Acumulação Sistêmica e Perspectiva Brasileira: uma análise sobre as visões de Giovanni Arrighi e de Celso Furtado Systemic Accumulation and Brazilian Perspective: an analysis on the visions of Giovanni Arrighi and Celso Furtado

Pedro Brocco, Gabriel Rached

Resumo


O trabalho pretende analisar o percurso trilhado por Giovanni Arrighi em duas de suas principais obras (O Longo Século XX e Caos e Governabilidade no Moderno Sistema Mundial), levando em conta a tradição formada pelos teóricos do sistema-mundo (Arrighi, Wallerstein et. al.) e articular sua teoria com a obra de Celso Furtado, especificamente sobre a posição do Brasil nos ciclos de acumulação sistêmica. O esforço se justifica pela pertinência da análise do caso brasileiro pelo ponto de vista da perspectiva da acumulação sistêmica em cotejo com a obra de Celso Furtado, bem como pelo estudo acerca de uma possível afinidade entre a perspectiva de análise de Celso Furtado e a da Teoria do Sistema-Mundo. 

Palavras-chave: Acumulação primitiva; ciclos de acumulação sistêmica; Giovanni Arrighi; Celso Furtado.

 

 

Abstract

The study aims to analyze the path of Giovanni Arrighi in two of his major works (The Long Twentieth Century and Chaos and Governance in Modern World System) as well as the tradition formed by the theorists of the world system (Arrighi, Wallerstein et. al.) and to articulate his theory with the work of Celso Furtado, specifically about Brazil's position in the systemic cycles of accumulation, in a historical perspective. The effort is justified by the pertinence of the analysis of the brazilian case on the perspective of the systemic accumulation with the work of Celso Furtado, as well as by the study of a possible affinity between the analytical perspective of Celso Furtado and of the World System Theory.

Keywords: Primitive accumulation; cycles of hegemonic accumulation; Giovanni Arrighi; Celso Furtado.


Texto completo:

PDF


Copyright 2012 | IGEPRI | Instituto de Gestão Pública e Relações Internacionais |  Os conceitos emitidos em artigos assinados pela BJIR são de absoluta e exclusiva responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de seus idealizadores.