, abr-jun. 2013.
CANIELES, I. M. et al. Rede de apoio a mulher mastectomizada. Revista de Enfermagem da UFSM, Santa Maria, v. 4, n. 2, p. 450-58. abr-jun. 2014.
DEZOTI, A. P. et al. A. Apoio social a famílias de crianças com paralisia cerebral. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 28, n. 2, p. 172-76. 2015.
FERNANDES, A. C.; MONTILHA, R. C. I. The comprehensive evaluation in speech therapy for people with visual impairments: a case report. Revista CEFAC, São Paulo, v. 17, n. 4, p. 1362-69. 2015.
GOLÇALVES, T. R. et al. Avaliação de apoio social em estudos brasileiros: aspectos conceituais e instrumentos. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 1755-69. 2011.
GOMES, R. Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa, 2014.
GONDIM, K. M.; CARVALHO, Z. M. F. Sentimentos das mães de crianças com paralisia cerebral à luz da Teoria de Mishel. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 11-16. jan-mar. 2012.
GRIEP, R. H. Confiabilidade e validade de instrumentos de medida de rede social e de apoio social utilizado no Estudo Pró-Saúde. Tese (Doutorado em Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Osvaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2003.
GRIEP, R. H. et al. Validade de constructo de escala de apoio social do Medical Outcomes Study adaptada para o português no Estudo Pró-Saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 703-14. maio/jun. 2005.
GUALDA, D. S.; BORGES, L.; CIA, F. Famílias de crianças com necessidades educacionais especiais: recursos e necessidades de apoio. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 26, n. 46, p. 307-330, mai./ago. 2013.
JEGLINSKY, I.; AUTTI-RÄMÖ, I.; BROGREN, C. E. Two sides of the mirror: parents’ and service providers’ view on familycentredness os care for children with cerebral palsy. Child: Care, Health and Development, Oxford, v. 38, n. 1, p. 79-86. set. 2011.
KOLANKIEWICZ, A. C. B. et al. Social support perceived by cancer patients and its relation with social and demographic characteristics. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 35, n. 1, p. 31-38. mar. 2014.
KRAMECK, K.; NASCIMENTO, G. C. C. A orientação à família de pessoas com deficiência visual como recurso de intervenção do terapeuta ocupacional. Revista de terapia ocupacional da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 128-135. jan-abr. 2015.
MATSUKURA, T. S.; YAMASHIRO, J. A. Relacionamento intergeracional, práticas de apoio e cotidiano de Famílias de crianças com necessidades especiais. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 18, n. 4, p. 647-60. jan. 2012.
MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2014.
NICKEL, R. et al. Correlação entre a qualidade de vida de cuidadores familiares e os níveis de independência funcional dos cuidados. Revista Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 15, n. 2, p. 225-30. abr./jun. 2010.
NOBRE, M. I. R. S.; MONTILHA, R. C. I.; TEMPORINI, E. R. Mães de Crianças com Deficiência Visual: percepções, conduta e contribuição do atendimento em grupo. Revista brasileira de crescimento e desenvolvimento humano, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 46-52. 2008.
OLIVEIRA, A. K. C.; MATSUKURA, T. S. Estresse e apoio social em cuidadores de crianças com paralisia cerebral. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, São Carlos, v. 21, n. 3, p. 493-503. set./dez. 2013.
PEDRO, I. C. S.; ROCHA, S. M. M.; NASCIMENTO, L. C. Social support and social network in Family nursing: reviewing concepts. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 16, n. 2, p. 324-27. abr. 2008.
PEREIRA-FARIAS, A. R. P. et al. Análise do cuidado a partir das experiências das mães de crianças com paralisia cerebral. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 616-25. jun. 2014.
PEREIRA, S. N. L.; ALMEIDA, B. R. Reações, sentimentos e expectativas de famílias de pessoas com necessidades educacionais especiais. Psicologia Argumento, Curitiba, v. 32, n. 79, p. 111-22, Supl 2. 2014.
PERREIRA, S. N. L.; DESSEN, M. A.; BARBOSA, A. J. G. Ajustamento Conjugal: Comparação entre Casais com e sem Filhos com Deficiência Intelectual. Psico-USF, Bragança Paulista, v. 20, n. 2, p. 297-308. mai./ago. 2015.
PIMENTA, R. A, RODRIGUES, L. A.; GREGUOL, M. Avaliação da qualidade de vida e sobrecarga de cuidadores de pessoas com deficiência intelectual. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, João Pessoa, v. 14, n. 3, p. 69-79. 2010.
PINTANEL, A. C.; GOMES, G. C.; XAVIER, D. M. Mothers of visually impaired children: difficult and easy aspects faced in care. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 86-92. 2013.
REZENDE, J. M. M.; CABRAL, I. E. As condições de vida das crianças com necessidades especiais de saúde: determinantes da vulnerabilidade social na rede de cuidados em saúde as crianças com necessidades especiais de saúde. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, Rio de Janeiro, 2 edição suplementar, p. 22-5. out./dez. 2010.
RIBEIRO, M. F. M.; PORTO, C. C.; VANDENBERGHE, L. Estresse parental em famílias de crianças com paralisia cerebral: revisão integrativa. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 6, p. 1705-15. fev. 2012.
RODRIGUES, J. S. M.; FERREIRA, N. M. L. A. Structure and functionality of the social support network for adults with cancer. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 25, n. 5, p. 781-7. 2012.
RODRIGUES, J. S. M.; FERREIRA, N. M. L. A.; CALIRI, M. H. L. Caracterização do apoio social percebido pela família do doente adulto com câncer. Medicina, Ribeirão Preto, v. 46, n. 3, p. 289-296. set. 2013.
SELINER, B.; LATAL, B.; SPIRIG, R. Unterstützungsbedarf von Eltern hospitalisierter Kindern mit Mehrfachbehinderung. Pflege Zeitschrift, v. 29, n.2, p.73-82. mar. 2016.
SHERBOURNE, C. D.; STEWART, A. L. The MOS social support survey. Social science & medicine, New York, v. 38, n. 6, p. 705-14. 1991.
SILVA, L. M. O estranhamento causado pela deficiência: preconceito e experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 33, p. 424-61. set-dez. 2006.
SIMÕES, C. C. et al. A experiência dos pais no cuidado dos filhos com paralisia cerebral. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiânia, v. 15, n. 1, p. 138-45. jan-mar. 2013.
TRINDADE, C. R. P.; HAHN, G. V. Apoio social ao doente oncológico com base na escala do Medical Outcomes Study. Revista de Enfermagem da UFSM, Santa Maria, v. 6, n. 1, p. 112-22. jan-mar. 2016.
WEGNER, W.; PEDRO, E. N. R. Os múltiplos papéis sociais de mulheres cuidadoras-leigas de crianças hospitalizadas. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 31, n. 2, p. 335-42. jun. 2010.
WOODBRIDGE, S.; BUYS, L.; MILLER, E. My grandchild has a disability: impact on grandparenting identity, roles and relationships. Journal of Aging Studies, New York, v. 25, n. 4, p. 355-62. dez. 2011.
YAMASHITA, C. H. et al. Association between social support and the profiles of family caregivers of patients with disability and dependence. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 47, n. 6, p. 1357-64. dez. 2013.
ZANON, M. A.; BATISTA, N. A. Quality of life and level of anxiety and depression in caregivers of children with cerebral palsy. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 392-6. 2012.
Publicado
2020-03-17
Seção
Artigos