A RELAÇÃO FAMÍLIA-ESCOLA E A GESTÃO ESCOLAR PARTICIPATIVA: REFLEXÕES ACERCA DO ROMPIMENTO DE PARADIGMAS

Alana Andreia PEREIRA, Nayara Hakime Dutra de OLIVEIRA

Resumo


As diversas concepções existentes em nossa sociedade, ora contém valores mantidos no seio das relações sociais, ora são valores construídos pelos eventos políticos, econômicos e sociais, como pelos contextos que determinaram o rumo dessas relações e como foram percebidas pelos indivíduos. Diante disso, os posicionamentos existentes sobre os limites entre escola e família, algo pouco esclarecido, muitas vezes anulam a troca de saberes entre as instituições, frustrando perspectivas de melhoria para a gestão participativa, um necessário processo para a formação de um conhecimento pautado pelas questões sociais em que a família e a escola estão imersas. A necessidade deste estudo foi sentida durante realização de uma pesquisa para obtenção do título de bacharel em Serviço Social, a respeito da inserção do Serviço Social nas escolas, como mediador entre família e escola, a im de que ambas possam ter sua participação garantida na gestão escolar – o que é previsto na legislação atual. No entanto, algumas questões não-resolvidas a respeito dos papéis sociais da família e da escola, como também do âmbito escolar, traduzem como os conceitos de limites da esfera psicossocial determinam que essas instituições não se aproximem. Portanto, este estudo vem esboçar os resultados obtidos a partir desta pesquisa realizada em 2011.

Palavras-chave


Escola; Família; Serviço Social; Gestão Participativa; Limites

Texto completo:

PDF


Universidade Estadual Paulista - Campus de Marília

Departamento de Administração e Supervisão Escolar

www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/educacaoemrevista