Base Nacional Comum Curricular: um olhar sobre a ação docente, sua formação e o ensino da língua materna

  • Andréa Ramos de Oliveira Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP/Presidente Prudente) http://orcid.org/0000-0001-7998-4660
  • Ana Luzia Videira Parisotto Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP/Presidente Prudente) https://orcid.org/0000-0001-9786-745X
  • Rozana Aparecida Lopes Messias Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP/Presidente Prudente)
Palavras-chave: Base Nacional Comum Curricular, Ensino de Língua Materna, Formação de Professores

Resumo

O presente trabalho objetiva refletir sobre as intersecções entre formação de professores da Educação Básica, ensino de língua materna e implementação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Entendido o enfoque do documento na Pedagogia das Competências, discutem-se concepções de poder a partir das contribuições de Foucault e de como interessa aos que detêm o poder manter a sociedade numa condição de alfabetismo funcional, sem que sejam desenvolvidas capacidades críticas na maioria, perpetuando-se uma educação incapaz de promover a emancipação desses sujeitos, condicionados a um estado de submissão aos interesses da minoria. As discussões e análises neste texto, construídas por meio de pesquisa documental e revisão bibliográfica, são resultado de debates fomentados em reuniões do Grupo de Pesquisa “Formação de Professores e Práticas de Ensino na Educação Básica e Superior” do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP-Presidente Prudente). Acredita-se que a BNCC não garante a qualidade educacional e, mesmo imposta, abre perspectivas de mudança na cultura escolar. Aqueles professores que fizerem uma leitura crítica do documento entenderão a necessidade da formação de sujeitos que atuem socialmente para superar a lógica imposta.

Recebido em: 13/12/2018
Aprovado em: 20/07/2019

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Ramos de Oliveira, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP/Presidente Prudente)

Professora licenciada em Letras, com especialização no ensino de Língua Portuguesa pela UNICAMP, mestre em Educação pela UNESP-Presidente Prudente. Doutoranda em Educação pela UNESP-Presidente Prudente. É membro do Grupo de Pesquisa "Formação de Professores e Práticas de Ensino na Educação Básica e Superior". Supervisora de Ensino na Prefeitura Municipal de Birigui.

Ana Luzia Videira Parisotto, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP/Presidente Prudente)

É licenciada em Letras pela Faculdade de Ciências e Letras, Unesp/Assis (1990), onde cursou também o Mestrado e o Doutorado em Letras. Concluiu o Mestrado em 1999 e o Doutorado em 2004. Fez Pós-Doutorado na Faculdade de Ciências e Letras, Unesp/ Araraquara, 2015-2016. É docente e pesquisadora em RDIDP na Faculdade de Ciências e Tecnologia/Unesp, câmpus de Presidente Prudente. Atua no Departamento de Educação e no Programa de Pós-Graduação em Educação. Tem experiência na área de Letras, com ênfase no ensino de Língua Portuguesa. Sua pesquisa está concentrada principalmente nos seguintes temas: linguística, ensino da língua portuguesa, produção de texto, ensino de ortografia, leitura e formação do professor. É líder do Grupo de Pesquisa "Formação de Professores e Práticas de Ensino na Educação Básica e Superior".

Rozana Aparecida Lopes Messias, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP/Presidente Prudente)

Possui doutorado em Educação pela Faculdade de Filosofia e Ciências - Marília (2009), mestrado em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2003), pós Doutorado em Educação pela Georgetown University- Washington DC - EUA, junto ao Spanish and Portuguese Department (2017-2018 - FAPESP- processo 2017/02937-0). Atua como professora assistente-doutora de prática de ensino e estágio supervisionado de línguas estrangeiras na UNESP-Assis. Na FCL-UNESP/Assis exerce a função de vice-coordenadora do projeto Centro de Línguas e Desenvolvimento de Professores, atua na mediação e supervisão de práticas de Teletandem. Faz parte do Grupo de Pesquisa: Teletandem: Transculturalidade das interações online via webcam e Formação de Professores e Práticas de Ensino na Educação Básica e Superior, pertence ao quadro permanente do programa de pós-graduação PROFLETRAS-UNESP. Na FCT-UNESP/Presidente Prudente, faz parte do quadro permanente do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE). Atua, principalmente, nos seguintes temas: Formação de professores de Línguas Estrangeiras e Materna; Teletandem e Formação de Professores; Tecnologia e Ensino de Línguas.

