DIREITOS HUMANOS, MULHERES E GÊNERO NAS ESCOLAS

UMA QUESTÃO DE POLÍTICA PÚBLICA

  • Ana Maria KLEIN Universidade Estadual Paulista - UNESP
  • Julio Cesar TORRES Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Câmpus de São José do Rio Preto : São José do Rio Preto , SP https://orcid.org/0000-0002-1002-0078
  • Monica Abrantes GALINDO Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Câmpus de São José do Rio Preto : São José do Rio Preto , SP https://orcid.org/0000-0002-3649-5098
Palavras-chave: Direito das mulheres, Educação para as relações de gênero, Direitos humanos

Resumo

O artigo apresenta o reconhecimento internacional dos direitos das mulheres após a proclamação da Declaração Universal dos Direitos Humanos, evidenciando as diferentes pautas envolvidas neste processo e os séculos de exclusão e violências silenciados e reproduzidos socialmente. Defende-se a proposição de que para além do reconhecimento dos direitos, são necessárias ações educativas capazes de debater as questões de gênero nas escolas a fim de desconstruir práticas e preconceitos arraigados socialmente. A proposta de uma educação voltada para as relações de gênero não pode ficar restrita a algumas escolas ou programas, deve ser um tema nacional  e objeto de uma política de Estado.

Recebido em: 15/02/2019
Aprovado em: 15/06/2019

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria KLEIN, Universidade Estadual Paulista - UNESP

Doutora em Educação (USP). Professora na UNESP/São Jose do Rio Preto

Julio Cesar TORRES, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Câmpus de São José do Rio Preto : São José do Rio Preto , SP

Graduação em Administração Pública (Bacharelado) e Licenciatura em Pedagogia, com especialização em Educação Inclusiva. Cursou o Mestrado e o Doutorado em Sociologia, tendo também realizado pós-graduação lato sensu em Gerência de Cidades (Gestão Pública). Atualmente, é Professor do Departamento de Educação da UNESP/São José do Rio Preto, e do Programa de Pós-Graduação em Educação da UNESP/Marília. Trabalha com os seguintes temas: políticas públicas, política educacional brasileira, formação de professores, educação do campo. Líder do Grupo de Pesquisa em História e Política Educacional Brasileira (CNPq). Participou como docente do Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica (CAPES). Coordenador do Curso de Pedagogia da UNESP/São José do Rio Preto no período 2014-2018 e, por designação da Pró-Reitoria de Graduação da UNESP, foi Coordenador de Gestão do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID/UNESP (CAPES) no período 2014-2018. Também presidiu a Comissão Permanente de Ensino de novembro de 2015 a agosto de 2018. Atualmente, participa de 01 Colegiado Central da UNESP, e 02 Comissões Permanentes: membro titular do CADE - Conselho de Administração e Desenvolvimento, membro da Comissão de Orçamento, e membro da CPAUAC - Comissão Permanente de Avaliação de Unidades Auxiliares e Complementares.

Monica Abrantes GALINDO, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Câmpus de São José do Rio Preto : São José do Rio Preto , SP

É licenciada em Física, Mestre em Ensino de Ciências e Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP), atuando principalmente na área de formação de professores e ensino de Ciências / Física. Foi professora da Rede Pública Estadual de São Paulo e coordenadora pedagógica da Rede Municipal de São Paulo. Atualmente é Professora Assistente da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - São José do Rio Preto e colaboradora do Programa de Pós Graduação Strictu Sensu de Biociências (UNESP - São José do Rio Preto). Membra do NUPE - Núcleo Negro de Pesquisa e Extensão da UNESP, presidenta do Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres de São José do Rio Preto e coordenadora do Comitê de Ética em pesquisa com seres humanos da UNESP em São José do Rio Preto.

Referências

ARAYA UMAÑA, Sandra. Hacia una educación no sexista. Revista Electrónica Actualidades Investigativas en Educación, v. 4, n. 2, 2004. Disponível em: https://www.redalyc.org/html/447/44740217/. Acesso em: 10 fev. 2019.

DINIS, Nilson Fernandes. Educação, relações de gênero e diversidade sexual. Educação e Sociedade. Campinas, v. 29, n. 103, p. 477-492, ago./2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302008000200009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10 de fev./2019.

HERRERA FLORES, Joaquín. Teoria Crítica dos Direitos Humanos. Os direitos humanos como produtos culturais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, história e educação: construção e desconstrução. Educação & Realidade, v. 20, n. 2, 1995.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MÉSZÁROS, István. Marx: a teoria da alienação. Rio de Janeiro; Zahar, 1981.

MORENO, M. (Coord.). Como se ensina a ser menina: o sexismo na escola. Tradução de Ana Venite Fuzatto. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1999.

OLIVEIRA, Keila; RAMOS, Ethiana Sarachin da Silva; SILVA, Sueli. Relações de Gênero e Educação. Revista Sociais e Humanas, [S.l.], v. 24, n. 2, p. 101-110, fev. 2012. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/sociaisehumanas/article/view/2884. Acesso em: 10 fev. 2019.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948.

ONU. Convenção sobre os Direitos Políticos da Mulher. Doc. das Nações Unidas n. 135, de 31.3.1953. Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Direitos-da-Mulher/convencao-sobre-os-direitos-politicos-da-mulher.html. Acesso em: 10 fev. 2019.

ONU. Convenção sobre a nacionalidade da mulher casada. 1957. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/sip/onu/mulher/mulher2.htm. Acesso em: 10 fev. 2019.

ONU. Convenção relativa ao amparo à maternidade. 1952. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/sip/onu/matrimonio/convencao_amparo.html. Acesso em: 10 fev. 2019.

ONU. Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino. 1960. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000132598_por. Acesso em: 10 fev. 2019.

ONU. I Conferência Mundial da Mulher. Igualdade, Desenvolvimento e Paz. 1975. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/planeta5050-2030/conferencias/ Acesso em: 10 fev. 2019.

ONU. II Conferência Mundial da Mulher. Educação, Emprego e Saúde. 1980. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/planeta5050-2030/conferencias/. Acesso em: 10 fev. 2019.

ONU. III Conferência Mundial sobre a Mulher. Estratégias Orientadas ao Futuro, para o Desenvolvimento da Mulher até o Ano 2000. 1985. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/planeta5050-2030/conferencias/. Acesso em: 10 fev. 2019.

ONU. IV Conferência Mundial sobre a Mulher. Ação para a Igualdade, o Desenvolvimento e a Paz, 1995. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/planeta5050-2030/conferencias/Acesso em: 10 fev. 2019.

ONU. Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra a mulher, 1979. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/sip/onu/mulher/lex121.htm. Acesso em: 10 fev. 2019.

ONU. II Conferência Internacional de Direitos Humanos. Viena, 1993. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/anthist/viena/viena.html. Acesso em: 10 fev. 2019.

ONU. Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher. Convenção de Belém do Pará, 1994. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/sip/oea/mulher2.htm. Acesso em: 10 fev. 2019.

SARAMAGO, José. Ensaio sobre a cegueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SHIROMA, Eneida Oto; MORAES, Maria Célia Marcondes de; EVANGELISTA, Olinda. Política Educacional. Rio de Janeiro: Lamparina, 4ªed., 2011.

SOUZA, Celina. Políticas públicas: questões temáticas e de pesquisa. Caderno CRH, Salvador, n. 39, jul./dez. 2003.

Publicado
2019-10-23
Seção
Artigos