Informação para autonomia em negócios, inovação e tecnologia

Palavras-chave: Ação autônoma, Demandas informacionais, Negócios-Inovação-Tecnologia, Startups

Resumo

Contextos denominados como ecossistemas de negócios, inovação, empreendedorismo e startups fomentam alto volume e diversidade de dados, informações e conhecimentos necessários para as tomadas de decisão constantes nesses ambientes. Dessa maneira, a identificação das demandas informacionais emergentes de ambientes denominados como ecossistemas pode contribuir para a autonomia dos atores envolvidos, na realização de suas atividades. Considera-se nesta pesquisa os estudos sobre necessidades e demandas informacionais centradas em usuários, pessoas e organizações, para interagirem no ambiente por meio da informação. Por meio de pesquisa qualitativa e descritiva, foram identificadas demandas informacionais, tais como: mapeamento de fontes de informação pertinentes; identificação de ferramentas e mecanismos para integrar os vários tipos de informação; busca e/ou projeto de sistemas interativos de informação; identificação de momentos-chave nos processos existentes; representação e descrição de informação e conhecimento; caracterização de comportamento pessoal e informativo. Conclui-se que as demandas informacionais oriundas das informações pertinentes aos ecossistemas de negócios, inovação, empreendedorismo e startups requerem do profissional da informação reflexão crítica sobre a disponibilização e preparo para a utilização das ferramentas e mecanismos de promoção do acesso e uso das informações, a fim de promover a ação autônoma dos atores integrantes desses ambientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Araújo, C. A. Á. (2016). Estudos de usuários da informação: comparação entre estudos de uso, de comportamento e de práticas a partir de uma pesquisa empírica.//Informação em Pauta.1:1 (jan./jun.) 61-78. http://www.periodicos.ufc.br/informacaoempauta/article/view/2970(2018-03-30).
Capurro, R. (2001). Ética para provedores e usuários da informação. KOLB, A. Ciberética: responsabilidade em um mundo in-terligado pela rede digital. São Paulo: Loyola, 2001.
Castells, M. (1999). Sociedade em rede. Tradução de Roneide Venâncio Majer. São Paulo, Editora Paz e Terra, 1999.
Davenport, T. H.; Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. 7. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.
Dervin, B.; Nilan, M. (1986). Information needs and uses. // M. E. Williams (Ed.) // Annual Review of Information Science and Technology (ARIST), 21, 3-33. http://www2.hawaii.edu/~donnab/lis670/dervin_nilan.pdf(2018-03-30).
Figueiredo, N. M. D. (1994). Estudo de uso e usuários da informa-ção.Brasília: IBICT, 1994.
Freire, I. M. (2018). A competência ética no contexto da inteligência coletiva. // Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, 12:2(2018)44 -51. http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/7472(2018-08-12).
Folz, C. J.; Carvalho, F. H. T. D. (2014). Ecossistema inovação. Brasília, DF: Embrapa, 2014. https://www.embrapa.br/instrumentacao/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1001206/ecossistema-inovacao(2018-03-30). IFLA Statement on DigitalLiteracy 18 August 2017. https://www.ifla.org/files/assets/faife/statements/ifla_digital_literacy_statement.pdf(2018-03-30).
Kuhlthau, C. C. (1991). Inside the search process: Information seeking from the user's perspective.// Journal of the American socie-ty for information science.42:5(1991)361.
Lancaster, F. W. (1979). Information retrieval systems: characteris-tics, testing and evaluation. 2. ed. New York, John Wiley, 1979.
Lemos, P. (2012). Universidades e ecossistemas de empreendedoris-mo.Campinas: Editora UNICAMP, 2012.
Moore, J. F. (1993). Predators and prey: a new ecology of competi-tion.// Harvard business review 71:3 (1993) 75-86.
Moore, J. F. (2006). Business ecosystems and the view from the firm.// The antitrust bulletin,51:1(2006)31-75.
Sena, P. M. B.; Blattmann, U.; Teixeira, C. S. (2017). Ecossistema de Startups em Florianópolis: possibilidades para profissionais da Biblioteconomia. RBBD. // Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, 13 (2017, dez.)2571-2588. https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/864/826(2018-03-30).
Special Libraries Association –SLA(2016). Competencies for Information Professionals. https://www.sla.org/about-sla/competencies/(2018-03-30).
Spilling, O. R. (1996). The entrepreneurial system: On entrepreneurship in the context of a mega-event.// Journal of Business re-search 36:1 (1996) 91-103.
Von Bertalanffy, L. (1975). Teoria geral dos sistemas (Vol. 351). Petrópolis: Vozes, 2015
Publicado
2019-06-28
Como Citar
Sena, P., I. Amorim, e U. Blattmann. “Informação Para Autonomia Em Negócios, Inovação E Tecnologi”a. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, Vol. 13, nº 2, June 2019, p. 69-77, doi:10.36311/1981-1640.2019.v13n2.07.p69.
Seção
Artigos
Bookmark and Share