Panorama das patentes depositadas no Brasil

uma análise a partir dos maiores depositantes de patentes na base Derwent Innovations Index

Palavras-chave: Patente, Produção técnológica, Brasil

Resumo

Os documentos de patentes configuram importantes fontes de informação, além de sua relevância industrial e econômica. O presente estudo analisa o depósito de patentes no Brasil, a partir dos maiores depositantes de patentes indexadas na base de dados Derwent Innovations Index (DII), no período de 2004 a 2016. O estudo é patentométrico com abordagem quantitativa e caráter descritivo, tendo o corpus formado pelos registros das patentes depositadas no Brasil, no escritório brasileiro de registro de patentes – Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) –, e que foram indexadas na base DII, no período destacado. A coleta dos dados resultou em um total de 208.064 registros. A partir dos registros coletados, criou-se uma base de dados em MySQL (sistema de gerenciamento de banco de dados) e utilizou-se softwares —Excel, Thesa e Vosviewer — para a padronização dos nomes das instituições depositantes de patentes, análise, mensuração e apresentação dos resultados. Ao longo do estudo, verificou-se predomínio de empresas multinacionais entre as maiores depositantes de patentes no Brasil, vinculadas às áreas da saúde, tecnologia de informação e eletrônica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ávila-Robinson, A.; Sengoku, S. (2017). Tracing the knowledge-building dynamics in new stem cell technologies through techno-scientific networks. // Scientometrics. 112:3 (2017) 1691-1720.
Barbieri, J. C.; Álvares, A. C. T. (2005). Estratégia de patenteamento e licenciamento de tecnologia: conceitos e estudo de caso. // Re-vista Brasileira de Gestão de Negócios. 7:17 (2005) 58-68.
Badische Anilin & Soda Fabrik (2018). Quem nós somos. https://www.basf.com/global/en/who-we-are.html (17-12-2018).
Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunica-ções (2018). Comparações internacionais: recursos aplicados, 2018. http://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/indicadores/detalhe/comparacoesInternaconais/8.1.2.html (08-11-2018).
Brasil. Ministério da Indústria Comércio Exterior e Serviços. Instituto Nacional de Propriedade Industrial (2015). Manual para o de-positante de patentes. Rio de Janeiro: INPI, 2015. http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/patente/arquivos/manual-para-o-depositante-de-patentes.pdf (18-06-2018).
Brasil (2004). Lei n° 10.973, de 2 de dezembro de 2004. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm (01-06-2019)
Brasil (2005). Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11196.htm (01-06-2019)
Brasil (2016). Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13243.htm (01-06-2019)
Bufrem, L.; Silveira, M.; Freitas, J. L. (2018). Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil: panorama histórico e contemporâneo. // P2P & Inovação. 5:1 (2018) 6-25.
Centurión, W. C.; Quintella, R. H. (2015). Patentes como parte integrante das estratégias de inovação nas empresas inovadoras da rede Petrogas/ SE. // Anais do 16º Congresso Latino-Iberoamericano de Gestão da Tecnologia. Porto Alegre: ALTEC, 2015. http://altec2015.nitec.co/altec/papers/812.pdf (04-02-2018).
Chaimovich, H.; Melcop, P. D. (2007). Notas preliminares sobre financiamento à pesquisa no Brasil. // Revista USP. 73(2007) 6-23.
Chang, Y.; Yang, H.; Huang, M. (2017). Interaction between science and technology in the field of fuel cells based on patent paper analysis. // The Electronic Library. 35:1 (2017) 152-166
Consoni, L. A. A. (2017). Produção tecnológica em biodiesel: análise das características dos depósitos de patentes indexadas na Der-went Innovations Index entre 1983 e 2015. Porto Alegre: Uni-versidade Federal do Rio Grande do Sul, 2017.
Cornell University, INSEAD, World Intellectual Property Organiza-tion (2017). The Global Innovation Index 2017: innovation Feeding the World, Ithaca, Fontainebleau, and Geneva. https://www.globalinnovationindex.org/gii-2017-report (08-01-2019).Derwent Innovations Index (2018). Ajuda. 2018. Disponível em: https://images.webofknowledge.com/WOKRS512B4/help/pt_BR/DII/hs_assignee_name.html (31-10-2018).
Fazzio, D. (2017). Uma breve análise do financiamento da pesquisa no Brasil. // Pesquisa ABC. 9 (2017). http://www.ufabc.edu.br/artigos/uma-breve-analise-do-financiamento-da-pesquisa-no-brasil (28-05-2018).
Ferreira, C. B. T. (2012). O vínculo entre documentos de patentes e a informação obtida em periódicos científicos: estudo aplicado à área câncer de mama. 2012. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2012.