Referências

ANPED - Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Moção 12 - Moção contrário à base nacional comum curricular [sic]. 2015. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2018.
ANPED - Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Ofício nº 01/2015/GR, de 9 de novembro de 2015. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2018.
AZEVEDO, Janete M. Lins de. A educação como política pública. Campinas, SP: Autores Associados. 1997.
BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1970.
BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas linguísticas. São Paulo: EDUSP, 1998.
BRAIT, Beth. Bakhtin, dialogismo e construção do sentido. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2005.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nº 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nº 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo nº 186/2008. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2016.
BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Casa Civil, Brasília, DF, 20 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2018.
BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). 1ª versão. Brasília, DF, 2015. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2018.
BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº CNE/CP nº 2, de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Brasília, DF, 2017. Disponível em < http://portal.mec.gov.br/conselho-nacional-de-educacao/base-nacional-comum-curricular-bncc>. Acesso em: 13 jul. 2018.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília, DF, 2017. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2018.
BRITTO, Luiz Percival Leme. Educação linguística escolar: para além das obviedades. In: CORREA, Djane Antonucci; SALEH, Pascoalina Bailon de Oliveira (Orgs.). Estudos da linguagem e currículo: diálogos (im)possíveis. Ponta Grossa: Ed. UEPG, v.1, p.15-29, 2009.
COLELLO, Sílvia M. Gasparian. A escola que (não) ensina a escrever. São Paulo: Summus, 2012.
DOLZ, Joaquim; SILVA-HARDMEYER, Carla. Desafios para o ensino de língua portuguesa e a formação de professores no Brasil. In: GUIMARÃES, Ana Maria de Mattos; BICALHO, Delaine Cafiero; CARNIN, Anderson (orgs.). Formação de professores e ensino de língua portuguesa: contribuições para reflexões, debates e ações. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2016. p. 81-114.
FONTANA, Roseli A. Cação. A elaboração conceitual: a dinâmica das interlocuções na sala de aula. In: A linguagem e o outro no espaço escolar: Vygotsky e a construção do conhecimento. 12. ed. Campinas, SP: Papirus, 2008. p.119-150.
FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hubert L. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: (para além do estruturalismo e da hermenêutica). Tradução de Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.
FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Tradução de Roberto Cabral de Melo Machado e Eduardo Jardim Morais. Rio de Janeiro: Nau, 2001.
FOUCAULT, Michel. Ditos & Escritos V: Ética, Sexualidade, Política. Org. e seleção de textos Manoel B. da Motta. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.
FREIRE, Paulo. Uma entrevista polifônica e virtual com Paulo Freire. In: ZACCUR, Edwiges (Org.). A magia da linguagem. Rio de Janeiro: DP&A/Sepe, 1999. p. 13-24.
GERALDI, João W. Portos de passagem. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2013.
LA TAILLE, Yves De. A indisciplina e o sentimento de vergonha. In: AQUINO, Júlio Groppa (Org.). Indisciplina na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1996. p. 9-23.
LANDSMANN, Liliana Tolchinsky. Aprendizagem da linguagem escrita: processos evolutivos e implicações didáticas. São Paulo: Ática, 2002.
LEITE, Yoshie Ussami Ferrari; DI GIORGI, Cristiano Amaral G. A qualidade da escola pública, na perspectiva democrática e popular, Série-Estudos - Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB. Campo Grande-MS, n. 30, p. 305-323, jul./dez. 2010.
MARÍN-DÍAS, Dora Lilia. Auto-ajuda, educação e práticas de si: genealogia de uma antropotécnica. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.
RAMOS, Marise Nogueira. A Pedagogia das Competências: autonomia ou adaptação? 3. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
RESENDE, Otto Lara. Vista Cansada. Folha de S. Paulo, edição de 23 de fevereiro de 1992.
STREET, Brian V. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.
WALDMAN, Berta. Clarice Lispector. São Paulo: Brasiliense, 1983.
Publicado
2019-09-05
Seção
Artigos