A Contribuição do PIBID/Ciências Sociais para a Formação do Professor de Sociologia

Palavras-chave: Formação de Professores, Pibid, Sociologia

Resumo

Diante da falta de mudanças significativas nos modelos formativos de professores, ainda é possível encontrar uma fragmentação entre os níveis de ensino, com uma pequena parcela do currículo para o diálogo entre universidade e educação básica. As formações aligeiradas e de baixo custo, em conjunto com currículos tradicionais, direcionam os professores a uma atuação limitada, distanciando-o das teorias, base para atuação mais qualificada na escola. Buscando articular a prática e a teoria na escola, surge o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid) em 2007, tendo como meta a formação inicial do professor da educação básica. Este texto é resultado de pesquisa desenvolvida no ano de 2016 e tem por objetivo analisar as contribuições do Pibid/Ciências Sociais, para o curso de licenciatura em Ciências Sociais, procurando ressaltar suas possibilidades e limites a serem superados. A partir de revisão bibliográfica e de trabalho de campo, foram realizadas entrevistas estruturadas com oito egressos e dois alunos participantes do projeto, com intuito de compreender suas vivências, opiniões e funcionamento do programa. Os resultados afirmam a importância do Pibid para formação docente, à superação do modelo de estágio tradicional e à melhoria do desempenho acadêmico do aluno.

Recebido em: 11/07/2017.
Aprovado em: 02/12/2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Aparecida de Araújo Penitente, Unesp Marília
Pós-doutorada em Educação. Professora Assistente Doutor e membro do Programa de Pós-Graduação em Educação na UNESP-Marília
Letícia Bernal Martins, Unesp Marília
Graduada em Ciências Sociais (UNESP-Marília). Aluna Especial do Programa de Pós-Graduação em Educação (UNESP-Marília)
Sueli Guadelupe de Lima Mendonça, Unesp Marília
Doutora em Educação. Professora do Departamento de Didática e membro do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Faculdade de Filosofia e Ciências na UNESP-Marília.

Referências

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução n. 2/2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF: CNE, 2015b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17719-res-cne-cp-002-03072015&category_slug=julho-2015-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 25 set. 2017.
BRASIL. Portaria n. 96, de 18 de julho de 2013 – Aprova as regulamentações do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência – Pibid. Disponível em: http://www.capes.gov.br/educacao-basica/capespibid. Acesso em: 25 set. 2017.
BRASIL. Constituição (1988). Emenda Constitucional n. 59, de 11 de novembro de 2009. Acrescenta § 3º ao art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para reduzir, anualmente, a partir do exercício de 2009, o percentual da Desvinculação das Receitas da União incidente sobre os recursos destinados à manutenção e desenvolvimento do ensino de que trata o art. 212 da Constituição Federal, dá nova redação aos incisos I e VII do art. 208, de forma a prever a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos e ampliar a abrangência dos programas suplementares para todas as etapas da educação básica, e dá nova redação ao § 4º do art. 211 e ao § 3º do art. 212 e ao caput do art. 214, com a inserção neste dispositivo de inciso VI. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc59.htm. Acesso em: 25 set. 2017.
BRASIL. Lei n. 11.684, de 2 de junho de 2008. Altera o art. 36 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir a Filosofia e a Sociologia como disciplinas obrigatórias nos currículos do ensino médio. Disponível em: BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução n. 2/2002, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da educação básica em nível superior. Brasília, DF: MEC/CNE, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf. Acesso em: 25 set. 2017.
CAPES. Edital n. 61/2013 – Pibid – Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. Ministério da Educação, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Brasília, DF, 2013. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/Edital_061_2013_PIBID.pdf. Acesso em: 25 set. 2017.
CAPES. Edital n. 11/2012 – Pibid – Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. Ministério da Educação, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Brasília, DF, 2012. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/bolsas/Edital_011_Pibid-2012.pdf. Acesso em: 25 set. 2017.
CAPES. Edital n. 1/2011 – PIBID – Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. Ministério da Educação, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Brasília, DF, 2011. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/bolsas/Edital_001_PIBID_2011.pdf. Acesso em: 25 set. 2017.
DAYRELL, J. T. A juventude no contexto do ensino da Sociologia: questões e desafios. In: MORAES, A. C. Coleção Explorando o Ensino: Sociologia. v. 15. Brasília: Ministério da Educação, 2010.
FERNANDES, M. J. S; MENDONÇA, S. G. L. Pibid/Unesp: memórias e trajetórias no campo da formação de professores. São Paulo: Cultura Acadêmica, Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Graduação, 2016. 247 p.
______; ______. PIBID. Uma contribuição à política de formação docente. EntreVer-Revista das Licenciaturas, Florianópolis, v. 3, n. 4, p. 220-236, 2013. Disponível em: http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/EntreVer/article/view/2581/3081. Acesso em: 24 set. 2017.
GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011. 300 p.
______; ______. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: Unesco, 2009.
______. Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, Associação nacional de pós-graduação e pesquisa em educação, v. 13, n. 37, p. 57-70, abr. 2008.
MENDONÇA, S. G. L. Núcleo de Ensino e Pibid: Sintonia Diferenciada para a Formação de Professores. In: Políticas para a Formação de Professores de Educação Básica: Modelos em Disputa. PENITENTE, L. A. A; MENDONÇA, S. G. L. (Org.). São Paulo: Cultura Acadêmica, 2016. 120 p.
______. A crise de sentidos e significados na escola: a contribuição do olhar sociológico. Cadernos CEDES, Campinas, v. 31, n. 85, p. 341-357, set.-dez. 2011.
SÃO PAULO. Secretaria da Educação. Conselho Estadual de Educação. Deliberação n. 111/2012. Fixa Diretrizes Curriculares Complementares para a Formação de Docentes para a Educação Básica nos Cursos de Graduação de Pedagogia, Normal Superior e Licenciaturas, oferecidos pelos estabelecimentos de ensino superior vinculados ao sistema estadual. Diário Oficial do Estado. São Paulo, SP, 02 de fevereiro de 2012, seção I, p. 46.
SÃO PAULO. Secretaria da Educação. Conselho Estadual de Educação. Deliberação n. 126/2014. Altera dispositivos da Deliberação 111/2012. Diário Oficial do Estado. São Paulo, SP, 05 de junho de 2014, seção I, p. 28.
SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 40, jan./abr. 2009.
SPAZZIANI, M. L.; MENDONÇA, S. G. L. (Org.). Cadernos Prograd – iniciação à docência: Pibid 2009/2012. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Graduação, 2014. 180 p.
Publicado
2019-06-28
Seção
Artigos