Ferreira, M. H. W. (2015). Análise da produção científica e tecnológica do Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas da UFPE. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2015.
Gabriel Junior,R. F.; Laipelt, R. C. F. (2017). Thesa: ferramenta para construção de tesauro semântico aplicado interoperável. // Revista P2p e Inovação. 3:2 (2017) 124-145.
Gouveia, F. (2007). Inovação e patentes: o tempo de maturação no Brasil. Inovação Unicamp. 3:3 (2007). http://inovacao.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-23942007000300012&lng=en&nrm=iso (08-01-2019).
Johnson & Johnson (2018). Sobre a Johnson & Johnson. 2018. https://www.jnj.com/about-jnj (17-12-2018).
Leta, J. (2011). Indicadores de desempenho, ciência brasileira e a cobertura das bases informacionais. // Revista USP. 89 (2011) 62-77.
Maricato, J. M. (2010). Dinâmica das relações entre Ciência e Tecnologia: estudo bibliométrico e cientométrico de múltiplos indica-dores de artigos e patentes em biodiesel. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2010.
Morais, S. M. P.; Garcia, J. C. R. (2012). Inovação tecnológica em publicações brasileiras da ciência da informação. // Anais do 13º Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência Da Informação. Rio de Janeiro: ANCIB, 2012.
Moura, A.M. M.; Scartassini, V. B. (2017). Depósito de patentes no estado do Rio Grande do Sul: uma abordagem patentométrica. // Ponto de Acesso. 11:1 (2017) 42-59.
Mueller, S. P. M.; Perucchi, V. (2014). Universidades e a produção de patentes: tópicos de interesse para o estudioso da informação tecnológica. // Perspectivas em Ciência da Informação. 19:2 (2014) 15-36.
Patra, S. K.; Muchie, M. (2018). Research and innovation in South African universities: From the triple helix’s perspective. // Scientometrics. 116:1 (2018) 51-76.
Pavanelli, M. P.; Oliveira, E. F. T. (2016). Registro de patentes das universidades brasileiras em bases internacionais. // Anais do 17º Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Salvador: ENANCIB, 2016.
Plonski, G. A. (2005). Bases para um movimento pela inovação tecnológica no Brasil. // São Paulo em Perspectiva. 19:1 (2005) 25-33.
Póvoa, L. M. C. (2010). A universidade deve patentear suas invenções? // Revista Brasileira de Inovação. 9:2 (2010) 231-256.
Reitzig, M. (2003). What determines patent value? Insights from a semiconductor industry. // Research Policy. 32 (2003) 13-26.
Rocha, E. M. P.; Ferreira, M. A. T. (2004). Indicadores de ciência, tecnologia e inovação: mensuração dos sistemas de CT&I nos estados brasileiros. // Ciência da Informação. 33:3 (2004) 61-68.
Scartassini, V. B.; Bochi, F. S.; Gabriel Junior, R. F.; Moura, A. M. M. (2018) Estudo patentométrico das patentes brasileiras na via PCT. // Anais do 18º Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência Da Informação. Londrina: ANCIB, (2018).
Schwartzman S. (2008). Pesquisa universitária e inovação no Brasil. // In: Avaliação de políticas de ciência, tecnologia e inovação: diálogo entre experiências internacionais e brasileiras. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, (2008).
Soares, T. J. C. C.; Torkomian, A. L. V.; Nagano, M. S.; Moreira, F. G. P. (2016). O sistema de inovação brasileiro: uma análise crítica e reflexões. // Interciencia. 41:10 (2016) 713-721.
Tijssen, R. J. W.; Winnink, J. J. (2018). Capturing ‘R&D excel-lence’: Indicators, international statistics, and innovative univer-sities. // Scientometrics. 114:2 (2-18) 687-699.Unilever (2019). Sobre a Unilever. https://www.unilever.com.br/about/who-we-are/introduction-to-unilever/ (21-03-2019).
World Intellectual Property Organization (2017). World Intellectual Property Indicators 2017. https://www.wipo.int/edocs/pubdocs/en/wipo_pub_941_2017.pdf (11-06-2018).WorldIntellectual Property Organization (2001). Patent Cooperation Treaty. 2001. http://www.wipo.int/export/sites/www/pct/en/texts/pdf/pct.pdf (11-06-2018).
Yan, Y.; Guan, J. (2018). How multiple networks help in creating knowledge: Evidence from alternative energy patents. // Scientometrics. 115:1 (2018) 51-77.
Yeh, H.; Lo, C.; Chang, K; Chen, S. (2018). Using hot patents to explore technological evolution: a case from the orthopaedic field. // The Electronic Library. 36:1 (2018) 159-171.
Zhang, Y.; Qian, Y.;Huang, Y.; Guo, Y.; Zhang, G.; Lu, J. (2017); An entropy-based indicator system for measuring the potential of patents in technological innovation: rejecting moderation. // Scientometrics. 111:3 (2017) 1925-1946.
Publicado
2019-06-28
Como Citar
Moura, A. M., R. Gabriel Junior, A. P. Magnus, F. Santos, e V. Scartassini. Panorama Das Patentes Depositadas No Brasil. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, Vol. 13, nº 2, June 2019, p. 59-68, doi:10.36311/1981-1640.2019.v13n2.06.p59.
Seção
Artigos
Bookmark and Share