Sensemaking approach e comportamento informacional de arquivistas na gestão de documentos universitários

Palavras-chave: Sensemaking approach, Comportamento informacional de usuários, Gestão de documentos arquivísticos, Coordenação de Arquivos e Documentação

Resumo

O artigo objetiva analisar como comportamento informacional de arquivistas interfere no processo de gestão de documentos produzidos em universidades, a partir da abordagem sensemaking. Os aportes metodológicos corresponderam ao método de procedimento monográfico (estudo de caso), inscrito na Coordenação de Arquivos e Documentação da Universidade Federal da Bahia (CAD/Ufba), com descrições das atividades dos arquivistas, assistentes e técnicos em arquivos no ambiente institucional. O instrumento de pesquisa conferiu à estruturação de questionário eletrônico, que procurou caracterizar as habilidades dos arquivistas no processo de representação e organização de documentos universitários, as estratégias de busca e recuperação de conteúdos em sistemas de informação formais/ informais e a rotina das atividades de gerenciamento, organização e atendimento aos usuários e supervisão de acervos arquivísticos. Os resultados evidenciaram que os servidores concordam com a relevância das estruturas do comportamento informacional direcionado ao desenvolvimento das atividades arquivísticas, mas reconhecem que fatores operacionais e burocráticos limitam as práticas de organização na Coordenação analisada. As considerações finais assinalam que a abordagem sensemaking dos profissionais da arquivologia interfere, positivamente, na gestão de documentos arquivísticos da Ufba, apesar dos recursos escassos destinados ao desenvolvimento das atividades de gestão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Teotonilía Maria Batista da Silva, Universidade Federal da Bahia

Mestranda do Programa de Pós Graduação da Ciência da Informação (UFBA),especialista em Metodologia Ensino Superior,(FBB) com Bacharelado (FBB) e Licenciatura em Ciências Sociais (UFBA). Atualmente atuando como Supervisora PIBID\UFBA na área de Ciências Sociais e professara de Sociologia da Secretaria da Educação-Ba, lotada no Colégio da Polícia Militar da BA, Unidade Dendezeiros.

Roberto Gonçalves Freitas, Universidade Federal da Bahia

Mestrando em Ciência da Informação - UFBA (em curso), Formado em Biblioteconomia e Documentação pela Universidade Federal da Bahia (2005). Especialização em Gestão Eletrônica de Documentos - GED, pelo Centro Universitário Augusto Motta (2009). Atualmente(2015....) é Diretor da Biblioteca do campus I da Uneb/Salvador, Coordenou a biblioteca do campus XIV da UNEB (2008-2014). É consultor para implantação e automação de bibliotecas.

Referências

Araújo, Carlos Alberto Ávila Araújo, Pereira, Giselle Alves, and Fernandes, Janaína Rozário. “A
contribuição de B. Dervin para a Ciência da Informação no Brasil”. Encontros Bibli: Revista
Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v.14, n.28, p. 57-72, 2009.

Araújo, Eliane Pawlowski Oliveira and Paula, Cláudio Paixão Anastácio de. “Comportamento
informacional: introdução de perspectivas simbólicas e afetivas em investigações sobre usuários de
informação”. Prisma.com (Portugual), n. 34, p. 46-63, 2017. Disponível em:
. Acesso em: 13 maio 2020.

Arquivo Nacional. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional,
2005.

Belkin, Nicholas, Oddy, Robert N, Brooks, Havard M. “ASK for information retrieval: part I.
Background and Theory”. Journal of Documentation, v.38, n.2, 1982.

Brasil. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

Brasil. Decreto nº 4.915, de 12 de dezembro de 2003. Dispõe sobre o Sistema de Gestão de Documentos
de Arquivo - SIGA, da Administração Pública Federal, e dá outras providências. DOU: 15.12.2003.

Brasil. Lei nº 8.159, de janeiro de 1991, art. 1º, 2º e 3º que define a competência do Poder Público
quanto à gestão documental, a proteção a documentos e arquivos e conceitua a gestão de
documentos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8159.htm. Acesso em: 01
maio 2019.

Brasil. “Sistema de Gestão de Documentos e Arquivos”. Ministério da Justiça e Segurança
Pública. O histórico do SIGA. [200-?]. Disponível em:
. Acesso em: 11 maio 2020.

Dervin, Brenda. “An overview of sense-making research: concepts, methods and results”. International
Communication Association. Dallas, TX, 1983.

Dervin, Brenda. “From the mind’s eye of the user: The sense-making qualitative-quantitative
methodology”. In Glazier, J. and Powell, R. R. Qualitative research in information management (p.
61-84). Englewood, CA: Libraries Unlimited, 1992.

Dervin, Brenda. “Given a context by any other name: methodological tools for taming the unruly beast”.
Keynote paper, ISIC 96: Information Seeking in Context. 1–23, 1996.

Dervin, Brenda. Human studies and user studies: a call for methodological interdisciplinarity. Information
Research, 9(1), 1-9, 2003.

Jardim, José Maria. “O conceito e a prática de gestão de documentos”. Acervo, v. 2, n.2, jul./dez, 1987.

Köche, José Carlos. Fundamentos de metodologia científica. 23.ed. Petrópolis: Vozes, 2006.

Martins, Gilberto de Andrade. Estudo de caso: uma estratégia de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2006.

Moreira, Flávia Moraes and Bax, Marcelo Peixoto. “O papel da arquitetura da informação na produção de
sentidos pela abordagem sense-making”. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e
Biblioteconomia, v. 11, n. 2, 2016. Disponível em:
. Acesso em: 11 maio 2020.

Rozados, Helen Beatriz. Frota. “A Ciência da Informação em sua aproximação com as ciências
cognitivas.”. Em Questão, Porto Alegre, v. 9, n. 1, p. 79-94, jan./jun. 2003.

Santos, José Carlos Sales dos. “Comportamento informacional de assessorias parlamentares na elaboração
de plataformas políticas de deputados estaduais”. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da
Informação (Enancib), 2019, Santa Catarina, Anais... Santa Catarina: Ancib, 2019.

Santos, José Carlos Sales dos Santos. A informação em instituições políticas: modelo de comportamento
informacional de assessorias parlamentares. CRV: Curitiba, 2017.

Tamayo Rueda, Deymis and Meneses Placeres, Grizly. “Comportamiento informacional: revisión de
teorias posibles para su estúdio”. E-Cienc. inf ; 8(2): 83-101, jul./dic, 2018.

Universidade Federal da Bahia. Estatuto e regimento geral. Salvador, 2010.

Wilson, Thomas D. “Human information behavior”. Informing Science Research, v.3, n.2, p. 49-55, 2000.
Disponível em: < http://www.inform.nu/Articles/Vol3/v3n2p49-56.pdf >. Acesso em: 21 jan.
2020.

Wilson, Thomas D. “Models in information behaviour research.”. Journal of Documentation, v.55, n.3, p.
249-270, jun. 1999. Disponível em:
. Acesso em: 16 fev. 2020.

Wilson, Thomas D. “On user studies and information needs”. Journal of Documentation, v. 31, n. 1, p. 3-
15, 1981.

Yin, Robert K. Estudo de caso: planejamento e método. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.
Publicado
2020-06-30
Como Citar
Santos, J. C., T. M. Silva, e R. Freitas. Sensemaking Approach E Comportamento Informacional De Arquivistas Na Gestão De Documentos Universitários. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, Vol. 14, nº 2 Abr-Jun, June 2020, p. 128-50, doi:10.36311/1981-1640.2020.v14n2.07.p128.
Seção
Artigos
Bookmark and Share