Necessidade, acesso e uso da informação como fatores para qualidade de vida para mulheres em privação de liberdade

Palavras-chave: Qualidade de vida, Acesso e uso de informação, Mulheres em privação de liberdade, Qualidade de vida de apenadas

Resumo

Apresenta resultados de pesquisa sobre necessidade, acesso e uso de informação por mulheres em privação de liberdade, realizada na ala feminina do Complexo Penal João Chaves (CPJC) Natal - RN, questionando como tais mulheres interpretam e constroem o conceito de qualidade de vida. Portanto, objetiva analisar como a necessidade, o acesso e uso de informações, disponibilizadas ou não pelo CPJC, contribuem para a (re)construção do conceito de qualidade de vida por parte dessas mulheres. Constitui-se pesquisa descritiva, com abordagem qualitativa, do tipo estudo de caso, instrumentalizada pela observação participante não sistemática e entrevistas semiestruturadas. Após aquiescência do CPJC as entrevistas foram realizadas com 36 mulheres que aceitaram participar da pesquisa cujos dados foram analisados a partir de categorias segundo Bardin (2011). O entrecruzamento de conceitos da teoria com a realidade das entrevistadas culmina em falas bastante complexas e por vezes contraditórias. Entretanto, fica demonstrada a relevância da informação para a melhoria da qualidade de vida, sobretudo em ambientes onde a informação tem dificuldades de circular. Por fim, resulta que as mulheres privadas de liberdade não têm exatamente o que querem em termos de qualidade de vida, mas sabem o que desejam e expressam no sentido de alcançá-la.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria da Conceição Davi, Universidade Federal da Paraiba

Graduação em Biblioteconomia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Mestrado em Ciência da Informação (em andamento), Universidade Federal da Paraíba.

Joana Coeli Ribeiro Garcia, Universidade Federal da Paraiba

Professora Titular do Departamento de Ciência da Informação com atuação no Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação, da Universidade Federal da Paraíba. Doutora em Ciência da Informação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro / Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

Referências

Amaral, M. R. S. Disseminação Seletiva da Informação no contexto das organizações aprendentes: proposta de um modelo digital integrado ao SIGAA na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 2014. Universidade Federal da Paraíba. Dissertação de Mestrado Profissional em Gestão em Organizações Aprendentes. Disponível em: http://tede.biblioteca.ufpb.br:8080/handle/tede/5934. Acesso em: 20 nov.2017.
Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.
Barreto, Aldo de Albuquerque. “A questão da informação”. Revista São Paulo em Perspectiva, vol. 8, no. 4, 1994. pp.03-08. Disponível em : http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v08n04/v08n04_01.pdf. Acesso em: 15 dez.2018.
Barros Filho, José Nabuco Galvão de. “O direito à informação e os direitos dos presos: um libelo contra a execração pública”. Rev. Inf. Leg., vol. 135, no. 34, Set. 1997. pp.01-06. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/266/r135-18.pdf?sequence=4. Acesso em: 20 nov. 2017.
Brasil. Presidência da República. Decreto-lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848.htm. Acesso em: 20 ago. 2018.
Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 12 set. 2018.
Bucci, E. S. A jurisdição constitucional e a contextualização do texto da constituição federal de 1988: mutação constitucional. Revista Brasileira de Políticas Públicas, vol. 4, no. 1, 2014, pp.155-171.
Campos, A., Trindade, L., and Coelho, L. M. S. Mulheres criminosas na abordagem interdisciplinar. Pesquisa em debate, São Paulo, ed. 9, vol. 5, no. 2, Jul/Dez. 2008. Disponível em: http://www.pesquisaemdebate.net/docs/pesquisaEmDebate_9/artigo_1.pdf. Acesso em: 17 jan. 2019.
Cellard, André. A análise documental. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos Organizado por Poupart, Jean. Petrópolis, Vozes, 2008. p. 464.
Coyle, Andrew. Manual para servidores penitenciários. Londres, International Centre For Prison Studies, 2002. p. 187. Disponível em: http://www.prisonstudies.org/sites/default/files/resources/downloads/portugese_handbook.pdf. Acesso em: 20 nov. 2017.
Davi, Maria da Conceição. Identificação e construção do conceito de qualidade de vida a partir do acesso e uso da informação por mulheres em privação de liberdade. 2019. 113 f. Universidade Federal da Paraíba, 2019. Dissertação de Mestrado em Ciência da Informação, Ciência da Informação.
Faria, T. D. A mulher e a criminologia: relações e paralelos entre a história da criminologia e a história da mulher no Brasil. Anais do 19. Encontro Nacional do CONPEDI, 2010, Fortaleza. pp. 6067-6076. Disponível em: http://www.publicadireito.com.br/conpedi/manaus/arquivos/anais/fortaleza/3310.pdf. Acesso em: 17 jan. 2019.
Le Coadic, Y-F. A Ciência da Informação. 2 ed. Brasília, Briquet de Lemos, 2004.
Marconi, M. A., and Lakatos, E. M. Metodologia do trabalho científico. 7. ed. São Paulo, Atlas, 2008.
Maslow, A. H. Motivation and a Personality. New York, Harper, 1970.
Minayo, M. C. S. (org.). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo, HUCITEC, 2014. p. 408.
OMS. Promoción de la salud: glosario. Genebra, OMS, 1998.
Reis, M. B., and Carvalho, K. de. “Atualidade da missão do bibliotecário: contribuição de José Ortegay Gasset”. Anais do 7. Encontro Nacional de Ensino e Pesquisa da Informação -CINFORM, 2007, Salvador. pp. 1-12. Disponível em: http://www.dici.ibict.artchive/00001110. Acesso em: 10 mar 2019.
Richardson, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo, Editora Atlas, 2008.
Setzer, V. W. Meios eletrônicos e educação: uma visão alternativa. 3.ed. São Paulo, Escrituras, 2005. p. 288.
Silva, A. M. e Ribeiro, F. Das “ciências” documentais à ciência da informação: ensaio epistemológico para um novo modelo curricular. Porto, Edições Afrontamentos, 2002.
Silva, J. L. C. “Necessidades de informação e satisfação do usuário: algumas considerações no âmbito dos usuários da informação”. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, vol. 3, no. 2, Jul./Dez. 2012. pp. 102-123,
Yin, R. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5.ed. Porto Alegre, Bookman, 2015. p. 290.
Publicado
2020-06-30
Como Citar
Davi, M. da, e J. Garcia. “Necessidade, Acesso E Uso Da Informação Como Fatores Para Qualidade De Vida Para Mulheres Em Privação De Liberdad”e. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, Vol. 14, nº 2 Abr-Jun, June 2020, p. 75-03, doi:10.36311/1981-1640.2020.v14n2.05.p75.
Seção
Artigos
Bookmark and Share